Os golfinhos formam amizades porque partilham os mesmos interesses

No que diz respeito a criar laços de amizade, parece que os golfinhos são mais parecidos connosco do que imaginávamos.

O comportamento homófilo desempenha um papel central na formação das amizades humanas, uma vez que os indivíduos formam laços sociais com aqueles que demonstram características fenotípicas semelhantes, independentemente do parentesco. Agora, sabemos que os golfinhos-nariz-de-garrafa são tal e qual como nós neste aspeto.

Shark Bay, uma baía na Austrália, é o lar de uma população icónica de golfinhos-nariz-de-garrafa e o único lugar onde estes animais foram observados a usar esponjas marinhas como ferramentas. Muitas vezes, esta estratégia de proteger o bico com esponjas é adotada como elemento de identificação dentro do grupo.

Esta técnica, que é passada de geração em geração, ajuda certos golfinhos, os “spongers“, a encontrar comida em canais de água mais profundos. Apesar de esta técnica já ter sido estudada em golfinhos fêmea, este estudo analisou especificamente os golfinhos do sexo masculino.

Para este estudo, a equipa usou dados comportamentais, genéticos e fotográficos de 124 golfinhos do sexo masculino, recolhidos durante os meses de inverno em Shark Bay, uma baía na Austrália, ao longo de nove anos (de 2007 a 2015). Os cientistas analisaram um subconjunto de 37 golfinhos macho, que compreendia 13 “spongers”.

Segundo a investigação, é mais provável que os golfinhos “sponger” machos passem mais tempo com os seus companheiros “sponger” do sexo masculino, uma vez que partilham esta característica.

Simon Allen, co-autor do estudo e professor na Faculdade de Ciências Biológicas de Bristol, explicou que esta técnica “é uma atividade demorada e solitária” e foi por esse motivo considerada incompatível com as necessidades de estes golfinhos investirem tempo na formação de alianças estreitas com outros machos.

Este estudo sugere que, tal como as fêmeas e os seres humanos, “os golfinhos machos formam laços sociais baseados em interesses compartilhados“.

A principal autora do estudo, Manuela Bizzozzero, acrescentou que “os golfinhos machos de Shark Bay exibem um fascinante sistema social de formação de alianças. Estas fortes ligações entre machos podem durar décadas e são essenciais para o sucesso de acasalamento de cada macho”.

“Ficamos muito entusiasmados em descobrir estas alianças”, rematou a investigadora. O artigo científico foi publicado recentemente na Proceedings of the Royal Society B.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Comissão nos EUA desaconselha terceira dose da Pfizer a maiores de 16 anos

Uma comissão consultiva da agência reguladora dos EUA para os medicamentos e a alimentação (FDA, na sigla em inglês) pronunciou-se esta sexta-feira contra a aplicação de uma terceira dose da vacina Pfizer contra a covid-19 …

Santos Silva quer preços da eletricidade na agenda da UE

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, defendeu esta sexta-feira que a União Europeia (UE) tem de colocar em agenda o problema do aumento dos preços da eletricidade no continente, alertando que a reação …

Já há uma calculadora que prevê o risco de se ser infetado com covid-19 (em diversos cenários)

Já existe uma ferramenta online que calcula o risco de se ser infetado com covid-19. Chama-se microCOVID, baseia-se em dados recentes, analisa diferentes cenários e foi desenvolvida por um grupo de amigos. Numa altura em que …

Alargamento de teletrabalho não deve abranger empresas de menor dimensão

O Governo defendeu esta sexta-feira, na Concertação Social, que "as empresas de menor dimensão" devem ficar excluídas da medida que prevê o alargamento do teletrabalho a pais com filhos menores de oito anos, sempre que …

Costa acusa oposição de “absoluta impreparação” por não saber o que é o PRR

O secretário-geral do PS, António Costa, acusou esta sexta-feira a oposição de “absoluta impreparação” por não saber o que é o PRR, nem a “missão patriótica” que consiste em pô-lo “em marcha para o bem …

Asteroide que dizimou dinossauros permitiu que as cobras evoluíssem (e se espalhassem pelo mundo)

As cobras devem, em parte, o seu sucesso na Terra ao asteroide que atingiu o planeta há 66 milhões de anos e levou à extinção dos dinossauros, aponta um novo estudo. Além da extinção dos dinossauros …

Novo modelo geofísico ajuda a prever furacões com origem no Golfo do México

Ao analisar a temperatura da atmosfera, que se encontra a vários quilómetros acima da Terra, os investigadores descobriram uma forma de prever quantos furacões podem afetar o Golfo do México no verão e no outono. Os …

Requiem. Supernova irá fazer uma "reaparição fantasmagórica" em 2037

Uma supernova distante, chamada Requiem, vai fazer uma "reaparição fantasmagórica" em 2037. O Hubble captou-a três vezes em 2016, graças a um fenómeno conhecido como lente gravitacional. A Requiem é o resultado de uma explosão estelar …

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …