Equipa de astrofísico português observa directamente, pela primeira vez, exoplaneta

European Southern Observatory / Flickr

Conceito artístico do exoplaneta 51 Pegasi b

Conceito artístico do exoplaneta 51 Pegasi b

Uma equipa internacional de astrofísicos, liderada pelo português Jorge Martins, observou diretamente, pela primeira vez, um exoplaneta, planeta fora do Sistema Solar, ao detetar o espetro em luz visível da estrela refletido no planeta.

O exoplaneta em causa chama-se 51 Pegasi b e foi descoberto, por outro método, indireto, há 20 anos, na constelação Pegasus, a 50 anos-luz da Terra. Orbita uma estrela semelhante ao Sol, a 51 Pegasi, da qual dista sete milhões de quilómetros, uma distância considerada em astrofísica relativamente próxima.

O astrofísico Jorge Martins, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) e da Universidade do Porto, explicou à Lusa a importância da descoberta com o facto de se tratar de “uma deteção direta do espetro do planeta em luz visível”, uma vez que grande parte dos planetas foram descobertos por “métodos indiretos”, medindo-se “a influência da presença do planeta na estrela que orbita”, atendendo a que, no ótico, a luz de um planeta é muito mais reduzida face à da sua estrela.

Segundo o investigador, ao se detetar “um sinal proveniente diretamente do planeta”, é possível “caraterizá-lo com mais detalhe”, por exemplo, estimar a sua massa real e a sua inclinação orbital.

No caso do 51 Pegasi b, a equipa de Jorge Martins concluiu que é um planeta um pouco maior do que Júpiter, com cerca de metade da sua massa e cuja órbita apresenta uma inclinação de 81 graus.

jorge-martins / Linkedin

Jorge Martins, investigador do European Southern Observatory

Jorge Martins, investigador do European Southern Observatory

“Uma boa analogia é considerar que o planeta é um espelho que orbita a estrela. Dependendo do tamanho do espelho, da sua distância à estrela e da sua composição, iremos receber mais ou menos luz refletida”, assinalou o cientista.

O planeta extrassolar 51 Pegasi b, o primeiro a ser confirmado em torno de uma estrela parecida ao Sol, foi descoberto mediante um espetrógrafo que detetou as mudanças regulares na velocidade radial da sua estrela.

O 51 Pegasi b é visto como o modelo dos exoplanetas do tipo Júpiter quente – planetas parecidos com o maior planeta do Sistema Solar, em termos de massa e tamanho, mas com órbitas muito mais próximas das suas estrelas progenitoras.

A observação direta do 51 Pegasi b foi feita com o auxílio do espetrógrafo HARPS, instalado no telescópio de 3,6 metros de diâmetro do Observatório Europeu do Sul, no Chile, e que procura planetas extrassolares.

O espetrógrafo é um instrumento que faz o registo fotográfico de um espetro, que resulta da radiação da luz emitida por um objeto nas várias cores que a constituem. Os espetros apresentam riscas que funcionam como a impressão digital dos elementos que compõem o objeto observado.

A luz branca do Sol, por exemplo, quando decomposta nas suas cores constituintes, forma o arco-íris.

Graças ao método usado pela equipa de Jorge Martins, é possível estimar a refletividade do 51 Pegasi b, uma caraterística que ajuda no estudo da atmosfera e da superfície do planeta.

Atualmente, o método mais utilizado para estudar a atmosfera de um exoplaneta é observar o espetro da sua estrela quando é filtrado pela atmosfera do planeta durante um trânsito.

“Uma aproximação alternativa será observar o sistema quando a estrela passa em frente do planeta, o que dará essencialmente informação sobre a temperatura do exoplaneta”, adianta o Observatório Europeu do Sul em comunicado.

De futuro, o grupo de Jorge Martins, que inclui os astrofísicos portugueses Nuno Santos e Pedro Figueira, também do Instituto de Astrofísica, pretende aplicar a técnica a outros planetas extrassolares, e usá-la com telescópios de maior alcance e mais precisos, para os caraterizar melhor e descobrir planetas mais pequenos e semelhantes à Terra.

Os resultados da investigação foram publicados na revista Astronomy and Astrophysics.

Jorge Martins está a fazer o doutoramento no Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e no Observatório Europeu do Sul, organização da qual Portugal faz parte.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Vírus gigantes nas águas da Índia podem resolver mistério evolutivo

Uma equipa liderada por cientistas do Instituto Indiano de Tecnologia em Bombaim descobriu mais de 20 novos vírus nas águas da cidade, incluindo versões gigantes destes agentes biológicos que podem ajudar a desvendar questões importantes …

Sondagens dão maioria pró-UE no Parlamento Europeu (mas eurocéticos crescem)

As sondagens para o Parlamento Europeu apontam para uma maioria de partidos pró-União Europeia (UE), apesar de os partidos eurocéticos ganharem terreno em relação à composição que resultou das eleições de 2014. Entre os 751 assentos …

A ciência por detrás de um bom chocolate foi finalmente revelada

O melhor chocolate é uma mistura complexa de ciência e o truque não é novo: esta técnica de mistura tem mais de 140 anos. Uma equipa de cientistas da Universidade de Edimburgo, na Escócia, Reino Unido, …

Cristiano Ronaldo eleito o melhor da liga italiana

Cristiano Ronaldo foi o melhor jogador da Liga Italiana 2018/19. A distinção foi anunciada neste sábado, com a Série A a explicar que a escolha foi feita com base em cálculos dos sites Opta Sports, …

Europeias: PS quer fazer o mesmo na Europa, PSD lembra cataplana de Costa e BE pede para não ficar em casa

No dia em que ficou decidido quem seria o campeão nacional de futebol deste ano, a campanha eleitoral para as europeias abrandou, com os partidos a terminarem as iniciativas pelo final da tarde. O cabeça de …

Descobertas inscrições neolíticas com símbolos da realeza egípcia

Uma missão arqueológica do Ministério de Antiguidades de Egito descobriu perto da cidade de Assuão, no sul do país, as primeiras inscrições reais que remontam ao período neolítico. Este período começou há 12 mil anos e …

Já sabemos qual é o segredo para superar a inveja

De acordo com uma investigação recente, temos mais inveja da experiência de uma determinada pessoa antes de ter acontecido do que depois de já ter passado. O segredo está no tempo. Pesquisas anteriores mostraram que os …

Holanda é a vencedora da 64.ª edição da Eurovisão

A Holanda, que venceu pela última vez há 44 anos, foi o país que obteve maior pontuação (492 pontos), atribuída pelos espetadores de cada país e pelos júris nacionais dos 41 países que participaram na …

Primavera em Plutão: uma análise ao longo de 30 anos

Sempre que passa em frente de uma estrela, Plutão fornece informações preciosas sobre a sua atmosfera, preciosas porque as ocultações de Plutão são raras.  A investigação realizada por investigadores do Observatório de Paris, ao longo …

Os carros voadores podem fazer parte do transporte público de Paris em 5 anos

A operadora de transportes públicos RATP, que administra os serviços de autocarros, elétricos e metros em Paris, anunciou a sua parceria com a companhia aérea europeia Airbus para "estudar a viabilidade" de incorporar veículos voadores …