Pagar para trabalhar e ainda ficar feliz. É o Efeito IKEA

O “Efeito IKEA” mostra que, apesar de as pessoas terem mais trabalho na produção de um bem, acabavam por ficar mais felizes e, consequentemente, valorizam-no ainda mais.

Em 1950, a fabricante de mistura para bolos General Mills encontrou a solução para um grave problema de vendas que atravessava. Na altura, muitas donas de casa recusavam-se em comprar bolos em pó porque acreditavam que seriam de qualidade inferior e que os ingredientes não eram bons.

Para resolver o problema, o psicólogo Ernest Dichter foi chamado para conduzir alguns estudos em voluntários. A conclusão retirada foi que os ovos em pó deveriam deixar de fazer parte da mistura, obrigando os clientes a comprá-los à parte e adicioná-los separadamente ao preparado.

A explicação de Dichter era que fornecer a mistura totalmente pronta tornava o processo muito fácil, o que fazia com que as donas de casa torcessem o nariz ao produto. Assim sendo, um trabalho adicional para o cliente seria um ingrediente crucial para o sucesso de vendas.

“A dona de casa e os clientes em geral parecem preferir ovos frescos, portanto o uso de ovos secos ou em pó é visto como uma desvantagem do ponto de vista psicológico”, pode ler-se na patente de um dos bolos em pó.

A linha entre mito e realidade é ténue nesta história, mas a verdade é que pode ter inspirado outras empresas a fazer o mesmo na atualidade. Quase 70 anos depois, a ideia de tornar algo mais trabalhoso para que o consumidor dê mais valor ao resultado final tem-se consolidado como estratégia de marketing.

O mesmo pode-se verificar na IKEA, que faz sucesso por todo o mundo, ao vender modelos simples a preços baixos e deixando aos clientes a responsabilidade de montar os móveis em casa. A isto pode-se chamar de “Efeito IKEA”.

O cliente leva para casa uma enorme caixa cheia de peças e depois de passar umas horas a montar o móvel pode-se gabar de que foi ele próprio que o montou. Este efeito psicológico foi documentado pela primeira vez num estudo publicado em 2011 na revista Journal of Consumer Psychology.

Experiências

De forma a confirmar empiricamente este fenómeno, os investigadores conduziram pequenas experiências nas quais os voluntários montavas caixas de cartão, dobravam origami ou construíam alguma coisa simples com Lego.

Como resultado, verificaram que os participantes atribuíam mais valor às coisas que eles próprios tinham feito, em comparação com algo que tinha sido montado por outra pessoa.

Para verificarem até que ponto as pessoas prezavam pelo seu trabalho, foi feito uma espécie de leilão pelas diferentes peças. Os voluntários ofereciam sempre mais pelos seus próprios trabalhos em relação aos dos outros – independentemente da qualidade dos mesmos.

Contudo, o estudo mostrou que há certos limites. Caso os voluntários passassem demasiado tempo a concluir os seus trabalhos ou fossem impedidos por outras pessoas de os terminar, a vontade de pagar por esses objetos seria menor.

PARTILHAR

RESPONDER

Boris Johnson volta aos Comuns para aprovar Brexit em tempo recorde e sair dia 31 de outubro

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, vai tentar esta terça-feira aprovar a legislação necessária para poder garantir que o Reino Unido sai da União Europeia no dia 31 de outubro quer haja ou não consenso na …

Líbano. Governo corta metade dos salários de políticos em resposta aos protestos

Ao quinto dia de manifestações, o governo libanês respondeu com a aprovação de um pacote de emergência de reformas económicas que deixa cair a introdução de novos impostos e passa pela redução do défice. O primeiro-ministro …

Caso Griezmann. Barcelona paga 15 milhões pelo silêncio do Atlético (e fica com benefício futuro)

Escreve o jornal espanhol El Mundo que Barcelona e Atlético de Madrid já chegaram a acordo no "caso Griezmann". O clube catalão pagou 15 milhões de euros pelo silêncio dos colchoneros, ficando ainda com benefício …

Professor detido depois de ser acusado de agredir aluno “com enorme violência”

Um aluno do 8.º ano da Escola Secundária Rainha Dona Leonor, em Alvalade, em Lisboa, terá sido esta segunda-feira agredido por um professor durante uma aula. Segundo o relato da Associação de Encarregados de Educação dos …

Gabinetes dos novos membros do Governo custam 71 milhões de euros

O novo Governo terá 70 gabinetes no total, que representarão uma despesa anual de, pelo menos, 71 milhões de euros aos cofres públicos, mais sete milhões de euros do que o último. O primeiro-ministro, António Costa, …

Fim do cessar fogo na Síria. Turquia ameaça que milicianos curdos no terreno serão abatidos

O período de cessar-fogo de 120 horas acordado entre a Turquia e os Estados Unidos (EUA) para permitir que as milícias curdas saiam do nordeste da Síria termina esta terça-feira, pelas 19:00 (20:00 em Lisboa), …

Ministro adjunto cabo-verdiano encontrado morto no gabinete

O ministro adjunto do primeiro-ministro de Cabo Verde para a Integração Regional, Júlio Herbert, foi encontrado morto, esta segunda-feira, no seu gabinete, no Palácio do Governo, na Praia, confirmou fonte governamental. Elementos da Polícia Nacional cabo-verdiana …

"Risco de desvio significativo" nas contas do Governo. Bruxelas com reservas sobre esboço do OE2020

A Comissão Europeia (CE) pediu esta terça-feira ao Governo português que apresente uma versão atualizada do projeto orçamental para 2020 “tão cedo quanto possível”, observando que o ‘esboço’ recebido aponta para o risco de um …

Goldman Sachs. Funcionário acusado de divulgar informação em troca de dinheiro

Bryan Cohen, vice-presidente de um dos departamentos do Goldman Sachs, foi acusado de tirar proveito de um esquema que gerou alegadamente cerca de 2,3 milhões de euros em lucros ilegais. Nos últimos 18 meses, dois funcionários …

Encontrada carruagem romana milenar com restos fósseis dos cavalos

Uma equipa de arqueólogos do Museu da Cidade de Vinkovci e do Instituto da Arqueologia de Zagreb, na Croácia, encontrou uma carruagem romanda de duas rodas com os corpos fossilizados de dois cavalos. Os especialistas consideram …