Graças a Trump, whiskey escocês “voa” para os EUA

Antes que as tarifas comerciais do Presidente Donald Trump entrem em vigor, algumas destilarias europeias têm enviado as suas garrafas de whiskey por avião para os Estados Unidos (EUA), ao contrário do envio normalmente utilizado, por via marítima.

Geralmente, o whiskey chega aos EUA por via marítima, visto que o seu peso torna o transporte aéreo muito caro. Para essa bebida, ao contrário do que acontece com os produtos frescos, como salmão – outra das grandes exportações da Escócia -, não existe necessidade de haver tanta pressa no transporte. Mas as tarifas de 25%, que entram em vigor brevemente, levaram alguns produtores a subir ao céu, lê-se num artigo do OZY.

Entre essas empresas está a Kilchoman, uma produtora de whiskey da Ilha de Islay. O seu fundador, Anthony Wills, enviou cerca de três mil garrafas por avião este mês.

“Acabamos de enviar uma remessa para chegar antes do prazo”, contou Anthony Wills. O proprietário calcula que as despesas com o transporte aéreo equivale ao dobro das despesas de envio marítimo, adicionando ainda cerca de 10% aos custos gerais. Mas, mesmo assim, ficou mais barato do que se esperasse pelas tarifas iminentes.

O whiskey é um dos grandes perdedores na disputa comercial entre Washington e a União Europeia (UE). O Governo Trump recebeu este mês a aprovação da Organização Mundial do Comércio para cobrar taxas anuais de 7,5 mil milhões de dólares (6,7 mil milhões de euros) a mercadorias da UE, em retaliação aos subsídios de aeronaves de Bruxelas.

O queijo italiano, o vinho francês e o azeite espanhol também estão sujeitos às tarifas. Entre os produtos do Reino Unido, o whiskey é o maior alvo. Em média, mais de quatro garrafas por segundo foram exportadas no ano passado para os EUA, o maior e mais valioso mercado da indústria, de acordo com a Scotch Whisky Association (SWA).

De acordo com o SWA, o whiskey representou um terço das exportações para os EUA no ano passado, chegando aos 442 milhões de dólares (397 milhões de euros). Através do envio marítimo, são necessárias cerca de quatro semanas para que esse produto chegue às prateleiras nos EUA. A Escócia não possui instalações no alto mar, por isso a bebida é transportada primeiramente por comboio até os portos da Inglaterra.

Antes das tarifas em causa, várias destilarias já estavam a contabilizar os valores do transporte aéreo. “O envio aéreo é caro, mas pode fazer sentido para produtos de alta qualidade”, disse Chris Rogers, analista da Panjiva e especialista em comércio.

Dados do setor mostram que os produtores também estão a acelerar os envios marítimos. Os lobistas da indústria alertaram para um impacto negativo das tarifas na economia escocesa. A indústria de whiskey escocesa emprega diretamente cerca de 11 mil pessoas na Escócia, segundo a SWA.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Restos mortais de morcego-vampiro podem desvendar mistérios sobre a espécie extinta

A descoberta da mandíbula de um morcego que viveu há 100 mil anos pode ajudar a responder a algumas incógnitas sobre a espécie extinta. Os restos mortais foram encontrados numa caverna na Argentina. De acordo com …

Vacinação de crianças saudáveis está aberta à "livre escolha dos pais"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, salientou este sábado que as autoridades de saúde não proibiram a vacinação contra a covid-19 para crianças saudáveis, considerando que “esse espaço continua aberto à livre escolha …

Tal como nos humanos, a cafeína ajuda as abelhas a aumentar o foco e a eficácia

Um novo estudo indica que, tal como em muitos humanos, uma injeção de cafeína ajuda as abelhas a manterem-se mais concentradas e a realizarem o trabalho com mais eficiência. Uma equipa da Universidade de Greenwich percebeu …

Astrónomos detetam, claramente e pela primeira vez, um disco a formar satélites em torno de exoplaneta

Com o auxílio do ALMA, do qual o ESO é um parceiro, os astrónomos detetaram pela primeira vez de forma clara a presença de um disco em torno de um planeta fora do nosso Sistema …

E se a Terra parasse subitamente de girar?

O nosso planeta demora 23 horas e 56 minutos a completar uma volta em torno do seu eixo, movendo-se a cerca de 1.770 quilómetros por hora. Aprendemos estes pormenores sobre o planeta azul na escola, …

Sporting 2 - 1 Braga | Leão entra em 2021/22 a rugir

O Sporting parece querer manter a senda de sucesso da época passada e entrou em 2021/22 com o pé direito. Os “leões” bateram o Sporting de Braga por 2-1, num jogo que valeu, sobretudo, pela primeira …

Ensinar crianças a dizer palavrões? Uma cientista acha que é boa ideia

A auto-intitulada "cientista dos palavrões" acredita que ensinar as crianças a usá-los de forma eficiente ajuda os mais novos a perceber como este palavreado afecta outras pessoas. Já se sabia que dizer palavrões é um sinal …

Fósseis misteriosos podem ser uma das provas mais antigas de vida animal na Terra

Elizabeth Turner, cientista numa universidade do Canadá, poderá ter encontrado a prova mais antiga de vida animal na Terra. Uma cientista encontrou possíveis sinais de vida animal multicelular em restos de recifes microbianos de há 890 …

E se o mundo entrasse em colapso? Cientistas descobrem qual o país onde há maior probabilidade de sobreviver

Caso a civilização entre em colapso - uma possível consequência das alterações climáticas - os cientistas já descobriram qual o lugar do mundo onde há maior probabilidade de sobreviver: é na Nova Zelândia. Numa pesquisa, dois …

"Dança quem está na roda", responde Marcelo sobre ausência de Bolsonaro

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que "dança quem está na roda" quando questionado pelos jornalistas sobre a ausência do homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, da cerimónia de reinauguração do Museu …