Fluxo de turistas está a afetar a carteira dos portugueses

Embora a discrepância entre os salários e a inflação ainda não seja motivo de preocupação, as poupanças das famílias portuguesas podem ser afetadas em 2018. Isto porque, se por um lado o turismo anima a economia, por outro provoca subidas de preços que os salários portugueses não conseguem acompanhar.

Segundos os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), embora a inflação ainda esteja longe da meta de 2% definida pelo BCE, a recuperação económica está a provocar aumento de preços que se fazem sentir na carteira dos portugueses.

No ano passado, a inflação ficou em 1,4%, tendo sido a primeira vez em cinco anos que a barreira simbólica de 1% foi ultrapassada. Uma parte da pressão deveu-se ao fenómeno do turismo.

De acordo com o Jornal Económico, a subida mais acentuada de preços verificou-se nos serviços de alojamento, com um encarecimento anual de quase 12%, enquanto que os pacotes de férias ficaram 8% mais caros.

Há, ainda, outros tipos de aumentos que, embora não estejam intrinsecamente relacionados com o turismo, afetam as famílias portuguesas, como é o caso dos sumos (11%) e os combustíveis (9%). Por contraste, houve produtos que baixaram de preço, como o vestuário e muitos aparelhos eletrónicos.

Para 2018 “prevemos uma inflação média de 1,7%, um pouco acima do consenso e das previsões do Banco de Portugal e do registado no ano passado”, adianta ao mesmo jornal Filipe Garcia, economista da Informação de Mercados Financeiros (IMF). Esta previsão tem como base o crescimento económico de Portugal.

No entanto, salienta o jornal, este aumento de preços coincide com o primeiro ano em que as famílias portuguesas não vão beneficiar de um aumento generalizado do rendimento disponível por via fiscal.

Em 2017, a sobretaxa de IRS foi eliminada para todos os contribuintes e, este ano, apesar de as mudanças levarem a uma maior progressividade e redução da carga fiscal, esse efeito não vai sentir-se de forma imediata, só nos reembolsos de 2019.

No que diz respeito aos juros dos empréstimos, “em 2017, muitas famílias beneficiaram de um aumento ligeiro do rendimento disponível” devido à descida das taxas de juro do crédito à habitação, “o que não deverá repetir-se este ano”, explica Filipe Garcia.

Os funcionários públicos não irão beneficiar de uma reposição de salários este ano, à semelhança do que aconteceu no primeiro ano de mandato do Governo e, no setor privado, os novos postos de trabalho estão a ser criados com remunerações mais baixas.

Isto significa que as famílias vão perder poder de compra, devido a uma subida da inflação acima dos salários? Eduardo Silva, gestor da XTB, desvaloriza esse cenário. “O fator cambial pode atenuar esse impacto, que seria sempre mínimo”, diz o economista, lembrando que “na fase expansionista da política monetária o poder de compra real é sempre beneficiado”, por via da redução das taxas de juro.

Seria mais penalizador caso houvesse incrementos quer de salários quer da inflação, já que levaria a uma subida dos juros do BCE. “Os valores atuais de inflação relativamente ao crescimento de salários não representam uma discrepância que deva ser considerada um fator de preocupação”, frisa.

Ainda assim, as famílias devem adaptar-se a esta “nova economia”, que tem um peso crescente estrangeiro, tanto pelos turistas como pela chegada de imigrantes. “Este fenómeno, a par do turismo, poderá levar a uma subida mais sustentada nos preços ao consumo, nomeadamente no comércio e serviços, bem como na habitação”, diz Filipe Garcia.

Por um lado, é normal que haja um mercado de bens e serviços mais direcionados para o turismo, que acabe por afetar a carteira dos portugueses. Por outro lado, também a inflação tem efeitos em quem tem poupanças nos bancos.

O dinheiro aplicado em depósitos vai ter mais um ano de perda real porque as taxas de juro continuarão abaixo da inflação. “Os aforradores terão de investir noutros produtos além dos depósitos se pretenderem não ter uma perda real dos valores das poupanças em 2018”, alerta Filipe Garcia ao jornal.

ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Pais de malucos governado por retardados, entao agora os culpados dos aumentos dos precos sao os turistas? (nao sao as taxas taxinhas e taxetas para sustentar as clientelas) Durante mais de 40 anos ouvi dizer aos mesmos retardados que a culpa era dos emigrantes

    • As taxas em Lisboa são as mesmas em todas as zonas, mas comer num restaurante nos restauradores pode custar o dobro do que a mesma refeição num restaurante nos Olivais.

      Sim a procura encarece a oferta.

    • Já cá faltava a patranha de vir subreptíciamente tentar culpar o Estado. No país onde a culpa é sempre “deles”… Sobrety«udo se “eles” forem do outro clube do futebolismo político. Está-se farto de saber que quem faz estes aumentos pra “inglês pagar” são os donozinhos dos negócios, não é o Estado. Daqui a bocado, os Taxistas que andam a engrupir os camones no aeroporto, também é por culpa do Estado. Raios te abrazassem, mais às teorias do Estado papão.

  2. Já se sabe que Portugal gosta de lixar os Portugueses e também já se sabe que isto está condenado a ser uma instância balnear para estrangeiros ricos.

    Os tugas migram para os países desenvolvidos como mão de obra barata nas obras e nas limpezas, e o país com o seu bom tempo fica para os ricos desses países do Norte, que vêm aos saldos e à praia. Acho que sim…

  3. Portugal é promovido aos “turturistas” como o país de sol, belas praias, boa comida, gentes simpáticas e mão de obra barata – até aqui tudo bem e a economia poderia ser rica e equilibrada! Mas Eles, os “turturistas”, levaram isso a letra e agora moram nas nossas casas, comem a nossa comida, ocupam as nossas praias, invadem os nossos restaurantes e abusam das pessoas simpáticas, até quando?

  4. Mas alguém ficará surpreendido com a notícia? Por um lado temos o governo que dá com uma mão para retirar com a outra, se assim não fosse o país cairia rapidamente no mesmo cenário da falência da qual ainda há pouco saímos, depois temos os particulares nada menos espertos do que os governantes não fossem todos eles farinha do mesmo saco, com o aumento do turismo imaginam eles estar perante a galinha dos ovos de ouro e de um momento para o outro correm o risco de espantar a caça toda e voltarem ao mesmo cenário do que aconteceu há vários anos atrás no Algarve quando começou a haver uma invasão de turistas sobretudo britânicos e onde os nacionais eram vistos como clientes de segunda, depois inflacionaram os preços e os estrangeiros perceberam que existiam outras paragens paradisíacas e a melhores preços e começaram-se a afastar e então aí os nacionais passaram a ser bem vindos, corre-se o risco de voltarmos ao mesmo com tantos espertalhões a pretenderem encher-se em pouco tempo!.

  5. Para além dos preços serem inflacionados pelos proprietários, principalmente na restauração, já me aconteceu ser mal atendida porque preferem turistas, não lhes fiz a vontade, eu e duas amigas ficamos e consumimos, quando saímos havia mesas ” até dar com um pau”. Não sai sem deixar o recado. Mas sinceramente , até hoje não gastei lá nem um cêntimo. Lateral da estação do Rossio.

Responder a MMQ Cancelar resposta

Governante sugere "chazinhos e bolos" para acabar com agressões nas salas de espera dos hospitais

"Salas de espera com bom aspecto, com televisão, revistas" e com "chazinhos e bolos" podem ajudar a reduzir o "clima de tensão" que se vive em alguns hospitais, contribuindo para acabar com as agressões a …

Detidos cinco suspeitos da morte de jovem cabo-verdiano em Bragança

A Polícia Judiciária anunciou, esta sexta-feira, que foram detidos cinco homens, suspeitos de estarem envolvidos na morte do estudante cabo-verdiano, em Bragança. A Polícia Judiciária (PJ) anunciou, em comunicado, que procedeu, esta quinta-feira, a "buscas domiciliárias, …

Cláudio Monteiro renuncia a cargo de juiz do Tribunal Constitucional

O juiz renunciou ao mandato do Tribunal Constitucional por ter sido, entretanto, nomeado Juiz Conselheiro do Supremo Tribunal. O juiz Cláudio Monteiro renunciou, esta quinta-feira, ao mandato de juiz do Tribunal Constitucional (TC), de acordo com …

Proposta do BE sobre IVA da energia vai ser rejeitada pelo Governo, revela PS

Uma proposta do Bloco de Esquerda (BE) para reduzir o IVA sobre a eletricidade e o gás natural, sem impacto no Orçamento de Estado para 2020, vai ser rejeitada pelo Governo, por não corresponder à sua …

Petição quer enfermeiros como profissão de desgaste rápido e subsídio de risco. 2.500 já assinaram

Mais de 2.500 pessoas já assinaram uma petição online que defende a atribuição do estatuto de profissão de desgaste rápido aos enfermeiros, bem como a atribuição de um subsídio de risco. No texto, os promotores defendem …

Para os norte-americanos, Portugal é o melhor país para gozar a reforma

Para os norte-americanos, Portugal é o melhor país para gozar a reforma depois de uma vida de trabalho. Os custos de vida, o clima e as pessoas são alguns dos motivos que levam os pensionistas …

Berardo apresenta recurso contra arresto de imóveis de luxo

Joe Berardo apresentou um recurso contra o arresto a dois imóveis de luxo em Lisboa. As propriedades foram arrestadas pela Caixa Geral de Depósitos por dívidas superiores a 300 milhões. O empresário madeirense Joe Berardo interpôs …

Para além de autocarros, Cascais quer comboios gratuitos dentro do município

Desde 1 de janeiro de 2020, Cascais tornou-se no primeiro concelho do país a ter transportes públicos rodoviários gratuitos. Agora, quer alargar a iniciativa aos comboios. "Estamos a abrir um novo paradigma, que encara a mobilidade …

Governo convoca sindicatos para negociar aumentos acima dos 0,3%

O Governo convocou as estruturas sindicais da administração pública para voltar a negociar a proposta dos aumentos salariais de 0,3% para este ano. De acordo com a agência Lusa, o Governo convocou as estruturas sindicais da administração …

Governo prepara injeção final de 1400 milhões no Novo Banco

Desde a venda, em outubro de 2017, o Estado já injetou 1,9 mil milhões de euros no Novo Banco. Agora, o Fundo de Resolução estuda injetar mais 1,4 mil milhões. O Fundo de Resolução e o …