Futebolistas do Sion recusaram corte salarial por causa da Covid-19 e foram despedidos

FC Sion / Facebook

Jogadores e adeptos do FC Sion da Suíça.

O FC Sion, o principal clube da Suíça, despediu nove jogadores por justa causa, depois de estes terem recusado uma redução significativa nos seus salários devido à crise despoletada pela Covid-19.

O ex-Sporting Seydou Doumbia, avançado costa-marfinense de 32 anos, é um dos atletas visados, tal como Alex Song e Johan Djourou, ex-jogadores do Arsenal, Pajtim Kasami, ex-Fulham, loanee Seydou Doumbia, ex-Newcastle, Ermir Lenjani, Mickael Facchinetti, Christian Zock, Birama Ndoye e o capitão de equipa Xavier Kouassi.

A Liga Suíça foi suspensa no passado dia 1 de Março, no seguimento das medidas tomadas pelo Governo para impedir os ajuntamentos de pessoas, na tentativa de travar a propagação da infecção pelo novo coronavírus.

O FC Sion liderava o campeonato de apenas 10 equipas, com 4 pontos à frente da concorrência, restando ainda 13 jogos para disputar até ao fim da época.

O clube tentou chegar a acordo com os jogadores agora despedidos, para uma redução salarial, no seguimento do anúncio da Federação Suíça de Futebol que informou os clubes de que podiam beneficiar da chamada situação de “desemprego parcial”.

O FC Sion procurou aplicar a medida, aconselhando os jogadores a aceitarem o “desemprego técnico” que lhes permitia continuarem a receber um salário, mas com uma redução substancial.

O clube pretendia aplicar um patamar máximo nos salários da ordem dos 12.350 francos suíços (cerca de 11.700 euros), mas os jogadores não aceitaram.

O clube avançou, desta forma, para a rescisão por justa causa, alegando que está “privado das suas receitas” e que está “impedido de fornecer trabalho” aos atletas e que estes também estão “impedidos” de fornecer os seus serviços ao clube.

A Associação Suíça de Jogadores de Futebol, presidida por Lucien Valloni, já apresentou uma reclamação da decisão do Sion.

O presidente do clube enviou, entretanto, uma carta a Valloni, manifestando o seu protesto contra aquela decisão e acusando o responsável da Associação de Jogadores de “viver fora da realidade actual”.

Estamos em guerra. Não importa qual é a guerra, uma guerra sanitária”, atira ainda o presidente do Sion que reforça que não está em causa um despedimento colectivo.

A maioria dos jogadores visados pela rescisão está em fim de contrato e alega que não está em causa o dinheiro, “mas a legalidade”. Também acusam o clube de estar a aproveitar a pandemia para se “livrar de jogadores que não quer”.

A postura dos atletas do Sion está a merecer muitas críticas nas redes sociais, até à luz do que aconteceu no Borussia Mönchengladbach da Alemanha, onde jogadores e equipa técnica renunciaram a uma parte dos seus salários no seguimento da pandemia de Covid-19.

SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Centeno deixa aviso à Zona Euro. Futuro da UE depende da resposta que der à pandemia

Mário Centeno escreveu aos ministros das Finanças da Zona Euro para os alertar que o futuro da União Europeia depende da forma como conseguir lidar com a crise económica devida à pandemia de Covid-19. Uma …

Governo quer desempregados e trabalhadores em lay-off a reforçar lares e hospitais

O Governo criou uma medida de Apoio ao Reforço de Emergência de Equipamentos Sociais e de Saúde com o objetivo de apoiar as entidades do setor social e solidário. De acordo com o ECO, o Governo …

Recibos verdes podem pedir apoio a partir desta quarta-feira. Será pago ainda este mês

O apoio por quebra de atividade destina-se a trabalhadores independentes que nos últimos 12 meses tenham tido obrigação contributiva em pelo menos 3 meses consecutivos. O formulário para os trabalhadores independentes pedirem apoio por redução de …

"Este mês é perigosíssimo!" Costa avisa que "não podem ir à terra" na Páscoa

"As pessoas não podem ir à terra!" O alerta é de António Costa que avisa que este mês de Abril "é perigosíssimo" por causa da Páscoa. O primeiro-ministro recomenda também aos emigrantes que não venham …

13% dos casos de covid-19 em Portugal são profissionais de saúde. Há 10 médicos nos cuidados intensivos

Um em cada oito infetados com o novo coronavírus em Portugal é profissional de saúde. O número de médicos, enfermeiros, auxiliares e outros trabalhadores de hospitais e centros de saúde que estão contagiados não pára …

Curva em Itália parece estar a aplanar. Confirmado primeiro caso num campo de refugiados grego

A Itália registou mais 4.053 casos positivos e mais 837 mortes em 24 horas, valores semelhantes aos de segunda-feira e que sugerem que a curva da covid-19 parede estar a estabilizar. De acordo com o Observador, …

Há mais de 8 mil infetados e 187 mortes por covid-19 em Portugal

Há mais 27 mortes em relação a terça-feira, aumentando o número total de óbitos para 87. O número de casos confirmados em Portugal já ascende as 8 mil pessoas. O boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da …

Há falhas no sistema que regista casos de covid-19. A "esmagadora maioria" não vai ser contabilizada

O sistema que regista os casos de covid-19 em Portugal é "um pesadelo burocrático", denunciam os infecciologistas. A "esmagadora maioria" dos casos vai acabar por não ser notificada, acrescentam. O problema tornou-se público quando a Direção-Geral …

Mais de 3600 empresas já pediram acesso ao lay-off simplificado

O Governo já recebeu 3600 pedidos de empresas para aderirem ao regime lay-off lançado na semana passada, disse, esta terça-feira, a ministra do Trabalho e da Segurança Social. Ana Mendes Godinho, que falava aos jornalistas no …

Em tempos de crise, os emprestados podem ser a solução do Benfica

Bruno Varela, Cristián Lema, Filip Krovinovic, Gedson Fernandes e Diogo Gonçalves são hipóteses que Bruno Lage tem a seu dispor para regressar dos empréstimos. A suspensão das competições desportivas deixa muitos clubes entre a espada e …