Há uma coisa simples que podemos fazer para combater as alterações climáticas: falar sobre o problema

Lafayette College / Flickr

A preocupação com as alterações climáticas pode ser muitas vezes um fardo solitário, mas a verdade é que não precisa de ser assim. De acordo com um novo estudo, simplesmente falar sobre o assunto com amigos e familiares pode fazer uma grande diferença.

Em declarações ao Los Angeles Times, Matthew Goldberg, psicólogo social da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, afirma que reverter a tendência de não falar sobre as alterações climáticas ou evitar o assunto é “massivamente importante”.

“Na maior parte das vezes, assumimos que vamos ter este tipo de conversas com uma audiência cética. Mas, na maioria dos casos, as outras pessoas preocupam-se tanto com o problema como nós”, explica o investigador, citado pelo Science Alert.

Este conselho de Goldberg acontece depois das descobertas que o cientista e os seus colegas fizeram ao analisar alguns dados anteriores que reuniram em conversas sobre alterações climáticas. Em 2015, a equipa levou a cabo dois inquéritos nacionais, com sete meses de intervalo, que abrangeram 1.263 norte-americanos.

Durante as duas pesquisas, foi perguntado aos participantes com que frequência falavam sobre as alterações climáticas com a família e os amigos, e também qual a percepção deles sobre o consenso científico (que é de cerca de 97%).

Os resultados, publicados na semana passada na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), revelam que um aumento na discussão previa uma subida de dois a três pontos percentuais na aceitação do consenso científico.

E embora essas mudanças pareçam pequenas por si só, tê-las em conta pode levar a grandes diferenças a nível prático. Por exemplo, os autores descobriram que, uma vez que houvesse uma maior aceitação do consenso, isso encorajou ainda mais discussões com a família e os amigos, espalhando ainda mais a mensagem.

A mensagem é obviamente importante, mas quem a transmite também. Se uma ideia ou informação vem de uma fonte confiável, tal como acontece com um membro da família ou um amigo íntimo, os autores dizem que pode ser muito mais difícil de ignorar ou negar.

 

Goldberg sabe que abordar estes assuntos politicamente divisivos e muito contestados com alguém que gostamos pode ser intimidante, por isso, aconselha a que comecemos num terreno comum.

“Acho que se formos pela perspetiva da poluição, torna muito mais fácil conversar com os outros sobre as alterações climáticas. Afinal, quem é que não é contra a poluição?”, questiona o investigador.

Outra sugestão, acrescenta Goldberg, é falar da meteorologia, um assunto aparentemente inofensivo que pode levar a discussões muito mais amplas. “Sabia que um clima mais quente pode tornar os furacões ainda piores?”, exemplifica.

No final, decida o que decidir, tornar as alterações climáticas como parte regular das suas conversas nunca foi tão importante como agora. Salvar o planeta está nas nossas mãos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve nos mapas durante um século

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve durante 100 anos em muito dos principais mapas do continente africano. Acabaria por ser um militar francês, que explorou o rio Níger, a acabar com este "fantasma da …

"Continua a pairar perigosamente". Relógio do Juízo final mantém-se a 100 segundos do Apocalipse

A Humanidade nunca esteve tão perto do Apocalipse, alertam os cientistas responsáveis pelo "Relógio do Juízo Final", que decidiram mantê-lo na mesma posição do ano passado, a 100 segundos da meia-noite. O relógio, que é uma …

A primeira bateria doméstica de hidrogénio armazena três vezes mais energia do que uma da Tesla

Para usar energia solar doméstica, é preciso gerar energia quando o Sol brilha e armazená-la quando não aparece. Para isto, as pessoas usam normalmente sistemas de bateria de lítio. Porém, a empresa australiana Lavo construiu …

Um oásis LGBTQ, Budapeste é posto à prova pelo populismo e pela pandemia

Budapeste é um oásis para a comunidade LGBTQ, mas a cena drag da capital húngara vê-se ameaçada pela pandemia de covid-19 e pelas políticas conservadoras e populistas de Viktor Orbán. Durante muitos anos, Budapeste desfrutou a …

Coreia do Sul "ressuscitou" voz de uma superestrela. Chovem preocupações éticas

Pela primeira vez em 25 anos, a distinta voz da superestrela sul-coreana Kim Kwang-seok será ouvida na televisão nacional. O famoso cantor folk morreu em 1996. De acordo com a CNN, a emissora nacional da Coreia …

Maioria dos países africanos só terá vacinação em massa a partir de 2023

A maioria dos países africanos só terá imunização em massa a partir de 2023, segundo previsão da The Economist Intelligence Unit, que admite que, com o evoluir da pandemia, muitos dos países mais frágeis possam …

Mulher que "morreu" com covid-19 aparece viva 10 dias após funeral

Uma mulher de 85 anos ficou infetada com covid-19 num lar na Galiza, em Espanha. A 13 de janeiro a família de Rogelia Blanco recebeu a informação do lar de que a mulher tinha falecido. …

Familiares de vítimas na China pressionadas a não falar com OMS

As autoridades chinesas estão a pressionar as famílias das primeiras vítimas da covid-19 para que não entrem em contacto com os investigadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Wuhan, segundo familiares dos falecidos. Mais de …

Falsas vacinas à venda na Internet são grande risco para a saúde

Embora milhões de pessoas tenham sido já vacinadas contra a covid-19 nos países ricos, proliferam as fraudes na Internet com fármacos falsos que representam um grande risco para a saúde, alertaram peritos das Nações Unidas. As …

Voto prévio no Senado aponta para absolvição de Trump

Na terça-feira, 45 dos 50 republicanos no Senado votaram contra a continuidade do julgamento ao ex-Presidente Donald Trump, considerando inconstitucional que um chefe de Estado que já terminou o mandato seja julgado no Congresso. De acordo …