Estratégia para aplicação de fundos comunitários está a ser desperdiçada

Tiago Petinga / Lusa

O ministro do Planeamento, Nelson de Souza, no Parlamento.

A Estratégia Nacional de Especialização Inteligente foi praticamente ignorada não só pelas empresas, mas também pelas autoridades de gestão, escreve o jornal Público, citando um relatório independente que será apresentado esta terça-feira.

Criada em 2014, a Estratégia Nacional de Especialização Inteligente tem como objetivo para nortear a aplicação de fundos comunitários para o desenvolvimento da economia, apoiando a investigação e a inovação das empresas no atual ciclo comunitário de apoios.

“Continuou a haver candidaturas, projetos, pagamentos e execuções – mas os critérios de especialização inteligente, que deveriam alavancar o crescimento da economia com base em projeto de valor acrescentado, não foram tidos em conta“, esta é a principal conclusão do documento, segundo escreve o jornal Público.

Segundo o diário, o Governo vai aproveitar as conclusões deste relatório para lançar um alerta para o próximo ciclo comunitário de 2030.

No próximo quadro comunitário os fundos terão de ser aplicados de modo a promover o desenvolvimento da economia, apoiando a investigação e a inovação das empresas.

Apurou o jornal Público que o ministro do Planeamento, Nelson de Souza, que estará presente na apresentação dos resultados, pretende avisar que haverá menos dinheiro no futuro e, por isso, os fundos comunitários terão de ser cirurgicamente aplicados, preferencialmente em sectores que permitam o desenvolvimento da economia assente em trabalho mais qualificado – e melhor remunerado.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE