Elefantes têm um “arsenal” de mecanismos genéticos de defesa contra o cancro

Os elefantes possuem várias cópias extra de genes associados à supressão de tumores, concluiu uma nova investigação da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos, que dá ainda conta que este “arsenal” de mecanismos de defesa genética  pode explicar porque é que estes animais raramente padecem de cancro.

O facto de a maioria dos mamíferos ser propensa ao cancro, mas esse não ser o caso dos elefantes tem inquietado os cientistas. Até porque os elefantes reúnem dois dos fatores associados ao desenvolvimento de células cancerígenas: são enormes – têm 100 vezes o número de células do Homem – e vivem vidas longas.

Um animal de grandes dimensões tem uma maior probabilidade de desenvolver mutações genéticas, que fazem com que as células individuais se reproduzam mais rapidamente. Por isso, a resistência dos elefantes à proliferação de células cancerígenas tem sido um “mistério” para a comunidade científica.



De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram esta semana publicados na revista científica eLife, os elefantes desenvolveram uma série de genes de supressão de tumor que, tal como o nome indica, afastam as células tumorais.

Os cientistas frisam, contudo, que este mecanismo não é exclusivo dos elefantes: a duplicação de genes supressores de tumor é bastante comum entre outros mamíferos que são parentes vivos ou já extintos dos elefantes, como é o caso da toupeira-dourada-do-Cabo e os musaranhos, um insetívoro de nariz comprido.

A investigação sugere que as capacidades de supressão tumoral precedem ou coincidiram com a evolução de corpos excecionalmente grandes, facilitando o seu desenvolvimento.

“Espera-se que, à medida que se obtém um corpo realmente grande, que o seu fardo associado ao cancro aumente, porque corpos grandes têm mais células (…) O facto é que isso não é verdade entre as espécies – um paradoxo de longa data no seio da medicina evolutiva e na biologia – indica que a evolução encontrou uma forma de reduzir o risco de cancro”, explicou Vincent Lynch, professor assistente do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade de Buffalo e co-autor do estudo, citado em comunicado.

Na nova investigação, continuou, a equipa explorou a forma como os “elefantes e os seus parentes vivos e extintos evoluíram para se tornarem resistentes ao cancro“.

“Temos investigações anteriores sobre o TP53, um supressor de tumor bem conhecido. Desta vez, dissemos: ‘Vamos apenas ver se todo o genoma do elefante inclui mais cópias de supressores de tumor do que o esperado’. A tendência é geral? Ou a tendência é específica para um gene?”, explicou, sintetizando: “Descobrimos que era geral: os elefantes têm muitas, muitas e muitas cópias extras de genes supressores de tumor, e todos estes contribuem um pouco, muito provavelmente, para a resistência ao cancro”.

Sara Silva Alves Sara Silva Alves, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …

Reino Unido quer reconhecer animais como seres com sentimentos

O Governo britânico anunciou um amplo plano de defesa dos animais que inclui medidas como o reconhecimento dos animais como seres com sentimentos, a proibição da exportação de animais vivos e da importação de troféus …

PAN rejeita "via verde" para o Governo (e admite travar próximo Orçamento "se necessário")

O PAN não pretende oferecer “uma via verde para o Governo fazer o que bem entender” e admite mesmo travar o Orçamento de Estado "se for necessário". As palavras são da presidente do Grupo Parlamentar do …

Bloco quer administração da RTP nomeada pela Assembleia da República

O Bloco de Esquerda fez várias propostas à revisão do contrato de concessão do serviço público de rádio e televisão. Do lado dos trabalhadores da RTP, a proposta foi arrasada. O Governo colocou em consulta pública, …

Decisão da insolvência da Groundforce pode demorar dois meses. Salários de maio em risco

Os salários de maio de 2400 trabalhadores da Groundforce devem ser pagos dentro de duas semanas, mas é grande a probabilidade de que isso não aconteça, à semelhança do que ocorreu em fevereiro, elevando as …