/

Evergrande volta a suspender operações na bolsa de Hong Kong

Alex Plavevski / EPA

O grupo imobiliário chinês endividado Evergrande suspendeu, esta segunda-feira, as operações na Bolsa de Hong Kong sem dar explicações, relata o portal chinês Sina.

Os media chineses fizeram eco de um documento do governo local de Danzhou, na ilha meridional de Hainan, que ordenou à Evergrande que demolisse 39 edifícios no prazo de dez dias porque o projeto violava as “leis de planeamento urbano e rural”, embora até agora o grupo imobiliário não tenha comentado o assunto.

A 31 de dezembro, numa mensagem de fim de ano aos empregados do grupo, o seu presidente e fundador Xu Jiayin anunciou que a taxa de retomada dos projetos imobiliários do conglomerado tinha atingido 91,7%, ao mesmo tempo que prometia um “futuro brilhante” para a empresa.

Contudo, no mês passado, a agência de notação de dívidas Fitch tinha declarado a Evergrande em liquidação por não pagar os montantes devidos aos seus detentores de obrigações.

A agência de notação de risco citou então também “incerteza” sobre a situação do grupo, que tinha recentemente criado um “grupo de controlo de risco”.

Após a criação do grupo, o banco central e os reguladores bancários e bolsistas enviaram mensagens de garantia de que o risco de contágio da crise Evergrande era “controlável”.

Também, em 26 de dezembro, a empresa imobiliária tinha prometido que o número de casas entregues aos compradores atingiria 39.000 em dezembro, mais do que nos três meses anteriores.

No final de 2021, alguns comentadores observaram que o Partido Comunista da China tinha atenuado a sua linguagem no setor imobiliário, o que foi interpretado como uma possível atenuação das restrições de Pequim ao acesso ao financiamento bancário para os promotores mais endividados.

Evergrande acumula passivos de mais de 300 mil milhões de dólares (cerca de 265 mil milhões de euros) e em 2021 as suas ações perderam 89% do seu valor.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.