A evolução usou a mesma fórmula genética para “fazer” animais monogâmicos

Novos estudos da Universidade do Texas descobriram evidências sobre um código genético universal subjacente à monogamia em animais vertebrados.

Durante centenas de milhões de anos, os animais têm acasalado. Mas nem todas estas ligações selvagens representavam a mesma coisa – mesmo para animais que pareciam incrivelmente semelhantes.

A evolução usa um tipo de fórmula universal para converter espécies não-monogâmicas em espécies monogâmicas: aumentar a atividade de alguns genes e desligar outros no cérebro.

Nas espécies que se tornaram monógamas, genes envolvidos com vários tipos de funções cognitivas – desenvolvimento neural, atividade sináptica e memória – exibiram maior expressão, enquanto outros genes relacionados à transcrição genética foram reprimidos.

“O nosso estudo cobre 450 milhões de anos de evolução, que é o tempo em que todas estas espécies partilham um ancestral comum“, disse Rebecca Young, do Departamento de Biologia Integrativa, em comunicado.

“Estas diferenças podem indicar o aumento da plasticidade neural face à regulação transcricional mais rigorosa em machos monogâmicos”, explicaram os investigadores no artigo publicado na revista PNAS.

“A maioria das pessoas não esperaria que, durante 450 milhões de anos, as transições de comportamentos tão complexos sucedessem da mesma maneira”, disse Young.

Muitos mais estudos serão necessárias para descobrir o que este código genético significa exatamente para a monogamia – e ninguém está a sugerir que estes 24 genes sejam os responsáveis ​​por fazer com que os animais se unam em pares e deixem a vida solteira para trás.

Organizando os genes de espécies distantemente relacionadas, como um peixe e um mamífero, em grupos baseados em similaridades de sequência, a equipa identificou a fórmula evolutiva comum que levou à união de pares e à reprodução partilhada nos cinco grupos de espécies que se comportam como monogâmicas.

Mas, como os investigadores apontam, quaisquer que sejam as forças que fazem os animais unir-se – seja por toda a vida, ou até o final do período de acasalamento -, ao fazê-lo, talvez criem tantos problemas como resolvem.

“É preciso tolerar outro animal por perto durante um longo período de tempo e isso não é fácil”, disse Hans Hoffman, um dos autores do estudo. “Eles podem tirar a comida, tirar o abrigo, podem passar doenças com os seus germes, ou até magoar”.

Mas apesar de todos os medos, ameaças e frustrações, a natureza e a monogamia de alguma forma conspiram para que tudo valha a pena. “A evolução é brilhante”, disse Hoffman. “Quando entramos num vínculo em par, ou temos descendentes que temos de cuidar, achamos isso recompensador”.

PARTILHAR

RESPONDER

Tancos. Detetada discrepância na listagem de lança-granadas

O CDS alega diferenças entre as listas comunicadas pelo Exército e entregues pela Polícia Judiciária Militar ao Ministério Público e quer alterar relatório final sobre Tancos. O CDS alegou existir uma diferença de 80 lança-granadas …

Rio defende inocência de Álvaro Amaro e critica julgamentos na praça pública

O presidente do PSD defendeu esta segunda-feira, em Viana do Castelo, o respeito pelo princípio de presunção de inocência para todos os portugueses e criticou julgamentos "na praça pública", referindo-se ao processo que envolve o …

Campanha para ajudar Miguel Duarte já angariou mais de 30 mil euros

A campanha de crowdfunding para ajudar Miguel Duarte, acusado pela justiça italiana de auxílio à imigração ilegal, já angariou quase 30 mil euros. Para surpresa de Miguel Duarte, o objetivo inicial da campanha de crowdfunding lançada no …

Misteriosas ilhas artificiais na Escócia são mais antigas que Stonehenge

Arqueólogos da Universidade de Southampton, que trabalharam com colegas da Universidade de Reading e com o arqueólogo local Chris Murray, descobriram que alguns "crannogs" escoceses datam do período neolítico - muito mais antigos do que …

Greves da Soflusa e Transtejo desconvocadas

A secretária-geral e responsável pela comunicação da Soflusa, Margarida Perdigão, confirmou esta segunda-feira que as greves da empresa de transportes foram desconvocadas. As greves tinham início marcado para terça-feira. Os sindicatos assinaram um protocolo que vai …

ONG pede investigação sobre a morte do ex-presidente do Egito Mohamed Morsi

A organização não-governamental Human Rights Watch pediu uma investigação sobre o acesso à assistência médica e aos alegados maus tratos sofridos ao longo dos anos por parte do ex-presidente do Egito Mohamed Morsi, que morreu …

Os golfinhos formam amizades porque partilham os mesmos interesses

No que diz respeito a criar laços de amizade, parece que os golfinhos são mais parecidos connosco do que imaginávamos. O comportamento homófilo desempenha um papel central na formação das amizades humanas, uma vez que os …

Neozelandês que partilhou vídeo do massacre de Christchurch condenado a 21 anos de prisão

Um neozelandês foi esta terça-feira condenado a 21 meses de prisão por ter partilhado o vídeo que o alegado autor do ataque em março contra duas mesquitas de Christchurch, que fez 51 mortos, transmitiu em …

Michel Platini detido por suspeitas de corrupção

Michel Platini foi detido, esta terça-feira, em Nanterre, nos subúrbios de Paris, pela polícia judiciária durante investigação sobre alegada corrupção na organização do Campeonato do Mundo de 2022, no Qatar. De acordo com a Mediapro, o …

Estados Unidos enviam mais mil militares para o Médio Oriente para "monitorizar" ações do Irão

Após o anúncio do Irão, de que vai recomeçar o enriquecimento de urânio para fins militares, os Estados Unidos decidiram enviar mais mil militares para o Médio Oriente. Os Estados Unidos decidiram enviar cerca de mil …