Fóssil mostra a transição da vida na terra para a água

mick Ellison / American Museum of Natural History

Já há algum tempo que a ciência sabe que a vida na Terra começou na água. Mas, a certa altura, a evolução permitiu que os seres que viviam na água se mudassem para solo terrestre e dominassem o planeta. Agora sabe-se que o contrário também aconteceu.

Em algum momento, os animais que viviam na terra mudaram-se para os mares. A biologia já sabia como é que os seres vivos tinham migrado do mar para a terra, mas só agora foi possível descobrir que o contrário (e como) também aconteceu.

Os  cientistas da Universidade Johns Hopkins e do Museu Americano de História Natural acabaram de encontrar pistas importantes ao pesquisar um fóssil com 155 milhões de anos.

Segundo os cientistas, o réptil Vadasaurus herzogi, possuía características aquáticas, incluindo uma cauda alongada e em forma de chicote e cabeça triangular, enquanto os membros relativamente grandes o ligam, por outro lado, a espécies terrestres.

O Vadasaurus, termo latino para “lagarto caminhante“, foi descoberto em pedreiras de calcário perto de Solnhofen, na Alemanha, parte de um antigo mar raso, explorado há muito tempo devido à grande quantidade de descobertas fósseis.

“Características anatómicas e comportamentais de grupos modernos de seres vivos acumularam-se por longos períodos de tempo. Os fósseis podem nos ensinar muito sobre a história evolutiva, incluindo a ordem em que essas características evoluíram e o papel adaptativo num ambiente de mudança”, explica Gabriel Bever, investigador do Museu Americano de História Natural, em Nova Iorque.

“Sempre que podemos ter um fóssil como este, tão bem conservado e significativo na compreensão de uma grande transição ambiental, é muito importante”, completa o paleontólogo do Museu, Mark Norell. “É tão importante que podemos considerar o Vadasaurus como o Arqueopteryx dos rincocefálicos (répteis primitivos)”, acrescenta.

De acordo com Bever, a pesquisa que os cientistas estão a fazer pode ser acrescentada a uma lista de criaturas do mar cujos antepassados ​​eram vertebrados terrestres. Estes incluem baleias modernas, focas e cobras marinhas, e espécies antigas (e agora extintas) como os ichthyosaurus, mosasaurus e plesiosaurus.

Bever diz que o estudo oferece provas de que o Vadasaurus pode ser ligado pela sua anatomia a um pequeno grupo de espécies marinhas chamadas pleurosauros, sobre os quais há muito tempo se pensava terem raízes terrestres.

Os pleurossauros viveram durante o período jurássico, há cerca de 185 a 150 milhões de anos. As criaturas, semelhantes a enguias, tinham membros reduzidos que provavelmente seriam  usados como auxílio na direção em vez de propulsão na água. Até agora, fósseis de apenas três espécies antigas de pleurossauros foram descobertos.

Bever e Norell dizem que o Vadasaurus e os pleurosauros fazem parte de uma linhagem de répteis chamada Rhynchocephalia.

Como acontecia com os pleurosaurios, o crânio do Vadasaurus possuía uma forma triangular, uma adaptação encontrada entre muitos animais aquáticos, como a maioria dos peixes, enguias e baleias. Além disso, o animal tinha também um focinho alongado, comum entre os animais marinhos, apresentava dentes mais afastados do corpo.

Outra característica “aquática” do Vadasaurus está relacionada com a dentada. Ao examinar a forma e a estrutura do crânio do animal, os cientistas concluíram que a dentada do Vadasaurus provavelmente era um movimento rápido, feito lateralmente, em comparação com a dentada mais lenta e forte, típica dos animais terrestres.

Apesar das características aquáticas, o Vadasaurus manteve algumas características mais frequentemente encontradas entre os vertebrados terrestres. Por exemplo, possuía membros grandes em relação ao tamanho do corpo, algo comum num réptil terrestre.

Porém, assim como acontecia com os pleurossauros, os cientistas acreditam que não usavam os membros para propulsão, mas sim para o direcionamento. O Vadasaurus pode ter nadado como uma cobra do mar moderna, movendo a coluna vertebral com um movimento ondulante.

“Os dados indicam que o Vadasaurus é um primo primitivo do pleurossauro“, diz Bever. Segundo o investigador, os dois répteis ancestrais estão intimamente relacionados com o moderno tuatara, um réptil que vive nas ilhas costeiras da Nova Zelândia e é a única espécie rincocefálica restante ainda viva.

“Não sabemos exatamente quanto tempo o Vadasaurus passava terra versus na água. Pode ser que o animal tenha desenvolvido as adaptações aquáticas por algum outro motivo, e que essas mudanças simplesmente fossem vantajosas para a vida na água”, diz Bever. O investigador conclui ainda que mais detalhes sobre a história evolutiva do Vadasaurus exigirão mais dados e outras descobertas fósseis.

PARTILHAR

RESPONDER

Mãe que deixou recém-nascido no caixote do lixo não quis abortar

A jovem cabo-verdiana, em prisão preventiva por suspeitas de ter abandonado o seu filho recém-nascido no lixo, teve a oportunidade de abortar, mas não quis. O Supremo Tribunal de Justiça rejeitou, esta quinta-feira, o pedido de …

Face Oculta. MP pede 12 anos e 10 meses para Manuel Godinho

O Ministério Público (MP) defendeu esta sexta-feira a aplicação de uma pena única de 12 anos e 10 meses de prisão para o sucateiro Manuel Godinho, principal arguido do processo Face Oculta, durante a audiência …

Maioria acredita que Governo vai durar quatro anos

Uma sondagem da Aximage revela que a maioria das pessoas entrevistadas acredita que António Costa vai concluir a sua legislatura, mesmo com um Governo que consideram de "estrutura exagerada". Uma sondagem da Aximage para o Jornal …

Tecnologia usada em Marte ajuda a detectar fugas de água em Gaia

Um sistema "pioneiro em Portugal" que recorre a tecnologia usada em Marte, para detectar água, está a ser utilizada pela empresa municipal Águas de Gaia, em Vila Nova de Gaia, para detectar fugas no sistema …

É segredo de Estado e custou mais de 100 milhões. "Máquina do Fisco" analisa 600 mil facturas por hora

O sistema informático que sustenta a "máquina do Fisco" já custou ao Estado mais de 100 milhões de euros e é tão secreto que nem a localização física dos servidores que o sustentam é conhecida. …

Empresário alemão investigado por suspeitas de orgias com menores em Cascais

O empresário alemão Matthias Schmelz, representante em Portugal dos aspiradores da marca Rainbow, está a ser investigado por suspeitas de lenocínio e pagar por orgias com menores na sua casa na zona de Cascais, avançou …

A nova fábrica da Tesla não vai ser no Reino Unido por causa do Brexit

O presidente executivo da Tesla admitiu que as incertezas à volta do Brexit tiveram peso na decisão de abrir a primeira fábrica da empresa na Europa antes em Berlim. A Tesla anunciou, esta terça-feira, que vai …

Esquerda chumba equiparação do comunismo ao nazismo

A resolução do Parlamento Europeu que condena em termos iguais o nazismo e o comunismo extremou esta sexta-feira as posições na Assembleia da República. A direita acusou a esquerda de ter duas medidas para avaliar as …

Mexia não vai deixar que chineses interfiram no plano estratégico da EDP

O presidente da EDP, António Mexia, garantiu que não vai deixar que nenhum acionista impeça o desenvolvimento do plano estratégico da empresa, deixando o aviso à China Three Gorges. Em entrevista concedida ao Jornal Económico, António …

Impostos indiretos subiram com Governo de Costa e são já 55% da carga fiscal

Os impostos indiretos têm vindo a aumentar em Portugal. Dados da Direção-Geral do Orçamento mostram que o peso da tributação indireta no total da receita fiscal do subsector Estado, em 2018, ascendeu a 55,4%, o …