Documentário da Netflix reacende debate sobre os milhares de tigres em cativeiro nos Estados Unidos

(cv) Netflix

A minissérie documental da Netflix “Tiger King: Morte, Caos e Loucura” veio reacender o debate sobre os grandes felinos que estão em cativeiro, frisando que há cerca de 10.000 espécimes nestas condições nos Estados Unidos.

A série documental, que conta com sete episódios, estreou a 20 de março na plataforma de streaming e desde logo ocupou os lugares cimeiros das produções mais vistas da Netflix em Portugal e um pouco por todo.

Joseph Allen Maldonado-Passage, Joe Exotic, é a figura central do documentário, que mostra o seu jardim zoológico privado no Oklahoma, um dos maiores dos Estados Unidos – tem mais de duas centenas de grandes felinos e vários outros animais selvagens.

A trama, que aborda a história de vida de Joe Exotic e de outros proprietários de zoos privados, trouxe a público o debate sobre os grandes felinos em cativeiro.

Mas Allison Skidmore, candidata a doutoramento da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, na área do tráfico de vida selvagem, teme que o documentário não tenha chamado suficientemente à atenção sobre o problema destes animais.

Em declarações ao portal The Conversation, a especialista refere que não é fácil precisar ao certo quantos destes animais é que vivem em cativeiro, uma vez que a maioria dos tigres em cativeiro é híbrida, isto é, não são identificados como uma das seis subespécies de tigre – o tigre de Bengala, o tigre de Amur, o tigre do Sul da China, o tigre de Sumatra, o tigre da Indochina e o tigre da Malásia – , sendo antes categorizados como “genéricos”.

Allison frisa que menos de 5% dos tigres – ou seja, 350 espécimes – em cativeiro são controlados pela Association of Zoos and Aquariums, uma organização sem fins lucrativos que credencia este tipo de animais em solo norte-americano.

Todos os outros, lamenta, são tigres de propriedade privada, os considerados tigres “genéricos”, que não são controlados por nenhuma instituição especializada e que ficam, por isso, fora da supervisão federal.

“Não há requisitos legais para registar estes tigres genéricos, nem um banco de dados nacional abrangente para rastreá-los e acompanhá-los. O palpite mais bem educado revela que existem cerca de 10.000 tigres em cativeiro nos Estados Unidos, elevado a população global de tigres nestas condições para 25.000″.

Em termos de comparação, existem menos de 4.000 tigres em liberdade na natureza – bem logo dos 100.000 identificados há um século.

Leis vagas e complicadas

Na mesma resposta dada ao portal The Conversation, Skidmore explica que a legislação sobre a posse de animais selvagens nos Estados Unidos é vaga e complicada.

Na prática, continua, não existem estatutos ou regulamentos federais que proíbam de forma clara e expressa a propriedade privada destes animais selvagens. As jurisdições estaduais e locais receberam autoridade nesta matéria, tendo algumas proibido a posse e outras exigido uma permissão específica.

Ao todo, existem 32 estados norte-americanos que proíbem total ou parcialmente a posse destes animais. Outros 14 estados permitem a propriedade desde que existam uma licença ou uma permissão. Há ainda quatro estados norte-americanos – Alabama, Wisconsin, Carolina do Norte e Nevada – sem qualquer regulamentação ou supervisão.

Mesmo nos estados onde a proibição foi decretada, é possível contornar a lei, segundo Skidmore. “Mesmo nos estados que proíbem a propriedade privada, há falhas. Por exemplo, em todos os estados, exceto em três, os proprietários podem solicitar a chamada “licença federal de expositor”, que é notavelmente barata e fácil de obter e contorna as leis estaduais ou locais mais rigorosas em vigor”.

Por último, a especialista recorda ainda que as redes sociais, onde se têm multiplicado centenas de imagens de pessoas junto a grande felinos são um problema, uma vez que mascaram o facto de a espécie estar sob ameaça.

“Posar com tigres redes sociais como o Instagram e em aplicações de encontros tornou-se num grande problema. Não só pode representar um risco para a saúde e segurança de humanos e tigres, como também promove uma falsa narrativa”.

“Se vemos milhares de fotografias de pessoas com tigres em cativeiro, estamos a mascarar o verdadeiro problema dos tigres em perigo na natureza (…) A realidade dos tigres selvagens ficou escondida por trás da pompa e circunstância das redes sociais. E esta situação marginaliza as ideias de conservação e a verdadeira situação dos tigres como um dos grandes felinos mais ameaçados”.

A série, que rapidamente se tornou num sucesso mundial, terá, na próxima semana um novo episódio, revelou Jeff Lowe, um dos donos do zoológico que participou na produção.

Quanto ao debate sobre a propriedade e conservação destes animais, certamente continuará.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Diário de oficial nazi revela localização de tesouro escondido na Polónia durante a 2.ª Guerra Mundial

Um diário que esteve na posse de uma sociedade secreta durante décadas contém um mapa que descreve a localização de mais de 30 toneladas de ouro escondidas pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial. Escrito há …

"Pés de café" ajudam robôs a andar mais rápido (e sem tropeçar)

Uma das principais aplicações para robôs com pernas é a exploração de locais de desastre. No entanto, para atravessar os escombros, estas máquinas precisam de ter "pés" firmes. Uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia, …

Famalicão 2-1 FC Porto | Dragões falham reentrada

O FC Porto ficou hoje com a liderança da I Liga portuguesa de futebol em risco, ao perder em casa do Famalicão, por 2-1, na 25.ª jornada, que marca o regresso após a paragem devido …

Empresas chinesas compram soja dos EUA apesar de suspensão imposta pelo Governo

Empresas estatais chinesas terão comprado pelo menos três carregamentos de soja aos Estados Unidos (EUA), mesmo após o Governo ter levantado uma suspensão. Esta surgiu depois de Washington afirmar que terminaria com o acordo comercial …

Musk quer bombardear Marte. Pode ser só um "pretexto" para enviar armas nucleares para o Espaço

O plano de Elon Musk de bombardear Marte é apenas um pretexto para o lançamento de armas nucleares para o Espaço, disse o diretor da agência espacial russa Roscosmos, Dmitry Rogozin. Bombardear Marte para tornar o …

Quase 20 mil toneladas de combustível derramadas em rio na Rússia

https://cache-igi.cdnvideo.ru/igi/video/2020/6/2/%D0%BD%D0%BE%D1%80%D0%B8%D0%BB%D1%8C%D1%81%D0%BA.mp4 Quase 20 mil toneladas de combustível foram acidentalmente derramadas num rio no extremo norte da Rússia, levando as autoridades a declarar uma situação de "emergência" e levantando preocupações entre ambientalistas e residentes. Em comunicado, a associação …

Mais verde e mais barato. Suécia segue a Alemanha e instala a primeira turbina eólica de madeira

A Suécia instalou uma nova e interessante turbina eólica: uma torre construída em madeira. A Alemanha também já tem esta nova tecnologia. Construída a partir de materiais de fontes sustentáveis e que oferecem desempenho comparável às …

Já não mostra só as filas do supermercado. App "Posso ir?" também diz se pode ir à praia

A aplicação móvel que permite aos utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados também mostra como está a praia. Agora, a aplicação "Posso ir?" vai também dizer-lhe se é ou não prudente ir dar …

Discurso xenófobo. Na Áustria, "a islamofobia tornou-se uma forma dominante de racismo"

A Áustria regista um aumento preocupante do discurso xenofóbico, em particular em relação aos muçulmanos e refugiados, alerta um relatório do Conselho da Europa. A Comissão do Conselho da Europa contra o Racismo e a Intolerância …

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia é uma invenção

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia de coronavírus é uma invenção, de acordo com uma pesquisa realizada pela Escola Superior de Economia de Moscou (HSE). Segundo avançou o site de notícias RBC, citado …