/

A dieta vegetariana pode estar associada a altos níveis de depressão

4

Um novo estudo revela que a dieta vegetariana pode estar associada a níveis mais altos de depressão. A pesquisa envolveu quase 50 mil pessoas.

A pesquisa foi realizada com base em estudos existentes que ligam o abandono do consumo de carne a um aumento da probabilidade de depressão, mas o motivo permanece indefinido, escreve o IFL Science.

Os investigadores Sebastian Ocklenburg e Jette Borawski realizaram uma meta-análise em grande escala a estudos que já tinham sido publicados e compararam os níveis de depressão de pessoas que são vegetarianas com os de pessoas que têm uma alimentação dita normal. Os resultados foram publicados no Journal of Affective Disorders.

Na pesquisa foram incluídos cerca de 8.057 vegetarianos e 41.832 não vegetarianos. Embora a amostra fosse ampla, muitos dos participantes eram provenientes de países semelhantes e, como tal, a diversidade dentro do estudo seria relativamente baixa.

Confrontados com este problema, os especialistas acabaram por usar um programa estatístico para analisar os estudos, com o objetivo de encontrar dados suficientes para serem considerados significativos, sendo que acabaram por descobrir 13 estudos que se encaixavam nas suas necessidades.

Ao analisar todos os estudos, os investigadores descobriram um aumento significativo nos níveis de depressão de vegetarianos em comparação com não vegetarianos.

No entanto, embora os dados tenham sido significativos, também houve heterogeneidade significativa nos estudos analisados, indicando que pode não ter havido uma conclusão unânime.

Assim, os autores deixaram claro no seu artigo que não pretendem tirar conclusões com base nos resultados pois ainda não está claro se a ligação é causal.

Por exemplo, num estudo incluído na análise, os resultados indicaram que, na maioria das vezes, as pessoas que apresentam sintomas depressivos começaram a sua dieta vegetariana após o início do transtorno, o que sugere que não se tratou de um vínculo causal.

Nesse estudo, é ainda indicado que a depressão pode tornar o indivíduo mais preocupado com a saúde, levando-o ao vegetarianismo. Outra explicação é o facto de a depressão aumentar os sentimentos de empatia pelos animais.

Com um vínculo significativo estabelecido, os autores aguardam agora mais pesquisas para conseguirem retirar conclusões mais certeiras.

O primeiro passo, refere a equipa, seria incluir mais países nos estudos, pois há um claro viés em muitas das pesquisas.

  ZAP //

4 Comments

  1. Pode ser que a depressão lhes dê para manterem as florestas limpas de vegetação, assim nem tudo já será negativo!

  2. A SÉRIO??
    Kkkk “sentimentos de empatia pelos animais…” kkkk Já dizia Aristóteles fora da Cidade (que é o mesmo que dizer fora da civilização) ou Deuses ou animais. Os animais não pertencem á civilização! Quem tiver sentimentos de empatia pelos animais que vá viver para fora da Cidade!!

    • O que não pertence à civilização são agresões totalmente desnecessárias a seres indefesos. Chama-se amor.

      Desde a antiguidade grega que Pitágoras defendia uma dieta vegetariana.

  3. É verdade que a agressão a animais é deprimente…

    Penso ser difícil tirar conclusões deste tipo de estudos, como foi referido no vosso artigo.

    As pessoas não faziam exercício físico? Não meditavam? São duas coisas que facilmente combatem a depressão.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.