Einsténio. Pela primeira vez, cientistas revelam segredos químicos sobre elemento inspirado em Einstein

(dr)

O einsténio, o 99.º elemento da tabela periódica, foi batizado em homenagem ao físico Albert Einstein. Agora, 100 anos depois de Einstein ter conquistado o Prémio Nobel, os químicos finalmente conseguiram observar o comportamento químico deste elemento elusivo e altamente radioativo.

Há 100 anos, o físico Alemão Albert Einstein virou o mundo científico de pernas para o ar com a descoberta do efeito fotoelétrico, que provou que a luz é tanto uma partícula como uma onda. Depois de receber o Prémio Nobel da Física em 1921, Einstein contribuiria mais tarde com teorias relacionadas com a fusão e fissão nuclear, abrindo caminho para a invenção e detonação de armas nucleares, bem como da energia nuclear.

Quando há 69 anos foi descoberto nos destroços químicos de uma explosão nuclear um elemento até então desconhecido, com características que o colocavam na posição 99 da tabela Periódica, os cientistas batizaram-no em homenagem ao físico. Assim apareceu na Tabela Periódica o “Einsténio [99]”.



Porém, desde que que o einsténio foi descoberto, em 1952, no Departamento de Energia do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, os cientistas realizaram poucas experiências com este elemento, por ser muito difícil de obter e excecionalmente radioativo.

Agora, uma equipa de químicos do Berkeley Lab ultrapassou esses obstáculos para caracterizar, pela primeira vez, algumas das suas propriedades, abrindo a porta a uma melhor compreensão dos restantes elementos transurânicos da série de actinídeos – a linha que constitui o período 7 da Tabela, que vai do Actínio [89] ao Laurêncio [103].

Com menos de 250 nanogramas do elemento, a equipa de investigadores mediu pela primeira vez a distância da ligação molecular do einsténio, uma propriedade básica das interações de um elemento com outros átomos e moléculas.

“Não se sabe muito sobre o einsténio”, disse Rebecca Abergel, que lidera o grupo de Química de Elementos Pesados do Berkeley Lab, em comunicado divulgado pelo EurekAlert. “É uma conquista notável termos conseguido trabalhar com esta pequena quantidade de material e fazer química inorgânica”.

A equipa usou instalações experimentais não disponíveis na década em que o einsténio foi descoberto para realizar espectroscopias de luminescência e experiências de espectroscopia de absorção de raios-X. Mas, antes de tudo, colocar a amostra em forma utilizável foi quase metade da batalha.

A amostra de elemto foi produzida no High Flux Isotope Reactor do Oak Ridge National Laboratory, um dos poucos locais no mundo que é capaz de produzir einsténio — processo que envolve o bombardeamento de massas de cúrio com neutrões para desencadear uma longa cadeia de reações nucleares.

Haire, R. G., USD0E/ Wikimedia

Amostra de Einsténio

O primeiro problema que os físicos encontraram foi que a amostra estava contaminada com uma quantidade significativa de califórnio.

A equipa teve de descartar o seu plano original de usar cristalografia de raios X – considerada o padrão para obter informações estruturais sobre moléculas altamente radioativas, mas requer uma amostra pura de metal – e, em vez disso, criaram uma nova forma de produzir amostras e alavancar técnicas de estudo de elementos específicos.

Lutar contra a decadência radioativa foi outro desafio. A equipa conduziu as experiências com einsténio-254, um dos isótopos mais estáveis ​​do elemento. A sua meia-vida, ou seja, o tempo que metade de uma amostra demora a decair, é de 276 dias.

Embora a equipa tenha conseguido conduzir muitas das experiências ainda antes da pandemia de covid-19, esta acabou por interromper os planos para estudos de acompanhamento que estavam previstos. Quando os cientistas regressaram ao laboratório, no verão, a maior parte da amostra tinha desaparecido.

Ainda assim, os investigadores conseguiram as primeiras medições de sempre da distância de ligação do einsténio, e descobriram um comportamento físico-químico diferente do que seria esperado da série de actinídeos, os elementos da linha inferior da tabela periódica, que partilham propriedades com o einsténio.

“Determinar a distância da ligação pode não parecer interessante, mas é a primeira coisa que se gostaria de saber sobre como um metal se liga a outras moléculas. Que tipo de interação química esse elemento terá com outros átomos e moléculas?”, explicou Abergel.

Tendo essa resposta, os cientistas podem agora procurar propriedades químicas interessantes e melhorar a compreensão dos padrões de comportamento dos elementos do mesmo grupo da Tabela Periódica.

“Ao obter esses dados, ganhamos uma compreensão melhor e mais ampla de como toda a série de actinídeos se comporta. E nessa série temos elementos ou isótopos que são úteis para a produção de energia nuclear ou radiofármacos”, disse.

Este estudo também oferece a possibilidade de explorar o que está além da borda da tabela periódica e, possivelmente, descobrir um novo elemento. “Estamos a começar a entender um pouco melhor o que acontece no final da tabela periódica e, a seguir, também se pode imaginar um alvo einsténio para descobrir novos elementos”, disse Abergel.

“De forma semelhante aos elementos mais recentes, descobertos nos últimos 10 anos, como o tenesso [117], obtido a partir do bombardeamento de massas de berquélio [97], se conseguirmos isolar einsténio suficientemente puro, poderíamos começar a procurar outros elementos e aproximarmo-nos da (teorizada) ilha de estabilidade”, na qual os físicos nucleares previram que os isótopos podem ter meia-vida de minutos ou mesmo dias — em vez dos microssegundos que são comuns nos elementos superpesados.

O estudo foi publicado este mês na revista científica Nature.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Boas noites Senhores/as jornalistas venho por este meio alertar-vos para um erro ortográfico no 14º paragrafo creio que queriam dizer “partilhar” ao contrario do que esta escrito (partilçham), embora se compreenda o texto creio que merece ser corrigido.
    Aproveito para agradecer a vossa atenção no meu alerta anterior.

  2. A tabela de elementos está desactualizada. O elemento 115 mostrado como Moscovo, já alguns anos que foi rebaptizado como Unumpentium. Por curiosidade este elemento foi detectado e publicitado por Bob Lazar, um engenheiro “wisthle blower” que trabalhou na área 52 na reengenharia inversa de UFOs.

RESPONDER

Ouvir 30 segundos de uma sonata de Mozart pode reduzir ataques de epilepsia

Ouvir a Sonata para Dois Pianos em Ré Maior (K448), de Wolfgang Amadeus Mozart, durante pelo menos 30 segundos, ajuda a reduzir a atividade elétrica cerebral associada à epilepsia resistente a medicação. Os resultados também sugerem …

Astrónomos resolvem mistério cósmico com 900 anos

Um mistério cósmico com 900 anos, em torno das origens de uma famosa supernova observada pela primeira vez na China no ano 1181, foi finalmente resolvido. Uma nova investigação, publicada dia 15 de setembro no The …

Bons hábitos alimentares podem reduzir a probabilidade de contrair covid-19

Um novo estudo indica que as pessoas que comem muitas frutas e vegetais podem ter menos probabilidades de contrair covid-19. Num pesquisa que envolveu 590 mil adultos, os investigadores descobriram que as pessoas que eram adeptas …

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …

Dinamarca. Reclusos condenados a prisão perpétua proibidos de iniciar novos romances

Os reclusos que cumprem prisão perpétua na Dinamarca serão proibidos de iniciar novos relacionamentos amorosos, decisão proposta pelo governo após uma jovem de 17 anos se apaixonar por Peter Madsen, que assassinou a jornalista Kim …

Casal queria que o seu filho se chamasse Vladimir Putin. A Suécia não deixou

Na Suécia, os pais são obrigados a comunicar os nomes dos seus filhos recém-nascidos ao Skatteverket nos primeiros três meses a partir do nascimento. Um casal sueco, que vive na cidade de Laholm, foi proibido pela …

44 jogos seguidos sem ganhar. Mas o presidente não está preocupado

O Atlético Mogi não vence qualquer jogo oficial há mais de quatro anos. Perdeu em 42 desses 44 duelos. 17 de Junho de 2017 foi o último dia em que o Atlético Mogi venceu um jogo …

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …