Fraude académica é maior entre alunos com mais rendimentos

Wilson Dias / ABr

A predisposição para a fraude académica no Ensino Superior em Portugal é maior nos estudantes do sexo masculino, com menor média e cujos agregados familiares têm rendimentos mais elevados, conclui um estudo da Universidade de Coimbra.

“Em Portugal, a predisposição para cometer fraude académica é maior nos estudantes do sexo masculino” e entre “alunos cujo percurso pré-universitário foi maioritariamente feito em escolas privadas”, revela em estudo que está a ser desenvolvido pelo Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra (UC).

A fraude académica também é cometida com mais frequência por alunos com “menor média” e cujos pais “têm maior grau de escolaridade e o agregado familiar rendimentos mais elevados”, conclui a mesma investigação, que questionou 7.292 alunos de licenciatura ou mestrado integrado, refere uma nota da UC divulgada esta sexta-feira.

Coordenado pelo investigador Filipe Almeida, o estudo visou “analisar a atitude e a opinião de alunos e professores perante situações de fraude académica no Ensino Superior, de modo a identificar culturas de fraude, padrões de tolerância à fraude, frequência com que é praticada e os motivos e os inibidores da transgressão”.

Sobre a prática de fraude, “73% dos inquiridos admitem que apresentariam o mesmo trabalho em diferentes disciplinas, enquanto 65,3% assumem que forneceriam respostas a um colega no exame”.

No entanto, “88% dos alunos declaram que não compraria trabalho a um colega” e 78,5% asseguram que “não aceitariam beneficiar de nota coletiva sem ter participado no trabalho de grupo” respetivo.

Transparência e lealdade aos colegas

“A fraude académica do aluno do Ensino Superior tem, em si mesma, uma implicação moral delimitada pela honestidade perante a instituição, pela lealdade perante os colegas, pela transparência perante os professores e pela dignidade individual perante si próprio”, sustentam os investigadores responsáveis pelo estudo, que, neste contexto, pretenderam “avaliar a conduta do aluno e a sua perceção sobre os limites da moralidade” no meio académico.

A “formação universitária pode desempenhar um papel decisivo na consolidação de um sistema de valores morais alinhado com um padrão ético exigente”, mas “também pode estimular condutas vulneráveis à transgressão e à ação imoral”, salientam os investigadores.

Este estudo revela-se, por isso, “essencial para compreender o papel da educação formal na estruturação de uma ética pessoal enquanto fator que antecede e influencia a conduta moral no contexto profissional futuro”, sustentam os seus autores.

Os estudantes inquiridos no estudo, desenvolvido ao longo dos últimos três anos, são “todos de nacionalidade portuguesa e com pelo menos dois anos de matrícula em instituições de Ensino Superior público e privado”, nas áreas científicas com maior número de inscritos, nomeadamente economia e gestão, engenharias, medicina, enfermagem, direito, comportamento humano e artes e ensino (formação de professores).

Os primeiros resultados da pesquisa, que foi alargada a Espanha e ao Brasil, vão ser apresentados, em Coimbra, no colóquio “A ética dos alunos e a tolerância de professores e instituições perante a fraude académica no Ensino Superior”, que vai ter lugar nos dias 8 e 9 de maio, na Faculdade de Economia da UC.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Ciclone mortal deixou uma praia da Índia coberta de ouro

Centenas de pescadores, mulheres e crianças no distrito de East Godavari, no estado de Andhra Pradesh, no sul da Índia, passaram o fim de semana a vasculhar a praia local em busca de ouro. Após o …

O Flamengo de Jorge Jesus foi "um mero acidente de percurso"

2019 foi uma exceção para a equipa brasileira que, depois de ter vencido (quase) tudo, neste ano já foi afastado da Taça do Brasil e da Libertadores: "O português foi embora e com ele toda …

Concorrência condena MEO a pagar 84 milhões por combinar preços com a NOWO

A Autoridade da Concorrência (AdC) aplicou uma coima de 84 milhões de euros à MEO por combinar preços e repartir mercados com a operadora NOWO nos serviços de comunicações móveis e fixas. “A Autoridade da Concorrência …

PEV quer reverter privatização dos CTT. PS admite todos os cenários

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) defendeu hoje, no parlamento, a “reversão da nacionalização” dos CTT, e ouviu o PS admitir “todos os cenários”. Numa declaração política no parlamento, o deputado José Luís Ferreira afirmou que, …

Voltar à normalidade "não está longe, mas não é já", avisa Pfizer

O administrador executivo da Pfizer, Albert Bourla, apelou na quarta-feira para que os governos de todo o mundo não reabram as suas economias demasiado depressa devido ao otimismo gerado pelas vacinas de covid-19. Bourla, de 59 …

Biden quer retomar acordo nuclear com o Irão, embora reconheça que será "difícil"

O vencedor das eleições presidenciais norte-americanas, Joe Biden, pretende retomar o acordo nuclear com Irão antes mesmo de novas negociações, assumiu o democrata numa entrevista ao New York Times. Joe Biden afirmou, durante a campanha eleitoral, …

Processo de reprivaticação da Efacec atrasado devido à discussão do OE2021

Apesar de as avaliações no âmbito do processo de nacionalização e futura reprivatização da Efacec já estarem concluídas, o processo esteve condicionado pela discussão do Orçamento de Estado para 2021 (OE2021). De acordo com o Jornal …

Costa sobre vacinação: “Há uma luz ao fundo do túnel, mas o túnel é muito comprido e penoso”

O primeiro-ministro, António Costa, advertiu esta quinta-feira que o processo de vacinação terá imponderabilidades externas a Portugal, sendo também complexo ao nível interno, com as dificuldades a aumentarem quanto maior for o universo de cidadãos …

Alterações climáticas podem colapsar os sistemas de saúde, alertam especialistas

O quinto relatório anual da Lancet sobre saúde e clima revelou que todos os países enfrentam ameaças à saúde humana, "que se multiplicam e se intensificam" à medida que as alterações climáticas originam novas pandemias …

Obama, Bush e Clinton vão vacinar-se publicamente para encorajar os norte-americanos

Os ex-presidentes dos EUA Barack Obama, George W. Bush e Bill Clinton disseram que estão prontos para serem vacinados publicamente contra a covid-19, a fim de encorajar os seus concidadãos a fazer o mesmo. Obama disse …