Cemitérios verdes. Especialista britânico sugere enterrar mortos à beira da estrada

O especialista britânico sugere que se use os espaços ao lado das estradas, ferrovias e passeios como “corredores funerários” amigos do ambiente.

Uma vez que a ciência ainda não encontrou forma de nos tornar imortais, encontrar espaço para enterrar os nossos mortos continua a ser uma necessidade. No entanto, escreve o Science Alert, um consultor de saúde pública do Reino Unido pensa ter descoberto uma solução para combater esta superlotação e que, além disso, é amiga do ambiente.

John Ashton propõe, no estudo publicado no Journal of the Royal Society of Medicine, que sejam criados “corredores funerários” ao longo de estradas, ferrovias e passeios, usando assim terra que, de outra forma, não teria qualquer utilização.

“O que precisamos agora é de uma grande visão estratégica para que estes cemitérios verdes nos ajudem a recuperar as nossas cidades… e que seja uma exigência para as estradas principais incluírem corredores lineares de vida silvestre ao seu lado”, diz.

“Está na hora de revisitar as raízes da saúde pública do enterro humano e conectá-las a uma nova visão para um planeta apto às gerações futuras”, acrescenta ainda o ex-presidente da Faculdade de Saúde Pública.

Embora não seja ainda um plano muito detalhado, Ashton aponta para tentativas anteriores de inovar neste campo, desde os Sete Magníficos de Londres do século XIX aos caixões biodegradáveis modernos.

Até porque, de acordo com o especialista, não são apenas os restos dos caixões que deixam um legado poluidor, mas também os produtos químicos usados no processo de embalsamamento.

Além disso, Ashton sugere ainda que os terrenos que já foram utilizados para fins industriais e que agora estão abandonados (chamados de “brownfields”) também possam ser aproveitados.

“Acho que deveria haver uma zona de amortecimento à volta das principais estradas. Algumas dessas áreas, atualmente terras agrícolas que estão a ser pressionadas para construir casas, poderiam ser designadas como cemitérios verdes, particularmente aqueles que estão próximos das cidades”, afirma à New Scientist.

Esta e outras ideias podem parecer ligeiramente bizarras mas a verdade é que, mais cedo ou mais tarde, vamos precisar delas. Por exemplo, estima-se que o Reino Unido vá ficar sem espaço para sepulturas nos próximos cinco anos.

“Temos cerca de 500 mil a 600 mil mortes por ano em Inglaterra e no País de Gales. Por isso, se todas as pessoas fossem enterradas nestes cemitérios ecológicos – e não estou a dizer que isto vá acontecer – poderíamos plantar meio milhão de árvores por ano“, diz Ashton ao The Guardian.

Ter os seus restos mortais junto a uma estrada pode não ser muito atraente, mas pelo menos estará a contribuir positivamente para o ambiente quando deixar a vida terrena.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Nobel da Física diz que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra

Didier Queloz disse, este sábado, estar convencido de que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra, razão pela qual está "zangado" com alguns argumentos do cofundador da Tesla, Elon Musk. Os suíços …

Ford está a reciclar palha de café do McDonald's. Quer transformá-la em peças de carro

https://vimeo.com/377768195 A Ford está a fabricar peças de carro através de palha de café reciclada do McDonald's. A iniciativa contribui para a redução da pegada ecológica e do desperdício alimentar. O combate às alterações climáticas cabe um …

Comité da ONU preocupado com condições das prisões em Portugal

As condições de detenção, a sobrelotação das prisões, o alegado uso da força e outros abusos contra pessoas pertencentes a grupos raciais e étnicos são as principais preocupações do Comité da ONU contra a Tortura …

Cientistas identificaram organismo que prospera ao comer meteoritos

O micróbio Metallosphaera sedula tem uma propensão para comer minerais. E não estamos a falar de granito ou giz, mas de rochas muito mais especiais como meteoritos. Segundo o Science Alert, uma equipa internacional de cientistas …

Médicos estrangeiros em Portugal atingem o valor mais alto da última década

O número de médicos estrangeiros registados em Portugal atingiu, em 2019, o valor mais elevado da última década, situando-se em 4192, mais 9,1% face a 2009, revelam dados da Ordem dos Médicos (OM). A maioria dos …

O único carro-avião do mundo vai ser vendido em leilão

O Taylor Aerocar, aquele que é o único carro-avião legalizado em todo o mundo, vai a leilão no início do próximo ano. Este modelo da marca data do ano de 1954. Se é um apaixonado por …

Marcha pelo Clima. Polícia espanhola deteve duas pessoas com facas e martelos

A Polícia Nacional de Espanha deteve, na sexta-feira, duas pessoas que pretendiam perturbar a manifestação pelo clima em Madrid, tendo apreendido vários materiais, como facas e martelos. Um homem e uma mulher foram detidos e enviados …

Reflexão, ritual ou mundo idealizado. Um Natal sem filmes, não é Natal

Se é daquelas pessoas que passa a noite da Natal com uma chávena na mão, meias nos pés e um filme na televisão, saiba que não está sozinho. Nesta altura do ano, os filmes tornam-se …

Musk ilibado depois de ter chamado "pedófilo" a mergulhador no resgate da gruta da Tailândia

O magnata fundador da Tesla, Elon Musk, foi absolvido na sexta-feira no processo por difamação movido pelo espeleólogo britânico Vernon Unsworth, que alegava ter sido chamado de pedófilo. Após cerca de uma hora de deliberações, o …

Luzes nas redes de pesca? Os golfinhos e as tartarugas agradecem

A implementação de luzes nas redes de pesca reduz a probabilidade de tartarugas marinhas e de golfinhos serem apanhados por acidente. Luzes LED nas redes de pesca eliminariam a "captura acidental" de tartarugas marinhas em mais …