/

O Espaço é muito mais denso fora do Sistema Solar (e não se sabe porquê)

(CC0/PD) myersalex216 / Pixabay

Em novembro de 2018, depois de uma épica viagem de 41 anos, a Voyager 2 cruzou a fronteira que marcava o limite da influência do Sol e espaço interestelar. Segundo os dados enviados para a Terra, à medida que a sonda se afasta do Sol, a densidade do Espaço aumenta.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Não é a primeira vez que o aumento de densidade foi detectado. A Voyager 1, que entrou no espaço interestelar em 2012, detetou um gradiente de densidade semelhante noutro local. De acordo com o ScienceAlert, os novos dados da Voyager 2 mostram que a deteção da Voyager 1 foi legítima e que o aumento na densidade pode ser uma característica em grande escala do meio interestelar local (VLIM).

A borda do Sistema Solar pode ser definida por alguns limites diferentes, mas o atravessado pelas sondas Voyager é conhecido como heliopausa e é definido pelo vento solar. Este é um vento supersónico constante de plasma ionizado que sai do Sol em todas as direções. A heliopausa é o ponto em que a pressão externa desse vento já não é suficientemente forte para empurrar o vento do espaço interestelar.

O espaço é geralmente considerado um vácuo, mas não é completamente. A densidade da matéria é extremamente baixa, mas existe.

No Sistema Solar, o vento solar tem densidade média de protões e eletrões de 3 a 10 partículas por centímetro cúbico, mas diminui à medida que nos afastamos do Sol.

A densidade média de eletrões do meio interestelar na Via Láctea, entre as estrelas, foi calculada em cerca de 0,037 partículas por centímetro cúbico. A densidade do plasma na heliosfera externa é de cerca de 0,002 elétrons por centímetro cúbico.

Conforme as sondas Voyager cruzaram além da heliopausa, os seus instrumentos Plasma Wave Science detetaram a densidade de eletrões do plasma por meio de oscilações de plasma.

A Voyager 1 cruzou a heliopausa em 25 de agosto de 2012, a uma distância de 121,6 unidades astronómicas da Terra. Quando mediu pela primeira vez as oscilações do plasma depois de cruzar a heliopausa em 23 de outubro de 2013 a uma distância de 122,6 unidades astronómicas, a Voyager 1 detetou uma densidade de plasma de 0,055 eletrões por centímetro cúbico.

A Voyager 2 cruzou a heliopausa em 5 de novembro de 2018 a uma distância de 119 unidades astronómicas e mediu as oscilações do plasma em 30 de janeiro de 2019 a uma distância de 119,7 unidades astronómicas, encontrando uma densidade plasmática de 0,039 eletrões por centímetro cúbico.

Depois de viajar outras 20 unidades astronómicas, a Voyager 1 relatou um aumento para cerca de 0,13 eletrões por centímetro cúbico. Porém, as deteções feitas pela Voyager 2 em junho de 2019 mostraram um aumento muito mais nítido na densidade para cerca de 0,12 eletrões por centímetro cúbico, a uma distância de 124,2 unidades astronómicas.

PUBLICIDADE

Uma teoria defende que as linhas do campo magnético interestelar se tornam mais fortes à medida que cobrem a heliopausa. Isso poderia gerar uma instabilidade ciclotrão de iões eletromagnéticos que esgota o plasma da região de cobertura.

Outra teoria é que o material soprado pelo vento interestelar deve desacelerar ao atingir a heliopausa, causando uma espécie de congestionamento.

Este estudo foi publicado em agosto na revista científica The Astrophysical Journal Letters.

  ZAP //

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.