Executivos brasileiros fecham acordo para delações sobre Lava Jato

Agência Brasil

Marcelo Odebrecht

Marcelo Odebrecht

O ex-presidente da Odebrecht e mais de 50 executivos e funcionários da empreiteira brasileira fecharam acordos para prestar informações à Operação Lava Jato em troca de eventuais reduções de pena.

O jornal O Globo avançou esta terça-feira que estes acordos conhecidos como delações premiadas (prestação de informações em troca de eventual redução de pena), alcançados após oito meses de negociações, representarão a maior série de acordos do género fechados no país, segundo uma fonte ligada às investigações.

O jornal avança ainda que outros acordos estão pendentes de acertos finais entre investigadores e investigados.

Na fase preliminar das negociações do acordo agora alcançado, Marcelo Odebrecht e outros executivos referiram os nomes de pelo menos 130 deputados, senadores e ministros e 20 governadores e ex-governadores.

Entre eles estão o Presidente brasileiro, Michel Temer, e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), José Serra (Relações Exteriores) e Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo).

Também foram referidos Antônio Palocci, ex-ministro nos governos de Lula da Silva e de Dilma Rousseff que se encontra detido, e Guido Mantega, que também passou pelos dois executivos do Partidos dos Trabalhadores (PT) e que chegou a ser preso por algumas horas em setembro, assim como o ex-deputado Eduardo Cunha.

Para fontes com acesso à investigação citadas pelo Globo, as acusações atingem “de forma democrática” líderes de todos os grandes partidos que se encontram no Governo ou na oposição.

“Não vai ser o fim do mundo, mas são informações suficientes para colocar o sistema político em xeque“, disse ao diário um dos envolvidos nos ajustes entre investigados e a equipa que investiga o caso.

Marcelo Odebrecht encontra-se detido em Curitiba desde 2015, e em março foi condenado, por corrupção ativa, branqueamento de capitais e associação criminosa, a 19 anos a e quatro meses de prisão.

A Operação Lava Jato investiga um mega-esquema de corrupção envolvendo a petrolífera estatal Petrobras, empresários e políticos.

O Globo refere que os acordos deverão ser assinados após os depoimentos, que devem ser finalizados entre o final deste ano e o início de 2017.

O alto número de delatores criou problemas estruturais na operação, uma vez que foram destacados 10 investigadores para conduzir, pelo menos, 50 delações de executivos e funcionários da maior empreiteira do país – um número ainda não confirmado indica a existência de 68 delatores.

Os investigados serão alinhados conforme participação nos esquemas de corrupção e relevância na hierarquia das propinas. Os interrogatórios devem ser feitos em São Paulo, Brasília, Salvador e Curitiba, onde Marcelo Odebrecht está preso.

A tarefa é considerada longa e árdua. Pelos padrões da Lava-Jato, um investigado nunca presta menos do que 10 longos depoimentos, sendo que alguns são chamados para prestar esclarecimentos mais de 50 vezes.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

NOS e Vodafone vão partilhar equipamentos de redes móveis

A NOS e a Vodafone fecharam acordos com vista à partilha de infraestruturas e equipamentos de rede móvel, abrangendo as tecnologias 2G, 3G e 4G. A NOS e a Vodafone anunciaram um acordo de partilha de …

Eutanásia começa a ser discutida. Deputados consideram pergunta "confusa" e "não" é quase certo

A discussão sobre a eutanásia começa hoje no Parlamento e estende-se até sexta-feira. A proposta, que conta com o apoio da Igreja Católica, deve ser chumbada, tendo em conta os sentidos de voto já conhecidos, mas …

Cabrita mantém auditoria sobre falhas na GNR e PSP em segredo

A auditoria "Cartografia de Risco", feita pela Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) que detetou falhas na formação e organização na GNR e na PSP, continua em segredo no gabinete do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. Em …

Assassino publicou áudio a dizer que "vingou o profeta". Pai de aluna e dois menores podem ter sido cúmplices

O assassino do professor francês que mostrou caricaturas de Maomé numa aula divulgou uma mensagem de áudio nas redes sociais em que dizia ter vingado o profeta, após publicar uma fotografia da sua vítima, avança …

Avanços e ajustamentos em pezinhos de lã. Sem certezas, Governo tenta aproximar-se à esquerda

A tensão entre o PS e a esquerda já dura há duas semanas. O Governo já fez algumas cedências em troca do "sim" dos parceiros, mas falta a análise que tarda em chegar. Fonte do Governo …

"Bazuca" dá mais mil milhões para "revolução" nos transportes de Lisboa e Porto

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, diz que estamos perante uma "revolução" que vai mudar muito a circulação das pessoas em Lisboa e no Porto. O dinheiro vindo da União …

"Médicos pela Verdade". Ordem abre processo contra movimento que desvaloriza gravidade da covid-19

A Ordem dos Médicos abriu processos disciplinares a 7 médicos do movimento Médicos pela Verdade, grupo que desvaloriza a gravidade da covid-19 e se mostra contra o uso generalizado de máscaras e de testes de …

"Esta é a crise das nossas vidas". Vieira da Silva diz que chumbo do OE seria "dificilmente compreensível"

O ex-ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva, elogiou, em entrevista ao jornal ECO, a proposta para Orçamento de Estado para 2021 (OE2021) e disse que seria "estranho" que não …

Podemos acusado de financiamento irregular, crime eleitoral e falsificação de documentos

O partido espanhol Podemos é acusado de financiamento irregular, crime eleitoral e falsificação de documentos comerciais. A acusação consta num despacho do juiz de instrução Juan José Escalonilla, datado de 10 de setembro, ao qual a …

Shakhtar derrota Real Madrid. Em Espanha, comparam Zidane a Lopetegui

O Shakhtar Donetsk, treinado pelo português Luís Castro, surpreendeu e venceu o Real Madrid, por 2-3, no arranque da fase de grupos da Liga dos Campeões. Os ucranianos chegaram a estar a vencer por três …