Cemitérios verdes. Especialista britânico sugere enterrar mortos à beira da estrada

O especialista britânico sugere que se use os espaços ao lado das estradas, ferrovias e passeios como “corredores funerários” amigos do ambiente.

Uma vez que a ciência ainda não encontrou forma de nos tornar imortais, encontrar espaço para enterrar os nossos mortos continua a ser uma necessidade. No entanto, escreve o Science Alert, um consultor de saúde pública do Reino Unido pensa ter descoberto uma solução para combater esta superlotação e que, além disso, é amiga do ambiente.

John Ashton propõe, no estudo publicado no Journal of the Royal Society of Medicine, que sejam criados “corredores funerários” ao longo de estradas, ferrovias e passeios, usando assim terra que, de outra forma, não teria qualquer utilização.

“O que precisamos agora é de uma grande visão estratégica para que estes cemitérios verdes nos ajudem a recuperar as nossas cidades… e que seja uma exigência para as estradas principais incluírem corredores lineares de vida silvestre ao seu lado”, diz.

“Está na hora de revisitar as raízes da saúde pública do enterro humano e conectá-las a uma nova visão para um planeta apto às gerações futuras”, acrescenta ainda o ex-presidente da Faculdade de Saúde Pública.

Embora não seja ainda um plano muito detalhado, Ashton aponta para tentativas anteriores de inovar neste campo, desde os Sete Magníficos de Londres do século XIX aos caixões biodegradáveis modernos.

Até porque, de acordo com o especialista, não são apenas os restos dos caixões que deixam um legado poluidor, mas também os produtos químicos usados no processo de embalsamamento.

Além disso, Ashton sugere ainda que os terrenos que já foram utilizados para fins industriais e que agora estão abandonados (chamados de “brownfields”) também possam ser aproveitados.

“Acho que deveria haver uma zona de amortecimento à volta das principais estradas. Algumas dessas áreas, atualmente terras agrícolas que estão a ser pressionadas para construir casas, poderiam ser designadas como cemitérios verdes, particularmente aqueles que estão próximos das cidades”, afirma à New Scientist.

Esta e outras ideias podem parecer ligeiramente bizarras mas a verdade é que, mais cedo ou mais tarde, vamos precisar delas. Por exemplo, estima-se que o Reino Unido vá ficar sem espaço para sepulturas nos próximos cinco anos.

“Temos cerca de 500 mil a 600 mil mortes por ano em Inglaterra e no País de Gales. Por isso, se todas as pessoas fossem enterradas nestes cemitérios ecológicos – e não estou a dizer que isto vá acontecer – poderíamos plantar meio milhão de árvores por ano“, diz Ashton ao The Guardian.

Ter os seus restos mortais junto a uma estrada pode não ser muito atraente, mas pelo menos estará a contribuir positivamente para o ambiente quando deixar a vida terrena.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientista americana diz estar certa de que a Terra será atingida por asteroide

https://vimeo.com/355132338 Uma cientista americana de uma ONG dedicada a proteger a Terra diz que é 100% certo que um asteroide atingirá o nosso planeta. A cientista é Danica Remy, presidente da Fundação B612. Após um asteroide não …

NASA vai mesmo explorar Europa, a lua de Júpiter que pode ter vida extraterrestre

A NASA deu luz verde a uma missão para explorar uma lua de Júpiter que é considerada um dos melhores candidatos para a vida extraterrestre. A Europa - que é um pouco mais pequena do que …

País de Gales cancela plano controverso de criar "casas de banho robô"

O objetivo da construção era impedir atividade sexual, vandalismo e dormidas nas casas de banho públicas. O projeto ia recorrer às tecnologias de piso sensível ao peso, jatos de água, sensores anti-movimento e alarmes. O conselho …

Sem saber, uma mulher viveu durante 17 anos com a sua "gémea" dentro dela

Uma jovem na Índia, sem saber, viveu com uma das condições médicas mais raras e perturbadoras durante quase duas décadas. De acordo com um relatório de caso desta semana, a mulher tinha um saco que continha …

Novo filme da saga 007 já tem nome e data de estreia marcada

O novo filme da saga 007, realizado por Cary Fukunaga chama-se "No time to die" e estreia-se no Reino Unido e nos Estados Unidos em abril de 2020. "Daniel Craig regressa como James Bond, 007 em... …

Comporta pode tornar-se na nova Ibiza (e tudo começou com a queda do BES)

Após anos de um quase esquecimento, em termos de desenvolvimento imobiliário, a Comporta está a atrair investidores internacionais que encaram a pequena vila de Setúbal como uma "nova Ibiza". Um cenário que está a preocupar …

Família de Aretha Franklin cria fundo para a investigação de cancro raro

Um ano após a morte da cantora, a família de Aretha Franklin criou um fundo de apoio à investigação na área dos tumores neuroendócrinos, a doença rara que se revelou fatal para a celebridade, a …

Sporting vai monitorizar tudo o que se diz e escreve sobre jogadores

A empresa Noisefeed tem uma enorme base de dados relativa à atividade nas redes sociais de milhares de jogadores a nível global. Os jogadores de futebol de todo o mundo usam, cada vez mais, as redes …

Boris janta hoje com Merkel para mudar acordo. Maioria quer novo referendo

A pouco mais de dois meses da data marcada para a saída do Reino Unido da União Europeia, uma nova sondagem mostra que a maioria dos britânico quer que qualquer novo acordo vá a referendo. Um …

Oficial: Pardal Henriques candidato a deputado pelo partido de Marinho Pinto

O advogado Pedro Pardal Henriques anunciou esta quarta-feira que aceitou o convite para encabeçar a lista do PDR a Lisboa, deixando de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas para "não misturar …