/

O misterioso escurecimento da Betelgeuse foi oficialmente desvendado

A causa da misteriosa perda de brilho da estrela foi causada por uma nuvem gigante de poeira, expelida pela própria supergigante vermelha.

O “Grande Escurecimento da Betelgeuse”, como passou a ser conhecido, foi um fenómeno que confundiu os astrónomos. Esta estrela, geralmente uma das mais brilhantes no céu, começou a escurecer em setembro de 2019 e, em fevereiro de 2020, o seu brilho já tinha diminuído 35%, um comportamento que nunca tinha sido observado.

Para tentar perceber esta situação, cientistas captaram imagens da sua superfície com a ajuda do Very Large Telescope (VLT), do Observatório Europeu do Sul (ESO), que mostram claramente as mudanças no seu brilho.

A equipa continuou a observar a estrela, tendo captado duas novas imagens, uma em janeiro de 2020 e outra em março do mesmo ano. No mês seguinte, em abril, a Betelgeuse voltou ao seu brilho normal.

Num novo estudo, publicado esta quarta-feira na revista Nature, os astrónomos revelaram que este misterioso escurecimento foi causado por uma nuvem gigante de poeira, expelida pela própria supergigante vermelha, resultado de uma queda na temperatura da sua superfície estelar.

Em comunicado, os investigadores explicam que a superfície de Betelgeuse muda regularmente conforme bolhas gigantes de gás se movem, encolhem e aumentam dentro da estrela.

A equipa concluiu que, algum tempo antes deste “Grande Escurecimento”, a estrela expeliu uma grande bolha de gás que se afastou dela. Quando parte da superfície arrefeceu pouco depois, essa queda de temperatura foi suficiente para que o gás se condensasse em poeira sólida.

“Assistimos diretamente à formação da chamada poeira de estrelas”, disse o astrofísico Miguel Montargès, do Observatório de Paris e da Universidade Católica de Leuven.

“A poeira expelida por estrelas evoluídas frias, tais como a ejeção que assistimos, pode transformar-se nos blocos constituintes de planetas terrestres e vida”, acrescentou Emily Cannon, que também esteve envolvida no estudo.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.