Facebook quer criar 10.000 novos empregos na UE nos próximos cinco anos

1

Projeto que a gigante norte-americana quer criar em solo europeu consiste num metauniverso, um espaço virtual que permite a reunião de pessoas que não estão juntas fisicamente, com recurso a realidade virtual e aumentada.

O Facebook anunciou hoje que vai criar dez mil novos empregos na União Europeia nos próximos cinco anos e fazer da região uma prioridade nos seus planos para ajudar a construir o metaverso.

“O Facebook encontra-se no início de uma jornada para ajudar a construir a próxima plataforma de computação” e “juntamente com outras pessoas e entidades” está “a desenvolver o que é chamado de metaverso: trata-se de um projeto ambicioso que pretende criar espaços virtuais para pessoas que não estão juntas fisicamente se reunirem, através da utilização de tecnologias como a realidade virtual e aumentada“.

No centro do metaverso, explica a empresa, “está a ideia de que, ao criar um maior senso de ‘presença virtual‘, a interação ‘online’ pode tornar-se muito mais próxima da experiência de interação pessoal”.

Para a rede social, o metaverso “tem o potencial de ajudar a desbloquear o acesso a novas oportunidades criativas, sociais e económicas” e o Facebook acredita que os europeus vão moldar o metaverso desde o início. “Nenhuma empresa será proprietária e operará o metaverso”, acrescenta, adiantando que, “tal como a Internet, a sua principal característica será a sua abertura e interoperabilidade“.

Tornar este plano realidade “irá exigir colaboração e cooperação entre empresas, ‘developers’, criadores e legisladores” e para a rede social irá também exigir “um investimento contínuo em produto e talento tecnológico, bem como no crescimento em toda a empresa”.

Por isso, a empresa anunciou “um plano para criar dez mil empregos altamente qualificados na União Europeia (UE) nos próximos cinco anos”, afirma Javier Olivan, vice-presidente para área de ‘central product services’ do Facebook, na publicação sobre o anúncio. “Este investimento é um voto de confiança na indústria tecnológica europeia e no potencial do talento tecnológico europeu”, notou.

Na publicação faz-se ainda referência a uma Europa que é “extremamente importante” para a empresa e “este é um momento emocionante para a tecnologia europeia”.

O Facebook salienta que a UE tem “uma série de vantagens que a tornam num ótimo lugar para as empresas de tecnologia investirem — um grande mercado de consumo, universidades de topo e, principalmente, talentos de alta qualidade“. A gigante tecnológica aponta que as empresas europeias “estão na vanguarda de vários campos, seja a biotecnologia, alemã que ajudou a desenvolver a primeira vacina MRNA, ou a coligação de neobancos europeus que lideram o futuro das finanças”.

A título de exemplo, “Espanha conta com níveis recorde de investimento em ‘startups’ que tudo resolvem, desde a entrega ‘online’ de mercearia à neuroeletrónica, enquanto a Suécia caminha para se tornar na primeira sociedade do mundo sem dinheiro em 2023“, exemplifica.

“Há muito tempo que o Facebook acredita que o talento europeu é líder mundial e é por isso que investiu tanto nele ao longo dos anos — desde o financiamento de bolsas na Universidade Técnica de Munique até à abertura do seu primeiro grande laboratório europeu de pesquisa de IA e programa acelerador FAIR em França, e à estreia do escritório do Facebook Reality Labs em Cork”, recorda a rede social.

O Facebook salienta também que a UE tem um “papel importante a desempenhar na definição das novas regras da Internet” e que os legisladores europeus “estão a liderar o caminho para ajudar a incorporar valores europeus como a liberdade de expressão, privacidade, transparência e os direitos dos indivíduos no trabalho diário da Internet”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A rede social diz que “partilha desses valores e realizou medidas consideráveis ao longo dos anos para defendê-los“, esperando “ver a conclusão do Mercado Único Digital para apoiar as vantagens existentes na Europa, bem como a estabilidade dos fluxos de dados internacionais, que são essenciais para uma economia digital próspera”.

Destacando como urgente a necessidade de engenheiros altamente especializados, o Facebook afirma-se “ansioso para trabalhar com governos em toda a União Europeia de forma a encontrar as pessoas certas e os mercados certos para levar isso adiante, como parte de um próximo esforço de recrutamento em toda a região”.

  ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.