Encontrado pela primeira vez um fóssil de mosquito cheio de sangue

Dale Greenwalt / Smithsonian Binning: 1 x 1 Gain: 2.000000 Accumulated=0

Fóssil de mosquito com sangue conservado

Fóssil de mosquito com sangue conservado

Nos 20 anos desde que o filme “Parque Jurássico” fantasiou sobre como os dinossauros poderiam ser clonados a partir do sangue encontrado em mosquitos presos em âmbar, os coleccionadores de fósseis não descansaram à procura de um espécime semelhante.

Ao longo destes anos, alguns grupos de paleontólogos afirmaram ter encontrado um mosquito fossilizado com sangue preso no abdómen, mas todas as descobertas acabaram por recelar-se o resultado de erro ou contaminação.

Agora, foi anunciado que há finalmente um espécime: um mosquito cheio de sangue. preservado em xisto durante cerca de 46 milhões de anos no noroeste de Montana, nos EUA.

E qual é a coisa mais surpreendente acerca da descoberta?

É que foi feita há três décadas, por um caçador de fósseis amador – um estudante de doutoramento em Geologia chamado Kurt Constenius – e esteve abandonada num sótão até agora.

Só recentemente o espécime foi reconhecido pelo bioquímico Dale Greenwalt, que se tem dedicado a recolher fósseis para o Museu Smithsonian de História Natural.

O espécime, descrito num artigo que Greenwalt publicou com investigadores do Smithsonian e com o entomologista Ralph Harbach na revista Proceedings da Academia Nacional de Ciências dos EUA, encontra-se preservado preso em pedra, não âmbar,

E, infelizmente para os entusiastas do clássico de Steve Spielberg, não é suficientemente velho para ter sangue de dinossauro.

Fóssil descoberto por acaso

Certo dia, Greenwalt conheceu a família de Constenius, e quando lhes descreveu o seu trabalho, a família decidiu doar sua coleção de fósseis para ao Smithsonian.

O bioquímico começou a catalogar as caixas dos fósseis e, quando se deparou com este espécime em particular, soube imediatamente que era diferente.

Greenwalt suspeitou que o abdómen escuro e opaco do mosquito, preso num pequeno pedaço de xisto, poderia conter sangue com 46 milhões de anos de idade.

A equipa de Ciências Minerais do laboratório do museu usou uma série de técnicas para analisar a amostra a fundo, incluindo espectroscopia de raios-X.

“A primeira coisa que descobrimos é que o abdómen está cheio de ferro, que é o que se esperaria de sangue”, explica Greenwalt ao Smithsonian.

Dale Greenwalt / Smithsonian

A formação rochosa no Montana, próximo do Glacier National Park (EUA), onde o espécimen foi encontrado

A formação rochosa no Montana, próximo do Glacier National Park (EUA), onde o espécimen foi encontrado

Além disso, a análise utilizou um espectrómetro de massa de iões secundários, que revelou a presença de heme, o composto que dá aos glóbulos vermelhos sua cor distinta e lhes permite transportar oxigénio por todo o corpo.

Outros testes mostraram a ausência destes compostos em outras partes do fóssil.

Os resultados serviram como prova definitiva de que o sangue tinha sido preservado dentro do insecto.

Mas, neste ponto, os cientistas não têm nenhuma forma de saber a que criatura pertence o sangue – isto porque o DNA se degrada demasiado depressa para sobreviver depois de estar 46 milhões de anos preso em pedra (ou mesmo em âmbar).

Um estudo recente mostrou que o DNA do sangue, mesmo em condições ideais, tem uma meia-vida de cerca de 521 anos, isto é, uma determinada quantidade de sangue leva 521 anos a perder metade do seu DNA.

Nada de “Parque Jurássico”

Isto significa que, mesmo que milagrosamente houvesse algum DNA de uma criatura antiga no fóssil, há ainda uma tonelada de problemas técnicos que impedem uma clonagem semelhante à de “Parque Jurássico”.

Para montar um genoma completo a partir de fragmentos de DNA, precisamos de ter conhecimento de todo o seu genoma – o que não temos, neste caso.

Em seguida, para o transformar num animal vivo, seria necessário colocar esse DNA num óvulo de uma espécie viva muito intimamente relacionada com a criatura misteriosa – que, antes de mais, neste caso nem sabemos qual é.

Então, infelizmente, não será graças a esta nova descoberta que poderemos ver criaturas antigas ressuscitadas a passear por aí .

Ainda assim, o achado é cientificamente significativo, e vai ajudar os cientistas a entender melhor a evolução dos insectos que se alimentam de sangue.

Até agora, a coisa mais próxima de um mosquito cheio de sangue que tinha sido encontrada era um mosquito com restos do parasita da malária dentro do seu abdómen.

Embora esse fóssil tenha fornecido provas indirectas de que os mosquitos já se alimentavam de sangue há cerca de 15 a 20 milhões de anos atrás, esta nova descoberta representa a mais antiga prova directa do comportamento dos sugadores de sangue.

A descoberta mostra também, pela primeira vez, que as moléculas biológicas como o heme podem sobreviver num fóssil.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Teresa Leal Coelho admite processar ex-vereador Fernando Nunes da Silva

A vereadora da Câmara Municipal de Lisboa Teresa Leal Coelho admitiu que poderá vir a processar o antigo vereador Fernando Nunes da Silva, devido às declarações sobre a reposição dos sentidos de circulação na Avenida …

Linha de Fundo: Benfica reforça liderança, mais recados de Conceição, um jardim de infância especial e João “rosa” Almeida

Era uma vez um Clássico... Deu empate o primeiro clássico da época 2020/21. Em Alvalade, Sporting e FC Porto igualaram-se a duas bolas, num jogo que valeu pelas mudanças de resultado, mas que nem sempre foi …

CDS critica PS por obrigar portugueses a pagar "buraco" da TAP para servir apenas Lisboa

O CDS está "chocado" por a TAP ir abandonar as quatro rotas que opera no Aeroporto Francisco Sá Carneiro e critica o PS por obrigar portugueses a pagar "buraco" da TAP para servir apenas Lisboa. O …

Contratos de associação dos colégios privados. Ministério da Educação vence todos os 55 processos judiciais

Em todos os 55 processos judiciais que os colégios privados moveram contra o Ministério da Educação em 2016, na sequência da polémica dos contratos de associação, todas as 55 decisões foram favoráveis ao Governo. O jornal …

Famílias numerosas podem pedir desconto no IVA da luz a partir de março

As famílias com cinco ou mais elementos só poderão usufruir da redução do IVA da eletricidade a partir de 1 de março e terão de o requerer junto do seu fornecedor, segundo uma portaria esta …

Vacina da gripe disponível para mais grupos. Farmácias temem não ter stock suficiente

A vacina da gripe está, a partir desta segunda-feira, disponível para mais grupos populacionais com o início da segunda fase da campanha, que estende a vacinação a pessoas com 65 ou mais anos e pessoas …

Franceses em protesto para homenagear professor decapitado. Autoridades procuram radicais islâmicos

Milhares de pessoas reuniram-se no domingo no centro de Paris numa demonstração de repúdio pela decapitação do professor que mostrou aos seus alunos desenhos do Profeta Maomé. Os manifestantes da Praça da República ergueram cartazes onde …

Proud Boys acreditam na vitória de Trump: "Vamos Ganhar". Voto antecipado começa hoje na Florida

O líder do grupo Proud Boys disse à Lusa, durante uma manifestação em Miami, que Donald Trump vai vencer as eleições presidenciais norte-americanas, e rejeitou a acusação de que é dirigente de uma organização extremista. …

Projeto desenvolve testes rápidos de baixo custo para detetar imunidade

Um consórcio de universidades e uma empresa querem desenvolver "testes rápidos e de baixo custo" para detetar a resposta imunitária ao vírus SARS-CoV-2. O projecto TecniCov, que "obteve um financiamento de 450 mil euros da Agência …

"Medo constante". Human Rights Watch denuncia tortura na Coreia do Norte

Uma organização não-governamental denunciou esta segunda-feira que o sistema norte-coreano de detenção pré-julgamento e de investigação é cruel e arbitrário, com ex-detidos a descreverem tortura sistemática, corrupção e trabalhos forçados não-remunerado. No relatório de 88 páginas, …