EUA aprovam legislação que pode excluir firmas chinesas do seu mercado de capitais

O Congresso norte-americano aprovou esta quinta-feira legislação que força as empresas chinesas a saírem dos índices bolsistas norte-americanos a menos que cumpram as regras de contabilidade nos Estados Unidos.

A legislação, que pode afetar dezenas de corporações chinesas, já tinha sido aprovada pelo senado, em maio, e deve ser agora assinada pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

Trump beneficia de um consenso bipartidário na adoção de uma política mais dura em relação à China.

A Lei de Responsabilidade de Empresas Estrangeiras determina que uma firma seja impedida de cotar-se numa bolsa de valores dos Estados Unidos, se não cumprir as auditorias do conselho de contabilidade norte-americano durante, pelo menos, três anos consecutivos.

As auditorias têm de ser feitas pelo Conselho de Supervisão de Contabilidade de Empresas Públicas (PCAOB), o órgão sem fins lucrativos que supervisiona as empresas que querem entrar na bolsa norte-americana.

O acesso às contas auditadas pelos reguladores norte-americanos é atualmente proibido pelo Governo chinês, que cita preocupações com a segurança nacional.

A legislação também força as empresas listadas nas bolsas dos Estados Unidos a provarem que não são controladas por um Governo estrangeiro.

Em agosto, o Tesouro e a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos emitiram recomendações para banir as empresas chinesas das bolsas norte-americanas, a menos que cumpram com os padrões de contabilidade dos Estados Unidos.

“Estou satisfeito que o Congresso tenha agido com forte apoio bipartidário para nivelar o campo para todos os emissores [de títulos] nos nossos mercados”, disse o presidente da SEC, Jay Clayton, após a aprovação do projeto de lei.

“A votação de hoje, em combinação com o trabalho contínuo da comissão, ajudará a resolver estas questões de longa data para benefício dos investidores”, apontou.

A American Securities Association também enalteceu a legislação.

“Durante muito tempo, o Partido Comunista Chinês explorou investidores norte-americanos, para financiar o seu exército cibernético, a eliminação de liberdades civis impulsionada pela tecnologia, abusos de direitos humanos e destruição do meio ambiente”, disse Chris Iacovella, o principal executivo daquele organismo.

A nova legislação é parte de um impulso mais amplo dos EUA para adotar uma postura mais assertiva em relação a Pequim.

Os dois países travam já uma prolongada guerra comercial e tecnológica e disputas diplomáticas em tornos do estatuto de Hong Kong ou a soberania do mar do Sul da China.

No mês passado, Trump assinou uma ordem executiva que proíbe os investidores norte-americanos de deterem ações em empresas que se acredita terem ligações às forças armadas da China.

A China acusou os EUA de politizarem a regulamentação de títulos, o que pode obrigar as empresas chinesas a listarem-se fora dos EUA e, em última instância, enfraquecer a confiança nos mercados de capitais norte-americanos.

  // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Um rato

Nova Iorque alvo de aumento recorde de casos de doença rara transmitida por ratos

Uma doença bacteriana rara, espalhada através da urina de rato, está a assolar a cidade de Nova Iorque. Este ano, pelo menos 15 pessoas terão contraído a doença. Destas, 13 foram hospitalizadas e uma morreu. A …

Portugal regista mais três mortes e 927 casos de covid-19

Portugal registou, esta quarta-feira, mais três mortes e 927 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 927 novos …

Festejos do Sporting. IGAI garante que "não omitiu informação ou branqueou factos"

A inspetora-geral da Administração Interna garantiu no Parlamento, esta quarta-feira, que a IGAI "não omitiu informação ou branqueou factos" no relatório sobre os festejos do Sporting, sustentando que tudo o que foi investigado consta do …

PAN só viabiliza OE "se houver compromisso do Governo em alterar" a proposta

A porta-voz do PAN afirmou, esta quarta-feira, que o partido só poderá viabilizar o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) se o Governo se comprometer com alterações à proposta na especialidade. Inês Sousa Real falava aos …

Colômbia condenada por não ter investigado agressões "verbais, físicas e sexuais" a jornalista

De acordo com a sentença, o Estado colombiano não investigou devidamente o caso de sequestro, tortura e violação da jornalista Jinedth Bedoya, que estava a trabalhar numa reportagem sobre a guerra civil em 2000. O Tribunal …

Rio diz ter "obrigação" de avançar com recandidatura à liderança do PSD

O presidente do PSD justificou a sua recandidatura à liderança, esta quarta-feira, pela "obrigação" de colocar o interesse do país e do partido à frente da sua vida pessoal. No final de uma audiência com o …

Fenprof e FNE convocam greve nacional de professores para 5 de novembro

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e a Federação Nacional da Educação (FNE) anunciaram, esta quarta-feira, que vão convocar uma greve nacional de professores para 5 de novembro. Em comunicado, a Fenprof refere que a greve …

PCP reconhece aproximação do Governo, mas diz que ainda é insuficiente

O líder parlamentar do PCP considerou, esta quarta-feira, que houve uma aproximação do Governo às propostas do partido, mas que ainda não é suficiente para alterar a avaliação feita sobre o Orçamento do Estado para …

Alemanha pode falhar objetivo de doação de vacinas contra a covid-19 (e culpa fabricantes)

A Alemanha pode falhar o seu objetivo de doar 100 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 a países mais pobres. Um funcionário do ministério da saúde alemão revelou, numa carta a Bruxelas, que a …

Alexei Navalny vence Prémio Sakharov 2021

O opositor russo Alexei Navalny é o vencedor do Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento 2021, anunciou o Parlamento Europeu, esta quarta-feira. Alexei Navalny foi nomeado pelos grupos políticos PPE e Renovar a Europa devido …