Falta de planeamento da segunda vaga é “irrelevante” em contexto de mudanças diárias

lisboncouncil / Flickr

António Correia de Campos

Para Correia de Campos, ex-ministro da Saúde, a “‘overdose’ mais opinativa do que analítica começa a cansar”, sendo precisamente de cansaço mediático que sofrem Graça Freitas e Marta Temido.

O ex-ministro da Saúde Correia de Campos traçou esta quinta-feira um quadro crítico da gestão social da pandemia, atirando à “proliferação de cientistas” e às críticas a uma falta de planeamento da segunda vaga, que considerou “irrelevante” num “quotidiano mutante”.

Na conferência online intitulada “Covid-19: O Regresso da Peste?”, que reuniu académicos e especialistas da área de saúde, o ex-ministro da Saúde do governo de José Sócrates e professor catedrático jubilado da Escola Nacional de Saúde Pública, traçou um quadro de “doenças sociais e comorbilidades sociais” associadas à covid-19, instigadas por ignorância, inconsciência, medo e revolta.

Sobre as críticas à falta de planeamento para uma segunda vaga da pandemia, “esperada em janeiro e que chegou em setembro”, Correia de Campos reconheceu que ela existe, mas defendeu que “caem no vazio as acusações de falta de plano entre ondas pandémicas”, algo “impossível quando todos os dias a mente está concentrada em apagar fogos”, num contexto de alterações constantes, pelo que a “preguiça planeadora foi irrelevante”.

“O comentário mais comum hoje é a crítica à suposta falta da planeamento da segunda vaga, como se fosse possível planear o imprevisto, o quotidiano mutante, disciplinar o vírus a atuar apenas nos dias ímpares ou fazer surgir da noite para o dia profissionais cuja gestação exige dez anos. Em circunstâncias normais os políticos lideram as opiniões, agora são as opiniões avulsas e erráticas que pretendem liderar os políticos”, disse Correia de Campos, que se mostrou crítico da “proliferação de cientistas” e especialistas nos media.

Do nada surgem dezenas de cérebros privilegiados”, disse o ex-ministro, que, adaptando os versos de Luís Vaz de Camões, ironizou: “Ditosa pátria que tantos e tão bons filhos tem”.

Para Correia de Campos “esta ‘overdose’ mais opinativa do que analítica começa a cansar”, sendo precisamente de cansaço mediático, defendeu, que sofrem a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, e a ministra da Saúde, Marta Temido, “elevadas aos píncaros da popularidade”, que depois da “subida ao céu mediático”, conhecem agora a “descida ao inferno opinativo”.

“Temos comentadores a pedir semanalmente a cabeça da ministra da Saúde e ela resiste incólume, os mercantilistas a exigirem mercado sem realmente o oferecerem e este a fugir-lhes para o público, os privados a clamarem pelo banquete e afinal a comida é-lhes distribuída com parcimónia. As cassandras a anunciarem que para a semana será a rotura – dos hospitais, do material – e, todavia, os hospitais teimam em resistir”, disse.

O país, “em vez de unir-se está a tender a dividir-se”, está “mais áspero”, afirmou Correia de Campos, que em termos políticos, no entanto, vê um Governo com união e colaboração do Presidente da República, “sempre ao seu lado ou até mesmo à sua frente, oferecendo o peito a balas” e uma oposição “entre o cooperante e o construtiva, que muitos até consideravam dócil demais”.

À gestão da pandemia faltam recursos humanos, que levam anos a formar e que o país perde para a emigração ou para o setor privado, falta uma maior ligação entre Saúde e Segurança Social, e “insuflar energia às tropas”, defendeu Correia de Campos, que apontou “comandantes cansados e polarizados na informação que julgam a pedra filosofal da sua sobrevivência, generais com baixa moral, apesar de respeitados, quadros médios esquecidos e executantes remunerados com palmas e loas”.

“Substituí-los será erro maior, é forçoso criar um espírito de corpo, um afago de camisola para penetrar o ego, passar do simbólico ao efetivo”, acrescentou.

Defendeu ainda que não falta disciplina aos cidadãos, que, “aprende-se na tropa, tem que ser consentida e não imposta”. “Consentimento implica informação, sem ela há apenas subserviência. Boa informação, não excessiva nem repetitiva, exige comunicação de alta qualidade, os tempos que correm são exigentes”, rematou.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns ser Doutor Correia de Campos pela sua analise certeira, o mal deste País é que já deviam ter começado a investir na Saúde há dezenas de anos em vez de desinvestirem, é a Saúde que é um bem de todos estar partidarizada também já há décadas, é os próprios profissionais de saúde em vez de falarem a uma só voz ou entre eles verem o que se podem fazer para melhor e falarem conforme a sua inclinação partidário, basta estarmos atentos aos opinadores sejam eles os comentadores jornalísticos médicos, especialistas de epidemiologia e virologia, Enfermeiros e restante pessoal de Saúde, é o jornalismo que parece sentir-se feliz a dar as noticias negativas e as positivas passa-lhes ao lado, tudo isto ajuda há descrença do cidadão comum não ajuda em nada a união dos cidadãos para que contribuam para que a Pandemia reduza.

  2. Este senhor Correia de Campos tem muitas responsabilidades no desinvestimento no SNS. Foi ele que fechou maternidades, por todo o país, obrigando algumas das nossas crianças a irem nascer em Espanha e outras nos braços dos bombeiros a caminho da maternidade mais próxima!! Ou já se esqueceu disto! Um longo discurso para pôr paninhos quentes, mas as responsabilidades não são assumidas!

RESPONDER

R abaixo de 1 em Portugal. Um milhão de pessoas pode já ter tido contacto com o vírus

Um doente covid-19 em Portugal está a infetar, em média, menos de uma pessoa, segundo dados do Instituto Ricardo Jorge revelados esta quinta-feira, que mostram que o Rt voltou a estar abaixo do 1. “Atualmente, o …

EUA aprovam legislação que pode excluir firmas chinesas do seu mercado de capitais

O Congresso norte-americano aprovou esta quinta-feira legislação que força as empresas chinesas a saírem dos índices bolsistas norte-americanos a menos que cumpram as regras de contabilidade nos Estados Unidos. A legislação, que pode afetar dezenas de …

Polícia Judiciária faz buscas na Câmara de Vila Verde

A Polícia Judiciária está a fazer buscas na Câmara de Vila Verde, no distrito de Braga, relacionadas com "adjudicações a juntas de freguesia", confirmou esta quarta-feira à Lusa fonte daquela força policial. Segundo a mesma fonte, …

Reino Unido começa a vacinar já na próxima semana

O Reino Unido vai começar a vacinar a sua população contra a covid-19 na próxima semana. Depois da aprovação do uso da vacina da Pfizer, os primeiros a receber a vacina serão os trabalhadores e …

Governo já garantiu 370 camas no setor privado

O Governo já garantiu 370 camas no setor privado, sendo que quase metade, 164, são para doentes covid. Há atualmente 3.338 pacientes infetados com o novo coronavírus internados em hospitais. A informação foi confirmada por fonte …

Covid-19 pode ter chegado aos EUA em dezembro de 2019. País prepara-se para o pior inverno da história

Depois de ter sido confirmado que o novo coronavírus já circulava em Itália desde setembro de 2019, agora surge um relatório que refere que a covid-19 pode ter infetado um pequeno número de pessoas nos …

Maior parte dos médicos aposentados que voltam ao SNS prefere trabalhar em tempo reduzido

A maior parte dos médicos aposentados que regressa ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) opta por trabalhar em tempo reduzido, adianta o Jornal de Notícias. De acordo com o Jornal de Notícias, do total de 216 …

Bruxelas ameaça avançar com Fundo de Recuperação sem Hungria e Polónia

A Comissão Europeia (CE) está a perder a paciência e, caso não haja progressos nas negociações, ameaça avançar com o Fundo de Recuperação europeu sem a 'luz verde' da Hungria e da Polónia. O ultimato foi …

Empresas que reforcem lay-off não podem fechar portas, mas podem reduzir horários a 100%

O chamado “apoio à retoma progressiva” vai permitir que em dezembro as empresas saltem para o escalão seguinte, que garante mais financiamento, mas o Governo exige que mantenham atividade. Contudo, garante que tal não condiciona …

Reunião no Infarmed. Pico foi atingido em 25 de novembro, peritos pedem que não haja medo das vacinas

Especialistas, dirigentes dos partidos políticos e parceiros sociais voltaram esta quinta-feira a reunir-se para analisar a situação epidemiológica da covid-19, em vésperas de nova renovação do estado de emergência e da decisão sobre as medidas …