Governo devia utilizar ganhos com BdP e CGD para baixar dívida, aconselha Bruxelas

Julien Warnand / EPA

A Comissão Europeia lamentou esta quarta-feira que os “ganhos extraordinários” com o Banco de Portugal (BdP) e a CGD não estejam a ser utilizados para acelerar a redução da dívida pública, e convida o Governo a inverter este cenário.

No seu parecer sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019, que Bruxelas considera que acarreta um “risco de incumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento”, o executivo comunitário comenta que “ganhos extraordinários resultantes de despesas mais baixas com juros e de dividendos que se esperam mais elevados do BdP e da CGD não parecem estar a ser usados para acelerar a redução do rácio da dívida pública no PIB”.

Pelo contrário. Esses ganhos parecem antes estar a ser utilizados “para compensar reduções nas receitas fiscais e aumentos da despesa primária”, razão pela qual o Governo é “convidado” a aplicá-los na redução da dívida pública, cujas metas Bruxelas duvida que Portugal alcance.

O executivo comunitário comenta que, tendo em conta todas as medidas previstas no plano orçamental, estas aparentam ser limitadas com vista a alcançar o ajustamento orçamental recomendado.

O documento justifica a opinião de que o orçamento português acarreta riscos de incumprimento em particular devido a facto de a Comissão projetar “um risco de desvio significativo do ajustamento necessário para o cumprimento do objetivo orçamental de médio prazo tanto para 2018 como para 2019”.

“Além disso, não é esperado que Portugal alcance progressos suficientes para cumprir o objetivo de redução da dívida para 2019″, lê-se no parecer.

Por esse motivo, “a Comissão convida as autoridades a tomar as medidas necessárias no quadro do processo orçamental nacional para assegurar que o orçamento de 2019 cumprirá o Pacto de Estabilidade e Crescimento e a usar os ganhos extraordinários para acelerar a redução do rácio da dívida pública no PIB”.

No entanto, na conferência de imprensa desta quarta-feira na sede da Comissão, em Bruxelas, para apresentação dos pareceres sobre os planos orçamentais dos países da zona euro, o próprio comissário dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, desdramatizou a catalogação do orçamento português como de “risco” e admitiu mesmo que o desempenho da economia portuguesa volte a superar as previsões de Bruxelas.

Moscovici preferiu realçar o “imenso” que o país tem feito nos últimos anos, e admitiu até que António Costa volte a ter razão, quando sustenta que o Governo tem sempre provado a Bruxelas que as suas previsões eram mais acertadas do que as dos serviços da Comissão.

Ficarei encantando se Portugal acabar por fazer melhor, como já aconteceu no passado, do que aquilo que atualmente prevemos, e o meu bom amigo António Costa tenha então o prazer de ‘tweetar‘ outra vez. Eu saudaria isso. E pode acontecer”, afirmou.

Moscovici fez questão de começar a sua intervenção relativamente a Portugal com elogios ao “facto de as finanças públicas de Portugal terem melhorado de forma muito significativa nos últimos anos, com o défice nominal agora muito abaixo do 1% do PIB a e dívida mais de 10 pontos abaixo do pico de 130% do PIB registado em 2014”.

“Isto mostra, de resto, que políticas certas promovem crescimento e redução do défice e da dívida, e que os efeitos destas políticas podem ser muito rápidos a materializar-se”, comentou, no que pode ser entendido como um “recado” implícito para o Governo italiano, que tem argumentado que não pode cumprir as metas de défice e dívida para garantir o crescimento da economia italiana.

Para justificar a colocação do orçamento português entre aqueles que apresentam “risco de incumprimento”, o comissário dos Assuntos Económicos sublinhou que o foco das regras no esforço estrutural “é assegurar que as melhorias nas finanças públicas são duradouras, tanto nos maus como nos bons momentos, e é por isso que é importante a redução o défice estrutural, que é o verdadeiro motor de uma redução sustentável da dívida”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Plano de vacinação arranca em janeiro com três fases. 950 mil pessoas no primeiro grupo prioritário

Pessoas com mais de 50 anos com uma patologia frequente nos casos graves de covid-19, residentes e/ou internados em lares e profissionais de saúde integram o primeiro grupo prioritário para a administração da vacina de …

Segunda vaga de moratórias autorizada pela Autoridade Bancária Europeia

A Autoridade Bancária Europeia (EBA) autorizou a reabertura de moratórias de crédito, com efeitos a partir de 01 de outubro até 31 de março de 2021, dois meses após ter suspendido novas adesões. Num comunicado publicado …

Turquia alvo de críticas duras em reunião da NATO e em risco de sanções

A Turquia esteve esta quarta-feira sob um fogo de críticas na reunião virtual dos Ministros dos Negócios Estrangeiros (MNE) da NATO e, com a deceção manifestada pelos Estados Unidos, deve preparar-se para sanções económicas americanas …

O que Neymar mais quer é voltar a jogar com Messi. Só se vier a custo zero, diz o Barça

O internacional brasileiro Neymar, que alinha pelo PSG, confessou esta quarta-feira que o mais deseja é voltar a jogar com o astro argentino Lionel Messi, com quem partilhou balneário entre 2013 e 2017 no Barcelona. …

Ministro da Administração Interna e procuradora-geral da República vão ser ouvidos no Parlamento

Eduardo Cabrita será ouvido sobre o caso do cidadão ucraniano assassinado nas instalações do SEF e Lucília Gago sobre a "recente diretiva sobre os poderes hierárquicos" na magistratura do Ministério Público. A comissão de Assuntos Constitucionais …

Portugal regista mais 79 mortos e 3.772 novos casos de covid-19

Portugal contabiliza esta quinta-feira mais 79 mortos relacionados com o novo coronavírus, que provoca a covid-19, e 3.772 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Desde o início da …

França investiga 76 mesquitas por suspeita de radicalização islâmica

A França vai investigar nos próximos dias 76 mesquitas por suspeitas de radicalização islâmica, anunciou esta quarta-feira o ministro do Interior do país, Gerald Darmanin. Trata-se de 16 templos na região de Paris e 60 no …

Medidas estão a dar resultados. Novas regras apresentadas sábado vão vigorar até 7 de janeiro

O primeiro-ministro afirmou que as medidas adotadas estão a produzir resultados, havendo uma trajetória descendente de novos casos de covid-19, mas advertiu que janeiro é mês de risco e as restrições não podem ser aliviadas. Esta …

Interpol alerta para ameaça do crime organizado ligado às vacinas. Falsificações podem ser fatais

A Interpol emitiu um alerta global aos perigos de burlas à volta da nova vacina para a covid-19. As falsificações podem ser lucrativas para os criminosos e fatais para quem as usar. A Interpol emitiu um …

Alguns distritos de Portugal continental e Madeira com avisos meteorológicos até domingo

Alguns distritos de Portugal continental e o arquipélago da Madeira vão estar a partir de hoje e pelo menos até domingo com vários avisos meteorológicos devido à agitação marítima, vento e queda de neve, de …