Gigante gasoso em órbita de estrela minúscula põe em causa a teoria da formação planetária

Mark Garlick / Universidade de Warwick

Impressão artística do planeta NGTS-1B

Um planeta gigante acaba de ser descoberto e a sua existência ameaça a atual visão sobre a formação dos planetas. O novo objeto é simplesmente muito grande para a estrela que orbita.

O planeta, conhecido como NGTS-1b, é um pouco menos maciço do que Júpiter e orbita uma estrela com metade da massa e metade do raio do Sol. As teorias atuais assumiram que uma estrela tão pequena não conseguiria reunir material suficiente para formar um planeta tão grande.

A descoberta foi possível graças à NGTS (Next-Generation Transit Survey, na sigla em inglês) e é relatada nos Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

“A descoberta de NGTS-1b foi uma completa surpresa para nós – planetas maciços não foram pensados ​​para existir em torno de estrelas tão pequenas. Este é o primeiro exoplaneta que encontramos com as novas instalações da NGTS e já estamos a desafiar a teoria da formação planetária”, disse o autor principal do estudo, Daniel Bayliss, da Universidade de Warwick, em comunicado.

NGTS-1b é cerca de 0,8 vezes a massa de Júpiter e tem aproximadamente o mesmo tamanho. O planeta orbita a estrela em 2,6 dias devido à órbita próxima e tem uma temperatura de 530°C.

A estrela é uma anã M, uma das mais comuns na galáxia. Isso sugere que, mesmo que este planeta seja uma exceção à regra, pode haver outros para serem descobertos. “O nosso desafio agora é descobrir quão comum estes planetas são na galáxia e, com a nova instalação NGTS, estamos preparados para fazer isso”, disse Bayliss, citado pelo IFLScience.

O NGTS faz parte do Observatório Paranal, do Observatório Europeu do Sul, no norte do Chile. O objetivo do NGTS é procurar gigantes gasosos em torno de estrelas brilhantes, por isso este objeto foi fora do comum por várias razões.

“NGTS-1b foi difícil de encontrar, apesar de ser um ‘monstro’ de planeta, porque a estrela-mãe é pequena e fraca. Estrelas pequenas são as mais comuns no universo, por isso é possível que muitos desses planetas gigantes demorem a ser encontrados”, acrescentou o coautor do estudo, Peter Wheatley, também da Universidade de Warwick.

O sistema planetário está localizado a 600 anos-luz da Terra e milhões de estrelas vagam pelo universo dentro desta distância do nosso planeta. Logo, a NGTS poderia detetar mais “planetas monstruosos” à espreita onde não se espera que sejam encontrados.

EM, ZAP // Ciberia

PARTILHAR

RESPONDER

"50 sombras" da Idade Média. Páginas censuradas de um livro francês encontradas nos EUA

As páginas de um romance medieval foram descobertas nos arquivos da Diocese de Worcester, no estado norte-americano de Massachusetts.  Investigadores descobriram uma versão perdida de um romance medieval, que contém cenas eróticas. O poema francês - …

A tecnologia usada na Bitcoin também está a ser usada para encontrar o amor

Várias dating apps (aplicações de encontros) estão a recorrer ao blockchain para que os seus utilizadores possam encontrar a cara-metade de uma forma mais segura e transparente. O Tinder é provavelmente a dating app mais usada …

Elon Musk quer enviar passageiros para o Espaço já no próximo ano

O bilionário Elon Musk, também fundador da fabricante de automóveis elétricos Tesla, fez um anúncio surpreendente: quer que pôr passageiros no Espaço já em 2020. “Isto pode soar totalmente louco, mas queremos tentar entrar em órbita …

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …

Cientistas observaram pela primeira vez porcos a usar ferramentas

Uma equipa de cientistas registou pela primeira vez uma família de javalis das Visayas, num jardim zoológico em Paris, a usar paus para cavar e construir ninhos. Os porcos não gostam só de chafurdar na lama …