Há uma coisa simples que podemos fazer para combater as alterações climáticas: falar sobre o problema

Lafayette College / Flickr

A preocupação com as alterações climáticas pode ser muitas vezes um fardo solitário, mas a verdade é que não precisa de ser assim. De acordo com um novo estudo, simplesmente falar sobre o assunto com amigos e familiares pode fazer uma grande diferença.

Em declarações ao Los Angeles Times, Matthew Goldberg, psicólogo social da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, afirma que reverter a tendência de não falar sobre as alterações climáticas ou evitar o assunto é “massivamente importante”.

“Na maior parte das vezes, assumimos que vamos ter este tipo de conversas com uma audiência cética. Mas, na maioria dos casos, as outras pessoas preocupam-se tanto com o problema como nós”, explica o investigador, citado pelo Science Alert.

Este conselho de Goldberg acontece depois das descobertas que o cientista e os seus colegas fizeram ao analisar alguns dados anteriores que reuniram em conversas sobre alterações climáticas. Em 2015, a equipa levou a cabo dois inquéritos nacionais, com sete meses de intervalo, que abrangeram 1.263 norte-americanos.

Durante as duas pesquisas, foi perguntado aos participantes com que frequência falavam sobre as alterações climáticas com a família e os amigos, e também qual a percepção deles sobre o consenso científico (que é de cerca de 97%).

Os resultados, publicados na semana passada na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), revelam que um aumento na discussão previa uma subida de dois a três pontos percentuais na aceitação do consenso científico.

E embora essas mudanças pareçam pequenas por si só, tê-las em conta pode levar a grandes diferenças a nível prático. Por exemplo, os autores descobriram que, uma vez que houvesse uma maior aceitação do consenso, isso encorajou ainda mais discussões com a família e os amigos, espalhando ainda mais a mensagem.

A mensagem é obviamente importante, mas quem a transmite também. Se uma ideia ou informação vem de uma fonte confiável, tal como acontece com um membro da família ou um amigo íntimo, os autores dizem que pode ser muito mais difícil de ignorar ou negar.

 

Goldberg sabe que abordar estes assuntos politicamente divisivos e muito contestados com alguém que gostamos pode ser intimidante, por isso, aconselha a que comecemos num terreno comum.

“Acho que se formos pela perspetiva da poluição, torna muito mais fácil conversar com os outros sobre as alterações climáticas. Afinal, quem é que não é contra a poluição?”, questiona o investigador.

Outra sugestão, acrescenta Goldberg, é falar da meteorologia, um assunto aparentemente inofensivo que pode levar a discussões muito mais amplas. “Sabia que um clima mais quente pode tornar os furacões ainda piores?”, exemplifica.

No final, decida o que decidir, tornar as alterações climáticas como parte regular das suas conversas nunca foi tão importante como agora. Salvar o planeta está nas nossas mãos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Acesso à Internet deve ser considerado direito humano básico

Uma nova investigação, levada a cabo pela Universidade de Birmingham, no Reino Unido, concluiu que acesso à Internet deve ser um direito humano básico, pois significa a capacidade participar na vida pública. Merten Reglitz, professor de …

Fórmula 1 quer atingir emissões zero de CO2 até 2030

A Fórmula 1 pretende reduzir a zero as emissões de CO2 até 2030, com base num plano que pretende “pôr em marcha de imediato”, anunciou esta terça-feira a Federação Internacional do Automóvel (FIA). O plano divulgado …

A Tesla vai lançar a sua misteriosa pickup “cyberpunk” elétrica ainda este mês

A nova Tesla Cybetruck já tem data de lançamento após um longo tempo de espera. O fundador da empresa, Elon Musk, anunciou que a carrinha "pickup" será revelada no dia 21 de novembro. O anúncio foi …

Asteróide "potencialmente perigoso" aproxima-se da Terra esta quarta-feira

Um asteróide com 147 metros de diâmetro, caracterizado pela NASA como "potencialmente perigoso" vai aproximar-se da Terra esta quarta-feira. Em causa está o corpo rochoso UN12 2019, explica a agência espacial norte-americana, dando conta que o …

Encontrado submarino da II Guerra Mundial que esteve perdido durante 75 anos (devido a um erro de tradução)

Uma equipa de exploradores oceânicos privada encontrou na costa do Japão um submarino do exército norte-americano do tempo da II Guerra Mundial, que estava desaparecido há 75 anos por causa de um erro num dígito …

Uma casa esteve a afundar-se no Tamisa para alertar para a subida do nível dos oceanos

No passado domingo, quem passou junto ao rio Tamisa, em Londres, não deverá ter ficado indiferente à típica casa dos subúrbios ingleses que se afundava perto da Tower Bridge. Felizmente, de acordo com a agência Reuters, …

A defesa de Lage é a melhor do Benfica em quase 30 anos

A defesa de Bruno Lage leva apenas quatro golos sofridos em 11 jornadas, o que faz dela a melhor defesa do campeonato e a melhor do Benfica desde a temporada de 1990/1991, escreve o jornal …

OE2020. “Não vamos para negociar”, esclarece Jerónimo de Sousa

O PCP vai reunir esta quarta-feira com o Governo com vista ao Orçamento de Estado para 2020. Jerónimo de Sousa esclareceu esta terça-feira que os comunistas não vão para negociar, sendo "manifestamente exagerado dizer que …

Benjamin "morreu" enquanto cumpria pena de prisão perpétua. Agora está vivo e quer a liberdade

Um norte-americano, de 66 anos, que cumpre pena de prisão perpétua por ter espancado um homem até à morte em 1996, pretendia ser libertado, uma vez que o seu coração parou por breves instantes. Em 1996, …

“Máfia do Sangue”. Ministério Público deixa Octapharma fora da acusação

O Ministério Público (MP) deixou a farmacêutica Octapharma fora da acusação da operação "O Negativo" por considerar que o ex-administrador Lalanda e Castro montou um esquema de corrupção para a venda de plasma ao Serviço …