Governo da Ucrânia em rebuliço: corrupção na guerra, demissões e proibição de Zelenskyy

1

Sergey Dolzhenko/EPA

Volodymyr Zelenskyy

Entre outras, há suspeitas de compras de alimentos a preços duas ou três vezes superiores. Zelenskyy proíbe viagens para o estrangeiro (e vêm aí mais demissões).

agitação visível no Governo da Ucrânia, nesta semana.

Kyrylo Tymoshenko, vice-chefe do Gabinete do Presidente da Ucrânia, foi o primeiro a apresentar a sua demissão, na segunda-feira.

O decreto já foi assinado por Volodymyr Zelenskyy, que confirma a saída de Tymoshenko, acusado de conduzir um carro (Chevrolet) que era destinado para outros fins.

A viatura foi cedida pela General Motors ao Governo ucraniano, para o transporte de cidadãos em zona de guerra e para missões humanitárias. Kyrylo Tymoshenko confirmou mas explicou que conduz o carro em áreas que estão ocupadas pela Rússia. Mais tarde, deixou de conduzir o Chevrolet.

Durante a lei marcial, o agora ex-governante também foi visto a conduzir um carro, um Porsche, de 100 mil dólares.

Kyrylo Tymoshenko deverá ser substituído por Oleksiy Kuleba, chefe da administração militar em Kiev.

Já nesta terça-feira, mais demissões de vários altos funcionários do Estado ucranianos. Entre eles o vice-ministro da Defesa (e responsável pelo apoio logístico às Forças Armadas), Vyacheslav Shapovalov.

Shapovalov está envolvido num escândalo relacionado com a compra de alimentos, a preços inflacionados, para militares ucranianos.

O portal ZN relatou, apresentando documentos, que o Ministério da Defesa ucraniano compra comida para militares duas a três vezes mais cara do que o preço que se verifica nas lojas da capital Kiev. Em causa estarão favores à empresa Active Company LLC.

Três dias depois da divulgação dessa investigação, o ministro pediu a demissão “para não ameaçar a estabilidade das Forças Armadas da Ucrânia”, lê-se no comunicado oficial. Embora Shapovalov assegure que estas acusações são “infundadas”.

O vice-Procurador-Geral, Oleksiy Symonenko, também demitiu-se. Symonenko terá ido de férias para Espanha, no mês passado.

E nas próximas horas deve haver mais demissões: o Pravda avança que o Gabinete de Ministros prevê a demissão de cinco chefes de administrações regionais: Dnipropetrovsk, Zaporizhzhia, Sumy, Kherson e da capital Kiev.

Uma reformulação no Governo da Ucrânia aliada a um decreto assinado por Zelenskyy, que proíbe viagens para o estrangeiro – a não ser que as viagens sejam oficiais, com objectivos governamentais.

Todos os funcionários do governo central, vários outros níveis do governo local, agentes da lei, deputados populares, procuradores e todos aqueles que trabalharam para o Estado e no Estado estão proibidos de sair para férias, por exemplo.

“Se quiserem descansar agora, vão descansar para fora da função pública”, afirmou Volodymyr Zelenskyy.

E o presidente da Ucrânia deixou outro aviso: haverá outras “decisões de pessoal” ao longo desta terça-feira.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.