A evolução usou a mesma fórmula genética para “fazer” animais monogâmicos

Novos estudos da Universidade do Texas descobriram evidências sobre um código genético universal subjacente à monogamia em animais vertebrados.

Durante centenas de milhões de anos, os animais têm acasalado. Mas nem todas estas ligações selvagens representavam a mesma coisa – mesmo para animais que pareciam incrivelmente semelhantes.

A evolução usa um tipo de fórmula universal para converter espécies não-monogâmicas em espécies monogâmicas: aumentar a atividade de alguns genes e desligar outros no cérebro.

Nas espécies que se tornaram monógamas, genes envolvidos com vários tipos de funções cognitivas – desenvolvimento neural, atividade sináptica e memória – exibiram maior expressão, enquanto outros genes relacionados à transcrição genética foram reprimidos.

“O nosso estudo cobre 450 milhões de anos de evolução, que é o tempo em que todas estas espécies partilham um ancestral comum“, disse Rebecca Young, do Departamento de Biologia Integrativa, em comunicado.

“Estas diferenças podem indicar o aumento da plasticidade neural face à regulação transcricional mais rigorosa em machos monogâmicos”, explicaram os investigadores no artigo publicado na revista PNAS.

“A maioria das pessoas não esperaria que, durante 450 milhões de anos, as transições de comportamentos tão complexos sucedessem da mesma maneira”, disse Young.

Muitos mais estudos serão necessárias para descobrir o que este código genético significa exatamente para a monogamia – e ninguém está a sugerir que estes 24 genes sejam os responsáveis ​​por fazer com que os animais se unam em pares e deixem a vida solteira para trás.

Organizando os genes de espécies distantemente relacionadas, como um peixe e um mamífero, em grupos baseados em similaridades de sequência, a equipa identificou a fórmula evolutiva comum que levou à união de pares e à reprodução partilhada nos cinco grupos de espécies que se comportam como monogâmicas.

Mas, como os investigadores apontam, quaisquer que sejam as forças que fazem os animais unir-se – seja por toda a vida, ou até o final do período de acasalamento -, ao fazê-lo, talvez criem tantos problemas como resolvem.

“É preciso tolerar outro animal por perto durante um longo período de tempo e isso não é fácil”, disse Hans Hoffman, um dos autores do estudo. “Eles podem tirar a comida, tirar o abrigo, podem passar doenças com os seus germes, ou até magoar”.

Mas apesar de todos os medos, ameaças e frustrações, a natureza e a monogamia de alguma forma conspiram para que tudo valha a pena. “A evolução é brilhante”, disse Hoffman. “Quando entramos num vínculo em par, ou temos descendentes que temos de cuidar, achamos isso recompensador”.

PARTILHAR

RESPONDER

Estrela hiper-fugitiva foi expulsa do disco da Via Láctea

De acordo com investigadores da Universidade de Michigan, uma estrela veloz pode ter sido ejetada do disco estelar da Via Láctea por um enxame de estrelas jovens. Os cientistas dizem que a estrela não teve …

Cientistas portugueses participam na criação do maior telescópio do mundo

O SKA, Square Kilometre Array, está já em construção e será o maior telescópio do mundo. Cientistas portugueses estão a participar no seu design e alguns dos testes serão feitos em território luso. A construção do …

Bolsonaro pondera não assinar qualquer acordo na próxima cimeira do clima

O Brasil está a considerar não assinar qualquer acordo climático na próxima COP25, anunciou este sábado em Santiago o Presidente brasileiro Jair Bolsonaro, após uma reunião que manteve no sábado no Palácio de La Moneda …

Portugal vs Sérvia | Massacre luso com pólvora seca

Segunda jornada do Grupo B da qualificação para o Euro 2020, segundo empate de Portugal, ambos em casa. Após o nulo ante a Ucrânia na primeira jornada, os campeões da Europa não foram além de …

O "homem-milagre". Carteiro português esteve morto 21 minutos e acordou a caminho da morgue

Declarado morto pelos médicos, depois de ter tido um ataque cardíaco, e "ressuscitado" 21 minutos depois, quando já ia a caminho da morgue, o português João Araújo continua a ser conhecido como o "homem milagre" …

Um dos fármacos mais promissores para tratar o Alzheimer falha nos testes em humanos

Uma onda de choque instalou-se na comunidade de pesquisa sobre o Alzheimer na sexta-feira, depois que a empresa farmacêutica Biogen anunciou a suspensão - na fase final em humanos - dos testes com o fármaco …

Gerente de agência de viagens deixou 84 clientes em terra. Em tribunal, foi absolvida

Paula chegou a tribunal acusada de burla qualificada por ter deixado 84 clientes da agência de viagens que geria no Montijo com as férias ou viagens estragadas em agosto de 2016. Chegou a ser detida …

Italiana de 91 anos distinguida pelos seus feitos na II Guerra Mundial. Aos 17 anos, salvou 38 pessoas

Gabriella Ezra, de 91 anos, vai receber a Estrela de Itália. O Estado decidiu homenageá-la depois de a embaixada italiana em Inglaterra, onde Gabriella vive, ter recebido uma carta do filho, Mark, de 65 anos, …

Moscovo enviou dois aviões com soldados e armamento para a Venezuela

Duas aeronaves russas aterraram no aeroporto de Caracas, este sábado, trazendo 100 soldados e 35 toneladas de armamento. As tropas chegaram sob supervisão do chefe do comando principal das forças terrestres russas, Vasilly Tonkoshkurov. A chegada …

Escolas retiram relógios analógicos das salas porque os alunos "não sabem dizer as horas"

As escolas estão a retirar os relógios analógicos das salas de aula porque os adolescentes não sabem ler a hora, disse um sindicato de professores do Reino Unido. Para remediar o problema e substituir os relógios …