Os embondeiros estão a morrer (e ninguém consegue perceber porquê)

Yoky / Wikimedia

O embondeiro, também chamado de baobá, é a mais icónica das árvores africanas

Esta árvore, considerada a mais icónica da savana africana, está a morrer em circunstâncias misteriosas e nem os cientistas sabem explicar porquê.

O embondeiro, também conhecido por baobá, é a árvore mais icónica da savana africana. Para além de alcançar dimensões gigantescas, a espécie pode viver centenas ou milhares de anos. Devido ao formato do fruto, há quem lhe chame ainda a “árvore do rato morto”.

Este ícone das árvores africanas tem troncos robustos e sem ramificação e consegue armazenar grandes quantidades de água no seu interior para suportar as duras condições das zonas áridas em que vive. Também é importante para a preservação da vida selvagem porque é um suporte importante na construção de ninhos de aves.

No entanto, o seu futuro pode estar ameaçado. Os embondeiros estão a morrer em vários países no sul do continente e nem os cientistas conseguem perceber porquê.

Uma equipa de cientistas da África do Sul, Roménia e EUA descobriu que a maioria dos baobás mais antigos e de maiores dimensões morreram nos últimos 12 anos. O estudo foi publicado na revista Nature Plants esta semana.

De acordo com a pesquisa, os investigadores dizem que as mortes destas árvores não foram provocadas por uma epidemia e que o verdadeiro culpado é “um evento de magnitude sem precedentes”.

A equipa suspeita que estas mortes misteriosas podem estar relacionadas com o fenómeno das alterações climáticas, embora não tenham ainda provas diretas disso.

“Suspeitamos que a morte destes monumentais baobás pode estar associada, em parte, a modificações significativas das condições climáticas que afetam particularmente a África Austral”, a região também conhecida como África Meridional e que é formada pelo países do sul do continente. “No entanto, são necessárias pesquisas adicionais para confirmar ou refutar essa suposição”, acrescenta a equipa, liderada por Adrian Patrut, da Universidade Babes-Bolyai, na Roménia.

Desde 2005 que os investigadores têm vindo a estudar um conjunto de 60 das árvores mais antigas da região. Inesperadamente, descobriram que oito dos 13 embondeiros mais velhos, com idades entre os 1.000 e os 2.500 anos, morreram por completo ou as suas partes mais antigas tinham colapsado.

As árvores têm muitas hastes e troncos, geralmente de diferentes idades. Em alguns dos casos investigados, todas as hastes tinham morrido de forma repentina. “Suspeitamos que isso esteja associado com o aumento da temperatura e da seca“, disse Patrut à BBC.

“É chocante e muito triste vê-los morrer”, acrescentou. As árvores estudadas foram encontradas no Zimbabué, Namíbia, África do Sul, Botsuana e Zâmbia.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

"Evento raro". Nasceu uma baleia-branca no maior aquário do mundo (e o momento foi gravado)

Whisper, uma baleia-branca de 20 anos, deu à luz uma cria saudável em 17 de maio após uma gravidez de 15 meses, marcando a chegada do mais novo cetáceo do Georgia Aquarium, numa altura em …

Telemóveis são uma ferramenta poderosa contra a desigualdade de género em África

Ao dar às mulheres acesso a informação que, de outra forma, era quase impossível de obter, os telemóveis estão a salvar e a transformar vidas. De acordo com o site IFLScience, o estudo responsável por esta …

Desde março, morreram mais de 100 elefantes no Botsuana. Ninguém sabe porquê

As autoridades do Botsuana estão a investigar a morte de 110 elefantes na região do Delta do Okavango desde março, anunciou esta semana o Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Turismo daquele …

Um robô aprendeu a fazer uma omelete. E ficou melhor do que o esperado

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, treinou um robô a preparar uma omelete. Para os investigadores, avaliar se um robô cozinhou uma refeição com sucesso é uma fonte interessante de …

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …