Fóssil mostra a transição da vida na terra para a água

mick Ellison / American Museum of Natural History

Já há algum tempo que a ciência sabe que a vida na Terra começou na água. Mas, a certa altura, a evolução permitiu que os seres que viviam na água se mudassem para solo terrestre e dominassem o planeta. Agora sabe-se que o contrário também aconteceu.

Em algum momento, os animais que viviam na terra mudaram-se para os mares. A biologia já sabia como é que os seres vivos tinham migrado do mar para a terra, mas só agora foi possível descobrir que o contrário (e como) também aconteceu.

Os  cientistas da Universidade Johns Hopkins e do Museu Americano de História Natural acabaram de encontrar pistas importantes ao pesquisar um fóssil com 155 milhões de anos.

Segundo os cientistas, o réptil Vadasaurus herzogi, possuía características aquáticas, incluindo uma cauda alongada e em forma de chicote e cabeça triangular, enquanto os membros relativamente grandes o ligam, por outro lado, a espécies terrestres.

O Vadasaurus, termo latino para “lagarto caminhante“, foi descoberto em pedreiras de calcário perto de Solnhofen, na Alemanha, parte de um antigo mar raso, explorado há muito tempo devido à grande quantidade de descobertas fósseis.

“Características anatómicas e comportamentais de grupos modernos de seres vivos acumularam-se por longos períodos de tempo. Os fósseis podem nos ensinar muito sobre a história evolutiva, incluindo a ordem em que essas características evoluíram e o papel adaptativo num ambiente de mudança”, explica Gabriel Bever, investigador do Museu Americano de História Natural, em Nova Iorque.

“Sempre que podemos ter um fóssil como este, tão bem conservado e significativo na compreensão de uma grande transição ambiental, é muito importante”, completa o paleontólogo do Museu, Mark Norell. “É tão importante que podemos considerar o Vadasaurus como o Arqueopteryx dos rincocefálicos (répteis primitivos)”, acrescenta.

De acordo com Bever, a pesquisa que os cientistas estão a fazer pode ser acrescentada a uma lista de criaturas do mar cujos antepassados ​​eram vertebrados terrestres. Estes incluem baleias modernas, focas e cobras marinhas, e espécies antigas (e agora extintas) como os ichthyosaurus, mosasaurus e plesiosaurus.

Bever diz que o estudo oferece provas de que o Vadasaurus pode ser ligado pela sua anatomia a um pequeno grupo de espécies marinhas chamadas pleurosauros, sobre os quais há muito tempo se pensava terem raízes terrestres.

Os pleurossauros viveram durante o período jurássico, há cerca de 185 a 150 milhões de anos. As criaturas, semelhantes a enguias, tinham membros reduzidos que provavelmente seriam  usados como auxílio na direção em vez de propulsão na água. Até agora, fósseis de apenas três espécies antigas de pleurossauros foram descobertos.

Bever e Norell dizem que o Vadasaurus e os pleurosauros fazem parte de uma linhagem de répteis chamada Rhynchocephalia.

Como acontecia com os pleurosaurios, o crânio do Vadasaurus possuía uma forma triangular, uma adaptação encontrada entre muitos animais aquáticos, como a maioria dos peixes, enguias e baleias. Além disso, o animal tinha também um focinho alongado, comum entre os animais marinhos, apresentava dentes mais afastados do corpo.

Outra característica “aquática” do Vadasaurus está relacionada com a dentada. Ao examinar a forma e a estrutura do crânio do animal, os cientistas concluíram que a dentada do Vadasaurus provavelmente era um movimento rápido, feito lateralmente, em comparação com a dentada mais lenta e forte, típica dos animais terrestres.

Apesar das características aquáticas, o Vadasaurus manteve algumas características mais frequentemente encontradas entre os vertebrados terrestres. Por exemplo, possuía membros grandes em relação ao tamanho do corpo, algo comum num réptil terrestre.

Porém, assim como acontecia com os pleurossauros, os cientistas acreditam que não usavam os membros para propulsão, mas sim para o direcionamento. O Vadasaurus pode ter nadado como uma cobra do mar moderna, movendo a coluna vertebral com um movimento ondulante.

“Os dados indicam que o Vadasaurus é um primo primitivo do pleurossauro“, diz Bever. Segundo o investigador, os dois répteis ancestrais estão intimamente relacionados com o moderno tuatara, um réptil que vive nas ilhas costeiras da Nova Zelândia e é a única espécie rincocefálica restante ainda viva.

“Não sabemos exatamente quanto tempo o Vadasaurus passava terra versus na água. Pode ser que o animal tenha desenvolvido as adaptações aquáticas por algum outro motivo, e que essas mudanças simplesmente fossem vantajosas para a vida na água”, diz Bever. O investigador conclui ainda que mais detalhes sobre a história evolutiva do Vadasaurus exigirão mais dados e outras descobertas fósseis.

PARTILHAR

RESPONDER

"Paraministro" de Costa. Gestor independente chamado para negociar plano económico de retoma

O primeiro-ministro, António Costa, convidou o diretor executivo da petrolífera Partex, António Costa Silva, para estudar o plano de recuperação económica. De acordo com o semanário Expresso, que avança a notícia na sua edição deste …

Termina o dever cívico de confinamento

O Conselho de Ministros aprovou esta sexta-feira o fim do “dever cívico de recolhimento”, que entrará em vigor na próxima segunda-feira, prevê a resolução que prolongou a situação de calamidade até 14 de junho. A situação …

"Ratos" de musgo espalham-se pelos glaciares do Ártico (e intrigam cientistas)

A presença de estranhas bolas de musgos nos ecossistemas de glaciares tem atraído a atenção da comunidade científica. Estas estranhas criatura proliferam no Ártico, mas também em regiões da Islândia e América do Sul. Especialistas de …

Há 29 países que podem visitar a Grécia a partir de 15 de junho. Portugal ficou de fora

A partir de 15 de junho, cidadãos oriundos de 29 países poderão visitar a Grécia, revelou esta sexta-feira o Governo helénico, dando conta que a lista elaborada teve em conta a situação epidemiológica de cada …

Portugal Continental não vai ter quarentena para turistas

O primeiro-ministro, António Costa, garantiu esta sexta-feira que Portugal continental não vai aplicar normas de quarentena para quem vier de fora do país. No final de um Conselho de Ministros de quase oito horas, que se …

Jovem de 19 anos morre atingido por disparos durante protesto pela morte de George Floyd

Um jovem de 19 anos morreu depois de alguém que seguia num carro ter disparado sobre uma multidão de pessoas que protestavam contra o homicídio do afro-americano George Floyd, indicou uma porta-voz da polícia de …

O campo magnético da Terra está a enfraquecer misteriosamente

Novos dados de satélite da Agência Espacial Europeia (ESA) mostram que o campo magnético da Terra está a enfraquecer entre África e a América do Sul. O enfraquecimento do campo magnético da Terra está relacionado com …

Morreram os primeiros dois capacetes azuis vítimas da covid-19

Dois militares da força de manutenção da paz das Nações Unidas no Mali morreram devido à covid-19, os primeiros entre cerca de 100.000 soldados e polícias destacados em 15 missões no mundo. "Infelizmente, ontem [quinta-feira] e …

Asteróide que dizimou os dinossauros atingiu a Terra no "mais mortífero ângulo possível"

O asteróide que dizimou os asteróides e 75% de todas espécies à face da Terra há 65 milhões de anos atingiu a Terra no "mais mortífero ângulo possível", concluiu uma investigação do Imperial College de …

O Sol pode ser fruto de um acidente galáctico entre a Via Láctea e uma galáxia anã

Uma pequena galáxia, chamada Sagitário, moldou a Via Láctea há milhares de milhões de anos: cada vez que passou perto da nossa galáxia, causou fortes explosões de formação estelar que podem até ter originado o …