/

Os elefantes são estranhamente resistentes ao cancro

Uma equipa de pesquisa que examinou pedaços relativamente subexplorados de ADN de mamíferos encontrou mais pistas sobre a habilidade extraordinária dos elefantes de evadir o cancro – e determinou que os genes responsáveis pela mitigação do dano nas células do elefante também podem ser encontrados em seres humanos.

A maioria dos mamíferos são propensas ao cancro, à exceção dos elefantes. Estes animais não são completamente imunes, mas quando comparados aos humanos, os elefantes raramente o contraem – especialmente considerando que têm 100 vezes o número de células dos humanos.

O estudo com as conclusões foi publicado em março na revista científica Cell Reports.

O cancro ocorre quando uma célula se altera aleatoriamente durante a divisão, pelo que apenas cerca de 1 em cada 20 elefantes desenvolver a doença, em comparação com 1 em cada 5 humanos, é extremamente curioso.

Os investigadores estavam a tentar descobrir a razão por trás desse facto há décadas. Há poucos anos, uma equipa de investigadores transformou essa característica incrível numa superabundância de um gene chamado p53, que suprime os tumores. Os elefantes africanos possuem 40 cópias da p53. Os seres humanos têm apenas um.

Mas agora uma equipa de cientistas da Universidade de Utah, nos EUA, encontrou mais pistas sobre como ocorre esta “imunidade” nos elefantes – e não se resume ao gene p53.

A equipa estudou o que era conhecido há várias décadas como “junk ADN” – o pedaço de ADN que não codifica proteínas. Isso não torna inútil, no entanto, estudos recentes descobriram que desempenha outras funções, como ser capaz de controlar quando e onde os genes são expressos.

“As pessoas apelidavam aquele pedaço de “ADN de lixo”, quando se referiam às regiões não codificadas, mas eu prefiro olhar para isso como uma selva por explorar”, disse o neurobiologista Christopher Gregg, da Universidade de Utah.

“Estamos a explorar as regiões não codificadas para tentar descobrir novas partes do genoma que possam controlar diferentes doenças”, explicou.

A equipa pesquisou as partes do genoma do elefante que são comuns a todos os vertebrados, mas evoluíram especificamente mais rápido em elefantes. Os cientistas examinaram essas regiões para obter elementos que ajudem a resistir a mutações – e, portanto, ao cancro.

Os cientistas identificaram três genes no ADN dos elefantes – FANCL, VRK2 e BCL11A – depois de o expor à radiação gama e terem observado como respondeu aos danos. Esses genes em particular estão envolvidos no reparo do ADN que protege contra mutações – e estão fortemente associados às acelerações dos elefantes.

Como os vertebrados têm muito ADN em comum, muitos outros mamíferos também têm esses genes. As versões humanas não nos protegem do cancro da mesma maneira que parecem fazer nos elefantes, mas saber quais são esses genes pode nos ajudar a determinar se podemos realizar uma mudança semelhante nos nossos próprios genes.

Outros animais que a equipa estudou foram o morcego em hibernação, para estudar anormalidades dos membros, a orca e golfinho, para estudar o desenvolvimento da cúria e da corneia, bem como a adaptação a ambientes de alta pressão para estudar distúrbios de coagulação sanguínea, o rato-toupeira-nu, para estudar desenvolvimento de olho e glaucoma, e o esquilo terrestre de treze andares, para estudar albinismo e síndrome do leopardo.

Pesquisas futuras serão necessárias para determinar se essas regiões aceleradas noutros mamíferos podem ser aplicadas terapeuticamente para ajudar a controlar doenças em seres humanos.

“Estamos a olhar para território inexplorado”, disse Gregg. “Este método dá-nos uma nova maneira de explorar o genoma e potencialmente descobrir novas abordagens para identificar, diagnosticar e tratar doenças“.

  ZAP // Science Alert

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.