Ecossistema misterioso oculto há milhares de anos encontrado em icebergue gigante

Quando um pedaço de gelo com um bilião de toneladas, maior que o Algarve, com 5.800 km2, se soltou da Antártida em julho, foi classificado como um dos maiores icebergues que os cientistas já testemunharam.

O bloco maciço também revelou um misterioso e precioso ecossistema marinho escondido sob o gelo, que pode estar submerso há cerca de 120 mil anos – e é vital, agora que foi descoberto, proteger esse santuário isolado.

“Não consigo imaginar uma mudança mais dramática das condições ambientais de qualquer ecossistema em todo o planeta”, disse o ecologista marinho Julian Gutt, do Instituto Alfred Wegener de Pesquisa Polar e Marinha, na Alemanha.

Essa transição épica deve-se ao facto de o icebergue estar à deriva, afastando-se se para o norte até ao Mar de Weddell e longe de sua antiga morada, a plataforma de gelo Larsen C.

À medida que esta migração acontece – seja ou não causada por mudanças climáticas -, uma vasta extensão de oceano e de fundo do mar que mede cerca de 5.818 quilómetros quadrados está a ser exposta à luz solar e à alteração das condições marinhas.

Os cientistas acreditam que esta possa ser a primeira vez que as condições do ecossistema são alteradas desde o último período interglacial da Terra.

No momento em que este ambiente intocado e inexplorado começa a revelar-se, os cientistas estão ansiosos para estudar as suas águas nunca antes vistas e as formas de vida que podem conter – e vão ter agora oportunidade de o fazer.

No âmbito de um acordo internacional aprovado o ano passado pela Comissão para a Conservação da Vida Marinha Antártica, o ecossistema emergente é classificado como uma Área Especial para Estudo Científico.

Esta classificação é atribuída a regiões marinhas recém-expostas a condições ambientais ou a mudanças após a retirada ou o colapso de uma plataforma de gelo.

Esta proteção significa que a área exposta não pode ser explorada em atividades de pesca comercial durante pelo menos dois anos. O prazo pode ser prolongado para até dez 10 anos – período de tempo destinado a dar aos cientistas a oportunidade de avaliar a vida marinha local e observar novas espécies que colonizam as áreas recém-descobertas.

“É definitivamente uma área fantástica e desconhecida na pesquisa científica”, disse a bióloga marinha Susan Grant, da British Antarctic Survey (BAS). “Sabemos pouco sobre o que poderia ou não viver nessas regiões, e especialmente como se podem modificar ao longo do tempo”.

Grant foi uma das cientistas que liderou a proposta para o reconhecimento de Área Especial, e a BAS pretende enviar um navio de pesquisa para estudar a área no início de 2018, desde que receba o financiamento.

Expedições sul-coreanas e alemãs também devem ocorrer em 2018 e 2019, respectivamente, à medida que os cientistas se apressam a examinar o terreno o mais cedo possível, antes que a exposição à superfície e à luz solar provoque mudanças nas águas protegidas.

“É muito difícil mobilizar esforços de pesquisa – é preciso muito dinheiro, e o tempo de entrega dos resultados não é fácil de ser previsto”, explicou Grant. “Mas o facto de que muitos grupos estão a tentar descobrir algo na região demonstra que esta é uma oportunidade realmente única”.

Os cientistas não sabem ao certo o que esperar quando chegarem ao misterioso icebergue, mas o termo de comparação mais próximo é o do colapso das plataformas de gelo Larsen A e B, em 1995 e 2002.

“A vida lá é escassa”, disse o cientista da BAS, Phil Trathan. “Trabalhamos com a hipótese de que o ecossistema seja semelhante ao de oceanos muito profundos, mas isso é algo que precisamos de validar”.

Mas apesar de estes ambientes submarinos desprovidos de luz solar e recursos alimentares poderem parecer cidades fantasmas, o seu estudo é algo extremamente importante – sobretudo porque estas condições não ficarão inalteradas muito tempo, com novas espécies a colonizar as águas expostas a partir do momento em que vêm à tona.

“Haverá luz solar, depois fitoplâncton, e a seguir também peixes e zooplâncton. Por isso, haverá algo como uma reação em cadeia. À medida que haja condições, mais espécies se aproximarão, e haverá mudanças bastante significativas em escalas de tempo relativamente curtas”, disse Trathan.

As razões da separação do icebergue permanecem por explicar. Mas agora que aconteceu, é uma oportunidade maravilhosa para ver a vida a adaptar-se a um território virgem – só é preciso lá chegar a tempo do início do espetáculo.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"Lavar as mãos". Vídeo da DGS é o mais popular do ano no YouTube

2020 foi um ano atípico em vários aspetos do quotidiano, obrigando à introdução de novas rotinas e ao reforço de outras por muitos já descuradas. Reflexo dessa disrupção é o ranking anual do YouTube, divulgado esta …

Drenthe falido: "Não é muito importante"

Antigo futebolista do Real Madrid não está preocupado com a declaração feita por um tribunal dos Países Baixos. Drenthe joga numa equipa da terceira divisão nacional. Royston Ricky Drenthe foi, enquanto adolescente, considerado um dos melhores …

Sonda espacial chinesa conclui recolha de amostras da superfície lunar

A sonda chinesa Chang'e 5 concluiu a recolha e armazenamento de rochas e detritos da superfície lunar, e prepara-se para voltar à Terra, informou esta quinta-feira a Administração Espacial Nacional da China. "Às 22 horas de …

Seca obriga Namíbia a por à venda 170 elefantes

A Namíbia, que se encontra em risco de seca, pôs à venda 170 elefantes vivos para reduzir o seu número no território, em parte devido ao crescente conflito entre humanos e animais desta espécie ameaçada …

Benfica 4 - 0 Lech Poznań | “Saco cheio” rumo ao apuramento

Um, dois, três e quatro. Foram estes os golos – apontados por Vertonghen, Darwin Núñez, Pizzi e Weigl – que o Benfica marcou na goleada que aplicou na noite desta quinta-feira ao Lech Poznań, num …

Cientistas encontram evidências de uso de drogas psicadélicas numa caverna com arte rupestre

Uma flor vermelha redemoinhada rabiscada numa parede de uma caverna há cerca de 400 anos é a primeira evidência definitiva de que os nativos norte-americanos consumiam drogas psicadélicas em locais de arte rupestre. Descoberta na caverna …

Musk queria batizar a sua tequila de "Teslaquila", mas o México disse que não

O multimilionário Elon Musk, CEO da Tesla e da Space X, quis batizar a sua tequila de "Teslaquila", mas as autoridades mexicanas impediram a utilização do nome, invocando os direitos do uso da palavra e …

Namíbia acaba de eleger um deputado chamado Adolf Hitler. É ativista e "anti-apartheid"

A Namíbia acaba de eleger nas eleições regionais um deputado chamado Adolf Hitler, um conhecido ativista e "anti-apartheid" em Uunona, a sua cidade natal, localizada no norte do país africano. "Adolf Hitler teve uma vitória …

Empresário de media pró-democracia preso por acusação de fraude em Hong Kong

O dono do jornal antigoverno Apple Daily, Jimmy Lai, conhecido pela luta pela democracia em Hong Kong, foi detido sem fiança, acusado de irregularidades no contrato de 'leasing' do edifício onde está o órgão de …

Novos drones de resgate usam Inteligência Artificial para encontrar pessoas perdidas na floresta

Em situações em que as pessoas se perdem na floresta, o tempo é essencial para resgatá-las, pois quanto mais tempo ficam perdidas mais perigosa a situação se torna. Mas será que existem todas as ferramentas …