“A produção de carne em si não é o problema”. Uma dieta global sem carne não resolverá a crise climática, dizem cientistas

Daniil Nenashev / World Bank

Apesar de se acreditar que uma dieta sem ou com uma menor quantidade de carne é mais saudável para a saúde e para o meio-ambiente, cientistas do Centro Internacional para a Agricultura Tropical argumentam que essa pode ser uma boa solução para os países industrializados – mas não para aqueles com baixos ou médios rendimentos.

Hoje em dia, e cada vez mais, as pessoas (principalmente as que moram em regiões industrializadas, como os Estados Unidos e a Europa) são geralmente incentivadas a comer menos carne e alimentos de origem animal, como parte de uma dieta mais saudável e com menos emissões prejudiciais.

No entanto, e de acordo com um estudo publicado recentemente na Environmental Research Letters, tais recomendações não são consideradas soluções universais, tendo em conta que existem países não industrializados, cujos rendimentos e dieta dependem da pecuária.

Vários relatórios “argumentam que a principal solução para a crise climática e de saúde humana global é comer pouca ou nenhuma carne, mas isso é uma solução tendenciosa para os sistemas ocidentais industrializados”, disse Birthe Paul, principal autor do artigo e cientista ambiental da Alliance of Bioversity International e do Centro Internacional para a Agricultura Tropical (CIAT).

De acordo com o Phys, de toda a literatura científica sobre pecuária publicada desde 1945, apenas 13% se baseia em África, apesar do país abrigar 20%, 27% e 32% das populações globais de bovinos, ovinos e caprinos, respetivamente.

Oito dos dez principais institutos em todo o mundo que publicam artigos sobre pecuária situam-se nos Estados Unidos, França, Reino Unido e Holanda; apenas dois, incluindo o International Livestock Research Institute (ILRI), estão sediados em África, onde a pecuária é a espinha dorsal da economia e onde existem poucos dados disponíveis.

Os autores argumentam ainda que um foco singular nos impactos ambientais negativos relacionados com a pecuária ignora o papel crítico, porém positivo, que a pecuária desempenha nos serviços de ecossistema e renda em países não industrializados. Além disso, ignora ainda questões mais sistémicas sobre como são criados os animais.

“Sistemas mistos em países de baixo e médio rendimento, onde a produção animal está totalmente ligada à produção agrícola, podem, na verdade, ser mais sustentáveis ​​do ponto de vista ambiental”, disse An Notenbaert, da Alliance of Bioversity International e do CIAT.

“Na África Subsaariana, o estrume é um recurso nutritivo que mantém a saúde do solo e a produtividade das colheitas; já na Europa, as grandes quantidades de estrume criadas pela produção de gado industrializada estão a fertilizar as terras agrícolas em excesso e a causar problemas ambientais”, explicou.

Em toda a savana africana, os pastores fecham os seus rebanhos durante a noite – uma prática que aumenta a diversidade de nutrientes e os pontos de biodiversidade, enriquecendo a paisagem.

Além disso, a produção de ração em África é principalmente local, enquanto que em sistemas industrializados é normalmente importada.

No Brasil, a soja – um dos principais factores de desflorestação na Amazónia – é transformada num produto concentrado e exportada para alimentar animais em lugares como o Vietname e mesmo a Europa.

A produção de carne em si não é o problema. Tal como acontece com qualquer alimento, quando é produzido em massa e comercializado, o impacto no nosso meio-ambiente é multiplicado”, disse Polly Ericksen, líder do Programa de Sistemas Pecuários Sustentáveis ​​do International Livestock Research Institute.

“Eliminar a carne da nossa dieta não vai resolver o problema. Embora uma dieta com baixo teor de carne faça sentido em sistemas industrializados, não é uma solução climática geral e não se aplica em todo o lado”, acrescentou.

De acordo com a Organização para a Alimentação e a Agricultura, em 2028, o consumo de carne na África Subsaariana será de apenas 12,9 quilogramas por pessoa, devido ao baixo rendimento e ao stress térmico causado pelo clima nos animais – que terá implicações na saúde humana, como desnutrição e nanismo.

Por outro lado, o consumo de carne nos Estados Unidos deve aumentar e atingir mais de 100 quilogramas por pessoa – o maior do mundo.

Os autores reconhecem que os sistemas pecuários são conhecidos por serem uma das principais fontes de gases de efeito estufa. No entanto, é necessário recolher mais dados sobre os países de baixo e médio rendimento, para que se possam desenvolver estratégias de mitigação.

A equipa de investigadores insiste ainda na necessidade de tornar os animais mais produtivos e de procurar sistemas eficientes para reduzir ativamente as emissões da agricultura.

Entre as soluções por eles sugeridas destacam-se: a melhoria da alimentação animal para que os animais emitam menos gases de efeito estufa, como metano, por quilograma de leite ou de carne produzidos; pastagens mais eficientes e a mistura de agricultura e pecuária, que pode beneficiar os agricultores e o meio-ambiente.

“Melhores formas para reduzir as emissões globais de gases de efeito estufa causadas pela pecuária e agricultura em países de baixo e médio rendimento só podem ser encontradas se houver acesso a melhores dados”, disse Klaus Butterbach-Bahl, do Instituto de Meteorologia e Pesquisa Climática do Institute of Meteorology and Climate Research, Atmospheric Environmental Research (IMK-IFU), Karlsruhe Institute of Technology (KIT) e ILRI.

“Para isso, precisamos de mais – e não menos – pesquisa localmente adaptada e multidisciplinar junto da população local de países de baixo e médio rendimento, estudos sobre o desenvolvimento sustentável da pecuária, com todos os incentivos financeiros, políticas e capacidade para intensificar a produção de forma mais sustentável, em maior escala”, disse.

Sofia Teixeira Santos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Sonho que se tornou pesadelo". Fernando Santos admite mudanças no onze

O selecionador Fernando Santos disse hoje que Portugal vai carimbar a passagem aos ‘oitavos’ de final do Euro2020 e admite fazer mudanças na equipa para o encontro da derradeira jornada do Grupo F, com a …

Cientistas descobriram dois novos tipos de células cerebrais em ratos

Cientistas descobriram dois novos tipos de células gliais, um tipo de células do sistema nervoso central que dá suporte ao cérebro, em ratos. De acordo com o site EurekAlert!, investigadores da Universidade de Basileia, na Suíça, …

As bactérias intestinais podem influenciar a gravidade de um AVC

Uma equipa de investigadores da Cleveland Clinic, nos Estados Unidos, descobriu uma nova associação cérebro-intestino que está a surpreender a comunidade científica. Os resultados do estudo mostram como um metabólito produzido por bactérias intestinais pode amplificar …

O icónico Tamagotchi está de volta, mas desta vez em forma de smartwatch

No ano em que se celebram os 25 anos do Tamagotchi, surge uma nova versão do icónico brinquedo. O Smart é um Tamagotchi na forma de um relógio inteligente, para se usar no pulso. O …

Rã com olhos vermelhos descoberta no Equador. Chama-se Led Zeppelin

Os seus olhos vermelhos cativaram os investigadores, que decidiram batizar de Led Zeppelin uma nova espécie de rã terrestre descoberta no Equador. A Pristimantis ledzeppelin foi descoberta pelos equatorianos David Brito e Carolina Reyes, cientistas do …

Itália 1 - 0 País de Gales | “Azzurri” vencem mas galeses apuram-se

Imparável! Com o apuramento para os “oitavos” já no bolso, a Itália entrou em campo com nada mais, nada menos do que oito mexidas em relação à equipa que tinha iniciado o último jogo, frente …

Casa de banho do século XII encontrada em bar de tapas em Sevilha

Recentemente, um grupo de trabalhadores encontrou uma casa de banho do século XII dentro de um bar de tapas espanhol. A descoberta está a ajudar a perceber como era a vida em Sevilha na época. No …

Suíça 3 - 1 Turquia | Seferovic e Shaqiri “abrem o livro”

A Suíça venceu de forma categórica a Turquia por 3-1, afastou os turcos da prova e terminou o Grupo A no terceiro lugar, com quatro pontos, esperando agora pelo final da fase de grupos para …

Presidente eleito do Irão promete governo "revolucionário e anticorrupção"

O Presidente eleito do Irão, o clérigo ultraconservador Ebrahim Raissi, prometeu hoje formar um governo "trabalhador, revolucionário e anticorrupção", aludindo ao estrito cumprimento dos princípios do sistema teocrático do país. Num comunicado, Raissi apresentou-se como “um …

Na Coreia do Norte, um pacote de café pode chegar aos 80 euros

Residentes norte-coreanos dizem que uma pequena embalagem de chá preto ou um pacote de café podem chegar aos 60 e 80 euros, respetivamente. Esta semana, o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, reconheceu que o …