Famílias portuguesas preveem gastar em média 387 euros no Natal

Cada família portuguesa prevê gastar em média 387 euros este Natal, mais nove euros do que em 2018, mas abaixo do valor pré-crise e da média europeia, que vai ao encontro do otimismo face à economia.

Cada família portuguesa prevê gastar em média 387 euros este Natal, mais nove euros do que em 2018, mas menos de metade do valor pré-crise e abaixo da média europeia de 461 euros, revela esta quarta-feira um estudo.

Segundo as conclusões do Estudo de Natal 2019 da consultora Deloitte, “este aumento do orçamento das famílias para a época natalícia vai ao encontro do otimismo registado pelos portugueses em relação à economia nacional”, já que, “de entre os oito países em análise, Portugal é o que regista um índice de confiança económica mais elevado, com 72% dos inquiridos a considerar que a economia nacional é estável ou está em crescimento”.

Segundo a Deloitte, os perto de 400 euros que cada família portuguesa prevê gastar no Natal inclui gastos estimados em presentes, refeições, eventos sociais e viagens, tendo esta última categoria sido adicionada ao estudo apenas no ano passado.

“Apesar deste aumento, a média nacional encontra-se ainda longe da europeia, que este ano se fixa nos 461 euros, mais 74 euros que o expectável para o mercado português”, e representa ainda menos de metade dos valores gastos nos anos pré-crise, destaca.

“Depois de um período de acentuado pessimismo durante os anos da crise, a confiança das famílias portuguesas na evolução da economia e do seu poder de compra tem assistido a uma evolução positiva desde 2012. Essa recuperação não se traduz, contudo no nível de gasto durante a quadra natalícia que, apesar de uma ligeira recuperação, se mantém estável nos últimos cinco anos em valores inferiores a metade do que se observava nos anos pré-crise”, afirma Pedro Miguel Silva, Associate Partner da Indústria de Consumo da Deloitte.

O estudo volta a apontar a primeira quinzena de dezembro como “o período preferido para os portugueses fazerem as suas compras de natal”, mas deteta “uma tendência crescente de antecipação desta atividade, com o mês de novembro a ganhar cada vez mais peso nas preferências das famílias”.

Em novembro, destaca-se a preferência pelo período da Black Friday, onde 68% dos inquiridos admite vir a fazer algumas das suas compras de natal, um valor idêntico ao da média europeia.

Quando questionados sobre a influência do Orçamento do Estado — este ano com entrega prevista para 16 de dezembro — nos seus hábitos de consumo neste Natal, a maioria dos inquiridos nacionais refere que esta será “moderada”, mas a Deloitte destaca o “crescente número de portugueses” que procura fazer as suas compras de Natal em períodos de grandes campanhas comerciais, como a Black Friday.

Os chocolates destacam-se como “o presente favorito” dos portugueses, sendo referidos por 60% dos participantes na 22.ª edição do Estudo de Natal da Deloitte como “a prenda ideal para esta época natalícia”, numa preferência partilhada por homens e mulheres.

Para os homens, o top três de presentes mais desejados é completado por roupas e livros, respetivamente, enquanto as portuguesas elegem a cosmética/perfumes para o segundo lugar das preferências, seguindo-se os livros.

A maioria dos portugueses (67%) escolhe os centros comerciais como “lugar de eleição” para fazer as compras de Natal, uma tendência que a Deloitte diz não ser “acompanhada pela maioria dos países europeus que, com exceção de Espanha, preferem os super e hipermercados e as lojas da especialidade para obterem os seus presentes”.

O mercado online tem vindo a crescer e prevê-se que possa representar um quarto (25%) das compras de Natal feitas em Portugal em 2019. “Apesar desta tendência crescente — nota a consultora – as famílias portuguesas continuam a eleger as lojas físicas como o sítio preferencial para adquirirem as suas prendas, apontando como principais razões para esta escolha o serviço personalizado de atendimento, as políticas de devolução e uma maior confiança nos meios de pagamento utilizados”.

No que diz respeito à fase prévia da compra dos presentes, nomeadamente a procura de ideias e o respetivo aconselhamento, são notórias “algumas semelhanças entre a realidade nacional e europeia, com os portugueses a recorrerem, além das lojas físicas (63%), aos sites das marcas (37%), às recomendações de amigos (31%) e às redes sociais (28%)”.

// Lusa

 

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Há que gastar e fazer parte da febre consumista mas não esquecer de cantar “pobrezinho nasceu em Belém”! Fica bem! É lindo!…

    • Não fazendo parte dessa “media”. Não penso gastar nada de excepcional a não ser o meu necessário do dia a dia, não penso fazer parte da “doentia casta” consumista em nome de um J.C, que aparentemente também da qual também não fazia parte !quanto ao “fica bem e é lindo” penso como você, de lindo nada tem, de hipocrisia muita !

RESPONDER

Humanidade não será capaz de controlar máquinas superinteligentes, avisam cientistas

Uma equipa de investigadores do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano sugere que seria impossível controlar máquinas superinteligentes. A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) continua a evoluir de vento em popa, enquanto alguns cientistas e …

Em 1950, a vacinação em massa salvou a Escócia

Em 1950, Glasgow, na Escócia, viu-se a braços com um surto de varíola e o cenário era muito semelhante ao que vivemos hoje: as autoridades sanitárias tentavam rastrear todos os contactos de pessoas portadoras do vírus, …

Japonês aluga-se a si próprio "para não fazer nada". E tem milhares de clientes

Um homem japonês que ganha a vida a alugar-se a si próprio “para não fazer nada” atraiu milhares de clientes. O negócio começou em 2018. Por 10.000 ienes (cerca de 79 euros) - mais despesas com …

Documentos de vacinas roubados por hackers também foram "manipulados"

A Agência Europeia do Medicamento, entidade reguladora da União Europeia (UE), informou este sábado que os documentos da vacina contra a covid-19 roubados e colocados na Internet por hackers foram também "manipulados". A manipulação aconteceu depois …

Há 11 anos que não se consumia tanta eletricidade num só dia. A culpa é do frio

O país está a bater recordes de energia, tanto em termos de pico como de consumo diário. A culpa é da vaga de frio que assolou Portugal neste Inverno. O consumo de eletricidade bateu, na quarta-feira, …

Dymka, a gata que perdeu as patas e recebeu próteses de titânio impressas em 3D

Dymka, uma gata russa, ganhou um novo estímulo na sua vida depois de um grupo de veterinários realizar uma cirurgia para substituir as suas patas por próteses feitas de titânio impressas em 3D. A universidade revelou …

Hélder Amaral: "O meu partido de sempre está a morrer"

Em declarações ao semanário Expresso, o antigo deputado do CDS-PP, Hélder Amaral, diz-se desiludido com o seu partido. O ex-deputado centrista Hélder Amaral, que foi também presidente da distrital de Viseu, não está feliz com o …

EDP antecipa pagamento a mais de mil fornecedores em Portugal e Espanha

A EDP vai antecipar o pagamento a mais de mil fornecedores, uma iniciativa que, à semelhança do que já aconteceu no último ano, irá manter-se para todos os pagamentos a fornecedores ao longo do primeiro …

Há centenas de pessoas em busca de tesouros que não existem na Índia (e a culpa é de um boato)

Moradores de pelo menos três vilas no distrito de Rajgarh, no estado indiano de Madhya Pradesh (MP), passaram a última semana à procura de um tesouro antigo que provavemente não existe. Centenas de aldeões estão a …

João Ferreira diz que Marcelo deixou jovens em situação de "vulnerabilidade" (e elogia lay-off a 100%)

João Ferreira criticou este sábado o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa por deixar os jovens em situação de "vulnerabilidade". O candidato presidencial João Ferreira afirmou, este sábado, que o Presidente da República, Marcelo …