Cemitérios verdes. Especialista britânico sugere enterrar mortos à beira da estrada

O especialista britânico sugere que se use os espaços ao lado das estradas, ferrovias e passeios como “corredores funerários” amigos do ambiente.

Uma vez que a ciência ainda não encontrou forma de nos tornar imortais, encontrar espaço para enterrar os nossos mortos continua a ser uma necessidade. No entanto, escreve o Science Alert, um consultor de saúde pública do Reino Unido pensa ter descoberto uma solução para combater esta superlotação e que, além disso, é amiga do ambiente.

John Ashton propõe, no estudo publicado no Journal of the Royal Society of Medicine, que sejam criados “corredores funerários” ao longo de estradas, ferrovias e passeios, usando assim terra que, de outra forma, não teria qualquer utilização.

“O que precisamos agora é de uma grande visão estratégica para que estes cemitérios verdes nos ajudem a recuperar as nossas cidades… e que seja uma exigência para as estradas principais incluírem corredores lineares de vida silvestre ao seu lado”, diz.

“Está na hora de revisitar as raízes da saúde pública do enterro humano e conectá-las a uma nova visão para um planeta apto às gerações futuras”, acrescenta ainda o ex-presidente da Faculdade de Saúde Pública.

Embora não seja ainda um plano muito detalhado, Ashton aponta para tentativas anteriores de inovar neste campo, desde os Sete Magníficos de Londres do século XIX aos caixões biodegradáveis modernos.

Até porque, de acordo com o especialista, não são apenas os restos dos caixões que deixam um legado poluidor, mas também os produtos químicos usados no processo de embalsamamento.

Além disso, Ashton sugere ainda que os terrenos que já foram utilizados para fins industriais e que agora estão abandonados (chamados de “brownfields”) também possam ser aproveitados.

“Acho que deveria haver uma zona de amortecimento à volta das principais estradas. Algumas dessas áreas, atualmente terras agrícolas que estão a ser pressionadas para construir casas, poderiam ser designadas como cemitérios verdes, particularmente aqueles que estão próximos das cidades”, afirma à New Scientist.

Esta e outras ideias podem parecer ligeiramente bizarras mas a verdade é que, mais cedo ou mais tarde, vamos precisar delas. Por exemplo, estima-se que o Reino Unido vá ficar sem espaço para sepulturas nos próximos cinco anos.

“Temos cerca de 500 mil a 600 mil mortes por ano em Inglaterra e no País de Gales. Por isso, se todas as pessoas fossem enterradas nestes cemitérios ecológicos – e não estou a dizer que isto vá acontecer – poderíamos plantar meio milhão de árvores por ano“, diz Ashton ao The Guardian.

Ter os seus restos mortais junto a uma estrada pode não ser muito atraente, mas pelo menos estará a contribuir positivamente para o ambiente quando deixar a vida terrena.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Índice de transmissibilidade sobe. É de 0,71 em Portugal Continental (e acima de 1 nas ilhas)

O índice de transmissibilidade da covid-19 subiu ligeiramente a nível nacional nas últimas duas semanas. Entre 24 e 28 de fevereiro, o índice foi de 0,71. O índice médio de transmissibilidade (Rt) do vírus SARS-CoV-2 está …

Museu Neandertal responde a Joe Biden. "Eram mais espertos do que pensa"

O Museu Neandertal, na Alemanha, endereçou um convite ao Presidente norte-americano Joe Biden, depois de o governante ter considerado a decisão do governador do Texas de acabar com a obrigatoriedade de utilização de máscara um …

Olhos postos no Senegal. Violentos protestos contra a prisão do opositor do Governo

Os confrontos no Senegal, os piores dos últimos anos, foram desencadeados pela detenção do líder da oposição Ousmane Sonko. Os confrontos eclodiram em Dakar, na quinta-feira, depois de o principal líder da oposição, Ousmane Sonko, ter …

Grupo de cientistas questiona missão da OMS e pede investigação independente na China

Um grupo de cientistas está a pedir uma investigação independente sobre a origem do Sars-CoV-2, com acesso total aos registos da China. Um grupo de cientistas escreveu uma carta aberta, divulgada nos jornais Le Monde e …

Brasil a braços com uma tragédia anunciada. República Checa pede ajuda estrangeira

No Brasil, o número diário de mortes já ultrapassou o dos Estados Unidos. Alemanha, Suíça e Polónia estão a disponibilizar os seus hospitais para receber casos graves de covid-19 da República Checa. Em relação a número …

Iniciativa Liberal diz não a Moedas e avança com candidatura em Lisboa

Este sábado, a Iniciativa Liberal rejeitou integrar a megacolicação encabeçada por Carlos Moedas e anunciou um candidato próprio à Câmara de Lisboa.  Foi este sábado, na Praça do Município, que João Cotrim de Figueiredo, líder do …

Agente da PSP que chamou "aberração" a Ventura suspenso por 10 dias

A Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) confirmou a suspensão de dez dias a Manuel Morais, o agente que chamou "aberração" a André Ventura. O agente da PSP Manuel Morais vai iniciar, este sábado, …

1.007 novos casos e 26 mortes nas últimas 24 horas

Portugal registou este sábado 26 mortes e 1.007 novos casos de infeção nas últimas 24 horas, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico deste sábado, divulgado pela Direção-Geral da Saúde, dá conta de 1.007 …

Publicada lista de entidades abrangidas por alargamento da ADSE

A ADSE já publicou a lista de entidades abrangidas pelo alargamento do subsistema de saúde da função pública aos trabalhadores com contrato individual de trabalho. As entidades reguladoras e a maioria das empresas municipais foram …

O "caminho ainda é longo", mas Portugal já administrou um milhão de vacinas

Esta sexta-feira, Portugal ultrapassou o marco do primeiro milhão de vacinas administradas, mas o "caminho ainda é longo". Portugal ultrapassou, esta sexta-feira, um milhão de vacinas contra a covid-19 administradas, uma marca que o secretário de …