EUA ameaçam Rússia com “consequências catastróficas”

6

(h) Russian Defence Ministry / EPA

Lançador de mísseis Tornado-G do Exército da Rússia em ação na Ucrânia

Os Estados Unidos (EUA) alertaram no domingo Moscovo de que qualquer uso de armas nucleares terá “consequências catastróficas” para a Rússia, porque Washington e os seus aliados responderão “de forma decisiva”.

“Comunicámos diretamente, em privado, a níveis muito elevados com o Kremlin, que qualquer uso de armas nucleares terá consequências catastróficas para a Rússia. Que os EUA e os nossos aliados responderemos de forma decisiva”, disse o assessor de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, em entrevista à CBS News.

Para o responsável norte-americano, é preciso “levar muito a sério” o possível uso de armas nucleares pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial.

Num discurso na quarta-feira, o Presidente russo, Vladimir Putin, mencionou as “armas do futuro” para advertir a NATO de que a Rússia conta com um arsenal nuclear “inigualável” que lhe permite contrariar qualquer ameaça ocidental.

“Quero recordar que o nosso país também dispõe de diferentes sistemas ofensivos e, em alguns componentes, são mais modernos do que os que têm os países da NATO”, ameaçou Putin.

Segundo Sullivan, tanto em público como em privado, os EUA têm sido “claros e específicos” sobre o que implicaria um eventual uso de armas nucleares: O Governo do Presidente Joe Biden “responderá com decisão”.

Na entrevista, referiu-se também à atual situação do Exército russo, defendendo que a anunciada “mobilização parcial” dos cidadãos “não é exatamente um sinal de força ou de confiança”, mas sim “um sinal de que estão a sofrer muito no lado russo”.

Putin anunciou esta semana uma mobilização parcial de reservistas para combater na Ucrânia, onde as forças russas têm registado reveses nas últimas semanas. A ordem de mobilização, que abrange segundo as autoridades 300.000 pessoas, suscitou inquietação, levando muitos russos a deixar o país.

Os protestos na Rússia contra essa mobilização militar continuam, tendo sido já detidas mais de 2 mil pessoas desde quarta-feira.

Esta segunda-feira, avançou a agência AFP, um homem abriu fogo e feriu um oficial de recrutamento num centro de alistamento em Ust-Ilimsk, na Sibéria. O atirador foi “imediatamente detido”.

“Em Ust-Ilimsk, um jovem disparou vários tiros no escritório de recrutamento. O comissário militar (responsável pelo escritório) Alexandr Vladimirovich Eliseyev está nos cuidados intensivos e em estado gravíssimo”, declarou o governador da região de Irkutsk, Igor Kobzev, no Telegram.

“O que aconteceu não entra na minha cabeça. Estou envergonhado que isto esteja a acontecer num momento em que devemos estar unidos. Não devemos lutar uns contra os outros, mas contra as ameaças reais”, disse Kobzev, que deu ordem para que as medidas de segurança sejam reforçadas.

O comité de investigação de Irkutsk, citado pela agência de notícias TASS, indicou que uma investigação foi aberta contra um detido de 25 anos, sublinhando ainda que “há uma equipa a trabalhar no local”.

Entretanto, o ministro russo dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, indicou que Luhansk, Donetsk, Kherson e Zaporíjia estarão sob “proteção total” da Rússia se forem anexadas, aplicando-se nesses territórios “todas as leis, doutrinas, conceitos e estratégias da Federação Russa são para aplicar em todo o território” .

Lavrov sublinhou que o território russo – incluindo o território “mais consagrado” na constituição da Rússia no futuro – “está sob a proteção total do Estado”.

Sacrificar a vida na guerra lava “todos os pecados”

O patriarca ortodoxo russo Cirilo afirmou que os russos que sacrificam as suas vidas no campo de batalha na Ucrânia têm lavados “todos os seus pecados”.

“Sabemos que hoje muitos estão a morrer nos campos de batalha interna. A Igreja reza para que esta batalha termine o mais rápido possível, para que o menor número possível de irmãos se mate nesta guerra fratricida”, disse o patriarca russo num sermão proferido no domingo à noite, citado pela agência de notícias RIA Novosti.

A Igreja Ortodoxa Russa “percebe que se alguém, movido por um sentido de dever, pela necessidade de cumprir o seu juramento, permanece fiel à sua vocação e faz o que pensa ser o seu dever e se, no cumprimento deste dever, essa pessoa morre, então, sem dúvida, comete um ato equivalente a um sacrifício pelos outros”, disse.

“Acreditamos que este sacrifício lava todos os pecados que uma pessoa cometeu”, disse o patriarca russo, que também rezou pelo fim rápido da “batalha interna” na Ucrânia e pela vitória da Rússia.

“A Igreja, que exerce o seu ministério pastoral em relação aos povos da Rússia, Ucrânia, Bielorrússia e tantos outros povos na imensidão da Rússia histórica, hoje sofre especialmente e reza especialmente pelo fim imediato das lutas internas”, disse.

Japão proíbe envio de armas químicas para a Rússia

O Governo do Japão aprovou esta segunda-feira um novo pacote de sanções devido à invasão russa da Ucrânia, incluindo a proibição da exportação para a Rússia de partes e produtos relacionados com armas químicas.

O Ministério da Economia, Comércio e Indústria japonês anunciou num comunicado a expansão das sanções que já incluíam mais de 20 organizações associadas à indústria de defesa da Rússia.

“Para contribuir com os esforços internacionais, o executivo do Japão aprovou na segunda-feira a proibição de exportações para organizações específicas da Federação Russa”, referiu o comunicado.

O novo pacote de sanções abrange a empresa de construção civil Moselektronproyekt, a associação de pesquisa e produção Etalon, e o Instituto Alikhanov de Física Teórica e Experimental do Centro Nacional de Pesquisa Kurchatov, avançou a agência noticiosa russa TASS.

Também esta segunda-feira, o porta-voz do governo japonês expressou grande preocupação com o possível uso de armas de destruição em massa pela Rússia contra a Ucrânia.

“Como o único país do mundo que sofreu ataques nucleares, exigimos fortemente que a ameaça ou o uso de armas nucleares pela Rússia nunca aconteça”, disse Hirokazu Matsuno, numa conferência de imprensa.

O Japão tem vindo a impor sanções à Rússia, proibindo as importações de vários materiais e produtos deste país e congelando os bens de alguns cidadãos russos, incluindo os do primeiro-ministro, Mikhail Mishustin.

Ucrânia recebeu sistema de defesa antiaérea

Em entrevista ao canal norte-americano CBS, o Presidente ucraniano Volodymir Zelenskyy confirmou que já recebeu sistemas de defesa terra-ar NASAMS (National/Norwegian Advanced Surface to Air Missile System), de fabrico norte-americano e norueguês.

Trata-se de um sistema de curto-médio alcance, que pode ser usado contra aviões e mísseis russos. No entanto, Zelenskyy frisou que o envio não é suficiente para defender as infraestruturas civis ucranianas.

No domingo à noite, Zelenskyy dirigiu-se aos russos, que tratou por “camaradas”, garantindo-lhes que se entrarem no país para matar “não sairão vivos”. “Se vierem tirar a vida aos nossos filhos – eu lhes direi como pai – não vos deixarei sair vivos”, disse o líder ucraniano, em russo, no seu habitual discurso noturno.

Zelenskyy voltou a insistir que os homens mobilizados pela Rússia têm várias opções: evitar a mobilização, fugir ou render-se aos ucranianos na primeira oportunidade.

“Quanto mais cidadãos da Federação Russa tentarem pelo menos proteger as suas próprias vidas, mais cedo esta guerra criminosa da Rússia contra o povo da Ucrânia terminará”, disse o Presidente ucraniano.

  ZAP //

6 Comments

  1. Por enquanto a guerra nuclear global não nos ameaça. Os discípulos perguntaram a Jesus: “Conte para nós quando é que isso vai acontecer. Que sinal haverá para mostrar quando é que todas essas coisas vão começar?” (Marcos 13:4, NTLH Nova Tradução na Linguagem de Hoje) Jesus disse: “Vocês ouvirão falar de guerras e ameaças de guerras, mas não entrem em pânico. Sim, é necessário que essas [todas (incluindo anunciado em Daniel 11:29)] coisas ocorram, mas ainda não será o fim [τελος – neste contexto: cumprimento (do sinal)].” (Mateus 24:6, NVT)
    A guerra nuclear global (este será o cumprimento do sinal de Jesus) vai começar com um conflito étnico: “Porquanto se levantará nação contra nação” (como em 2008 na Geórgia). (Mateus 24:7)
    O profeta Daniel escreve: “No tempo designado [o rei do norte] voltará [as tropas russas voltarão para onde estavam anteriormente estacionadas. Isto também significa ação militar, grande crise, desintegração da União Europeia e da NATO. Muitos países do antigo bloco de Leste voltará à esfera de influência russa]. E entrará no sul [este será o início de uma guerra nuclear], mas não serão como antes ou como mais tarde [estas ações militares não conduzirão a uma guerra nuclear global. Esta guerra só começará após o retorno do rei do norte, e por causa do conflito étnico], porque os habitantes das costas de Quitim [o distante Ocidente, ou para ser mais preciso, os americanos] virão contra ele, e (ele) se quebrará [mentalmente], e voltará atrás”. (Daniel 11:29, 30a) Este será um abate mútuo. A “poderosa espada” também será usada. (Apocalipse 6:4) Jesus o caracterizou assim: “coisas atemorizantes [φοβητρα] tanto [τε] quanto [και] extraordinárias [σημεια] do [απ] céu [ουρανου], poderosos [μεγαλα] serão [εσται].” É precisamente por causa disso haverá tremores significativos ao longo de todo o comprimento e largura das regiões [estrategicamente importantes], e fomes e pestes.
    Muitos dos manuscritos contém as palavras “e geadas” [και χειμωνες].
    A Peshitta Aramaica: “וסתוא רורבא נהוון” – “e haverá grandes geadas”. Nós chamamos isso hoje de “inverno nuclear”. (Lucas 21:11)
    Em Marcos 13:8 também há palavras de Jesus: “e desordens” [και ταραχαι].
    A Peshitta Aramaica: “ושגושיא” – “e confusão” (sobre o estado da ordem pública).
    Este sinal extremamente detalhado se encaixa em apenas uma guerra.
    Mas todas essas coisas serão apenas como as primeiras dores de um parto. (Mateus 24:8)
    Este será um sinal de que o “dia do Senhor” (o período de julgamento) realmente começou. (Apocalipse 1:10; 2 Tessalonicenses 2:2)

  2. Ai que esperto, Neutralidade não significa nada a não ser estúpido. Tira lições do passado, países neutros foram engolidos e acordaram ocupados e destruídos. Pensa assim: Aquilo que eu não quero que acontece a mim, não faço ao outro e é mal. É fácil. Não precisa de uma religião obsoleta para perceber isso

  3. A melhor opção é a estupidez….. que raio é isso a neutralidade ? Nós pertencemos à NATO, é essa organização que nos da garantias que não seremos atacados, todos esses Estados garantem a segurança entre si, a “neutralidade” de Filândia e Suécia depressa se transformou em adesão à NATO. Paises como a Russia e ditadores como Putin, não respeitam neutralidade nenhuma. Que mal fez a Ucrânia afinal? atacou a Russia ‘ e mesmo assim Putin tirou primeiro uma parte do seu território e quer agora mais ou a totalidade. por isso deixem de ser idiotas .

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.