Diários de viagem revelam o lado racista de Einstein

(dr) Arthur Sasse / Nate D Sanders Auctions

Albert Einstein defendia que o racismo era “uma doença de pessoas brancas”, mas escreveu um diário no qual descreveu os chineses como um povo “imundo”.

Além dos contributos científicos, Albert Einstein é também lembrado por defender os direitos humanos, posicionando-se contra a discriminação. No entanto, certas passagens dos seus diários de viagens contradizem esta imagem de homem tolerante.

Os textos que escreveu durante visitas ao Japão, à China e ao Sri Lanka, contêm comentários xenófobos que só agora se tornaram conhecidos.

Num discurso proferido na Universidade Lincoln, nos Estados Unidos, em 1946, Einstein disse que o racismo era “uma doença de pessoas brancas”. Contudo, duas décadas antes, o prémio Nobel terá escrito num dos seus diários de viagens que os chineses eram “povo diligente, imundo, e obtuso”.

Estes textos não se destinavam a ser publicados. Mas, 90 anos depois, os cadernos foram traduzidos do alemão e publicados pela primeira vez em inglês pela Princeton University Press. Estes diários já tinham sido publicados em alemão, enquanto parte de uma coletânea de ensaios e trabalhos académicos de Albert Einstein, adianta o Público.

Seria “uma pena se os chineses suplantassem as outras raças”. Esta frase escrita por Einstein pode chocar muitos de nós, devido ao contraste “com a imagem pública do grande ícone humanitário”, explica Ze’ec Rosenkranz, responsável pela tradução do texto e diretor assistente do Projecto Einstein Papers, do Instituto de Tecnologia da Califórnia.

“É um pouco chocante lê-los e contrastá-los com as afirmações públicas. Estão mais desprotegidos, ele não os escreveu para serem publicados”, continua.

Além destes comentários xenófobos, o Nobel tece ainda comentários de “extrema misoginia” contra as mulheres chinesas: “pouca diferença entre homens e mulheres“.

“Notei a pouca diferença que há entre homens e mulheres e não percebo que tipo de atração fatal têm as mulheres chinesas que enfeitiçam os homens a tal ponto que são incapazes de se defenderem contra a bênção extraordinária da descendência”, escreveu.

Já em relação ao Sri Lanka, Einstein escreveu que os autóctones vivem “em grande imundice e grande fedor“, acrescentando que “fazem pouco e precisam de pouco”.

Os japoneses, porém, destacam-se ao receberem comentários mais positivos. “Os japoneses são modestos, decentes e muito atraentes. Almas puras, como ninguém. Uma pessoa ama e admira este país.”

Apesar do clima de intensa paixão pelo povo japonês, Einstein termina com um comentário depreciativo: “As necessidades intelectuais desta nação parecem ser mais fracas do que as necessidades artísticas – disposição natural?”, questiona.

Rosenkranz refere que os comentários de Albert Einstein em relação á alegada inferioridade dos japoneses, chineses e indianos podem ser vistos como racistas.

Ainda assim, embora as visões de Einstein fossem prevalentes à época, não eram universais, sublinha o editor. “Havia mais pontos de vista, e pontos de vista mais tolerantes. Parece que Einstein teve algumas dificuldades em reconhecer-se na face do outro”, conclui Rosenkranz.

ZAP // BBC

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Einstein pode ter cometido o pecado da generalização. Mas os seus comentários reflectem observações que fez. É muito provável que o Sri Lanka fosse uma imundice porque ainda o é nos dias de hoje.

  2. Rosenkranz refere que os comentários de Albert Einstein podem ser vistos como racistas e não que são racistas. Também podem ser não apreciações qualitativas sobre os povos asiáticos, mas meros apontamentos sobre condições e modos de vida sofríveis. São também, de acordo com a notícia, 20 anos anteriores às posições públicas de Einstein contra o racismo. Podemos conjeturar que Einstein nalgum momento da sua vida tenha tido alguma inclinação xenófoba ou racista, que terá corrigido entretanto.

  3. Simplesmente descreveu o que – com o seu espírito cientista – observou.
    E interrogou-se ao mesmo tempo.

    Meter tudo no mesmo saco do racismo, parece tendencioso e gratuito.

  4. É abismal o oportunismo redativo deste jornalista.
    Aqui quem cheira mal é quem escreveu tamanha enormidade, descontextualizada, abusiva e particularmente estupida.

  5. estao a esquecer que einstein provavelmente escreveu esse tipo de coisas quando se encontrava em territorio nazi ! provavelmente para ser bem visto pelos seus superiores nazis e ter mais chance de fuga para os eua

  6. Acusar de racismo algém que diz com muita precisão o que observa ou o que aparenta ser o comportamento dos outros é não só uma hipocrisia violenta, uma falsidade e
    muitíssimo pior que ser racista num tempo onde se sabe que isso pode prejudicar gravemente a imagem publica de alguém e em particular de um cientista que demonstrou ter preocupações ckm a humanidade acima da média.
    Fazer pseudo jornalismo negativo com erros de apreciações tão grosseiras sobre factos triviais e irrelevantes para se poder chegar a tão graves conclusões é mais do que ser grosseiro é já do foro criminal!

  7. Dizer que alguém é racista e xenófobo apenas por limitar a comentar observações evidentes é muito redutor e faccioso, então vejamos: ainda hoje se perguntarem a cidadãos europeus de origem asiática aquando das suas visitas às suas raízes ancestrais, uma das primeiras críticas que sai-lhes e espontaneamente e sem contornos, são exatamente as mesmas observadas por Einstein, e/ou ainda mais acentuadas na crítica á imundice. Lembro-me de um diálogo com um primo meu que conhece a Índia, após vermos o filme Goodbye Bombay, disse-me o seguinte: tu que ainda não visitaste a Índia, então ficas a saber – “isto é a Índia, só falta aquele cheiro nauseabundo”.

    PS – quem o diz é um descendente de pais asiáticos e Muçulmano, e não tenho qualquer preconceito anti Einstein, enquanto judeu, se bem que, como o Espinosa acreditava numa espécie de deus panteísta, que é a força matriz da origem do universo, mas não que Deus se preocupe com o destino dos judeus ou de quem quer que seja. Embora exista a tendência em se querer rejudaizar Espinosa, ao se pretenderem recuperá-lo, dizendo que se pode ter um certo grau de racionalismo e ceticismo, que até se pode ser afastado da comunidade como um herético, excomungado, e ainda assim fazer parte da tradição judaica. Esse dilema reflete-se nos debates
    sobre o judaísmo reformado, no século XIX e agora, e na identidade de Einstein (que dizia que era espinosista).

RESPONDER

Morreu o homem que impediu os nazis de desenvolver bomba atómica

Joachim Ronneberg, o norueguês que liderou a missão de sabotagem que impediu o desenvolvimento de armas nucleares pelos nazis durante a 2ª Guerra Mundial, morreu na segunda-feira, aos 99 anos. Nascido em 1919, na cidade de …

Vieira da Silva garante que "não há retirada de direitos" mas não esclarece reformas

Ministro do Trabalho e da Segurança Social garantiu que quem começou a trabalhar aos 20 anos vai poder reformar-se sem dupla penalização e os restantes serão abrangidos por um regime transitório que ficou por explicar. Numa …

Costa "é um artista", Passos inexperiente e demissão de Portas foi "inaceitável"

No segundo volume de memórias sobre os anos passados no Palácio de Belém, Cavaco Silva revela os bastidores da formação do Governo de "geringonça". Quinta-feira e outros dias será apresentado na quarta-feira, em Lisboa, pela …

CR7 quebra silêncio sobre caso de violação. É um "homem feliz"

O português Cristiano Ronaldo, futebolista da Juventus, disse nesta segunda-feira estar “feliz” e não quis responder a perguntas sobre o caso de alegada violação de Kathryn Mayorga, no qual afirmou que os advogados “estão confiantes”. “Estou …

OE2019. Governo diz a Bruxelas que está a aplicar a mesma política elogiada na UE

O Governo português respondeu esta segunda-feira à Comissão Europeia que a sua proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) segue a mesma política que é reconhecida como um sucesso pelas próprias instituições europeias, mercados …

PS adia pela 3.ª vez novas regras da habitação. Roseta demite-se em protesto

A coordenadora do grupo de trabalho parlamentar sobre a habitação, Helena Roseta, demitiu-se esta segunda-feira do cargo depois de as votações indiciárias sobre as novas regras da habitação terem sido adiadas pela terceira vez, a …

Presidente do Braga sem dinheiro para dívidas. Até a moradia onde vive é de ex-empregada

O presidente do Sporting de Braga, António Salvador, também empresário da construção civil, não tem bens no seu nome, nem dinheiro, para saldar uma dívida de mais de 400 mil euros. Até a moradia onde …

Exílio ou prisão. Bolsonaro promete “limpeza nunca antes vista” dos opositores

A poucos dias de uma vitória que parece quase garantida, o candidato da extrema-direita Jair Bolsonaro promete "limpar" o país dos "marginais vermelhos". O favorito na segunda volta das presidenciais, Jair Bolsonaro, fez afirmações incendiárias sobre …

Restos mortais de Khashoggi encontrados no jardim da casa do cônsul da Arábia Saudita

Os restos mortais do jornalista saudita Jamal Khashoggi terão sido encontrados esta terça-feira, avança a Sky News, no jardim da casa do cônsul da Arábia Saudita em Istambul. Partes do corpo do jornalista saudita Jamal Khashoggi …

Crowdfunding para financiar greve prolongada. Enfermeiros pedem 300 mil euros

Um grupo de cinco enfermeiros lançou uma campanha de angariação de fundos para apoiar os profissionais de enfermagem que adiram a uma greve prolongada nos blocos operatórios de três hospitais públicos. Os enfermeiros querem juntar 300 …