FMI alinha previsões com Governo mas pede mais reformas e redução da dívida

Thomas Dooley / International Monetary Fund / Flickr

A diretora-geral do FMI, Christine Lagarde

O FMI está mais otimista e diz que as metas de crescimento e de redução do défice definidas pelo Governo para 2017 e 2018 serão alcançadas, mas defende mais ambição na redução da dívida e nas reformas estruturais.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) concluiu na quarta-feira mais uma missão de monitorização pós-programa a Lisboa, a primeira liderada por Alfredo Cuevas (o novo chefe da equipa do Fundo que acompanha Portugal) e, na declaração de conclusão divulgada hoje, mostra-se mais otimista face a visitas anteriores, melhorando as perspetivas.

Agora e face a setembro, a instituição revê em alta a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,5% para 2,6% este ano e de 2% para 2,2% no próximo e melhora a previsão para o défice orçamental de 1,5% para 1,4% em 2017 (excluindo os custos associados com a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, cuja classificação ainda está a ser avaliada) e de 1,4% para 1,1% em 2018.

Isto significa que o FMI apresenta estimativas para este ano e próximo iguais às inscritas pelo Governo no Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), destacando a melhoria económica (também na União Europeia), os resultados no setor financeiro, o olhar mais amigável dos mercados perante a dívida pública portuguesa e a redução do défice.

“O forte crescimento, juntamente com os esforços continuados para conter a despesa, devem permitir que as metas do défice orçamental de 2017 e 2018 sejam alcançadas confortavelmente“, lê-se no comunicado de conclusão de missão.

O FMI destaca que a atividade económica fortaleceu-se em 2017, “impulsionada por uma recuperação significativa no investimento e um crescimento contínuo nas exportações e no consumo privado”.

No entanto, apesar do otimismo nas projeções, o Fundo deixa avisos, salientando que a recuperação económica e as baixas taxas de juro “criam uma oportunidade auspiciosa para uma redução mais rápida da dívida pública”, que estima que caia de 130,1% em 2016 para 125,8% e 2017 e para 123,7% do PIB em 2018.

Apesar da redução do rácio face ao Produto Interno Bruto (PIB), a dívida pública “continua a ser uma vulnerabilidade no médio prazo, já que restringe a habilidade do Governo para responder a choques adversos que podem surgir”, adverte o FMI.

É que, defende, “é provável” que o ritmo de crescimento se atenue até alcançar o potencial de médio prazo e que taxas de juro subam com a redução dos estímulos da política monetária.

Nesse sentido, o Fundo defende uma maior consolidação estrutural do saldo primário (ou seja, que exclua os efeitos do ciclo e os juros da dívida pública) que “ponha a dívida pública numa trajetória de redução forte no médio prazo”.

No comunicado, a equipa de missão admite que o OE2018 signifique uma redução do excedente estrutural primário – esperando que se reduza de 2,8% para 2,4% do PIB potencial.

Além disso, o FMI sugere que esse ajustamento seja feito através de “uma reforma duradoura da despesa“, considerando que “é provável que se revele mais sustentável e amiga do crescimento”.

Por isso, entende que o Ministério das Finanças deva ser mais “cauteloso sobre aumentos permanentes na despesa que possam reduzir a flexibilidade da despesa pública se as condições cíclicas mudarem” e que essa cautela é “especialmente importante” em decisões que “possam afetar a trajetória dos salários da Administração Pública nos próximos anos”.

O Fundo defende “mais reformas estruturais, mais investimento e mais produtividade”, considerando, nesse sentido, que a flexibilidade do mercado de trabalho é um “elemento-chave” para a economia portuguesa.

A equipa de acompanhamento sublinha ainda que os salários “estão bem alinhados com a produtividade” e que isso permite a entrada de novos trabalhadores altamente qualificados no mercado de trabalho “ao mesmo tempo que salvaguarda a competitividade”.

O FMI pede ainda um “aumento substancial” do investimento, o reforço da poupança nacional e “esforços continuados”, com novas medidas e um acompanhamento de perto, na resolução do problema do crédito malparado.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …