Dois padres condenados a 45 e 42 anos de prisão na Argentina por abusos sexuais de menores surdos

Dois padres foram condenados a mais de quarenta anos de prisão por agressão sexual grave contra meninos surdos no Instituto de Ensino Próvolo, de Mendoza, num caso que abala a Igreja católica argentina.

Os padres Nicola Corradi e Horacio Corbacho foram condenados a 45 e 42 anos por abusos sexuais de menores com deficiência auditiva do Instituto Antonio Próvolo da cidade de Mendoza, de acordo com o jornal Clarín. O Tribunal Penal Colegiado 2 condenou ainda um jardineiro a 18 anos de prisão.

Este foi o primeiro julgamento de uma grande investigação que aponta ao Instituto Próvolo. A sentença, conhecida esta segunda-feira, ditou ainda que o Ministério da Saúde de Mendoza deve acompanhar as vítimas e a garantir medidas reparadoras.

Algumas das atrocidades sexuais foram denunciadas há três anos, sendo que a primeira remonta a 26 de novembro de 2016, altura em que o Instituto Próvolo, em Mendoza, mil quilómetros a oeste de Buenos Aires, foi fechado. O julgamento evitou que os arguidos, que estavam em prisão preventiva, saíssem em liberdade, segundo o jornal La Nación.

Uma das vítimas que narrou os abusos, Ezequiel Villalonga, atualmente com 18 anos, disse à AFP no início do processo judicial que “a vida ali dentro [do instituto] era muito má”. “Nós não aprendíamos nada, não tínhamos comunicação, não sabíamos língua gestual, escrevíamos e não sabíamos o quê, perguntávamos a outros companheiros e, também, ninguém, entendia nada”, disse Villalonga.

Uma dezena de vítimas esteve esta segunda-feira no tribunal para escutar a sentença que é considerada como um grande golpe à igreja católica.

Em declarações ao jornal norte-americano The Washington Post, Ariel Lizárraga, o pai de uma das vítimas abusadas no Instituto Próvolo, nos anos 2000, mostrou-se aliviado com a sentença. “Não tem ideia de como isto é importante para nós e para o mundo”, disse. “A igreja tem tentado esconder estes abusos. Mas estes padres violaram e abusaram das nossas crianças. Das nossas crianças surdas! Hoje, o tabu contra acusar padres pára aqui.”

Nicola Bruno Corradi Soliman, um padre italiano de 83 anos, Horacio Hugo Corbacho Blanck, um padre argentino de 59, e o jardineiro Armando Ramón Gómez Bravo, de 49, foram condenados por 25 crimes de abuso sexual simples e agravado, de acordo com o semanário Expresso.

As sedes do Instituto Próvolo em La Plata, na Argentina, e Verona, em Itália, que teriam como objetivo ensinar crianças com deficiência auditiva ou distúrbios de linguagem, são também alvo de acusações de abusos, por isso encontram-se também sob investigação.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE