Desvendado o mistério da mancha no quadro de Munch

Universidade de Antuérpia

Pormenor da mancha no quadro "O Grito", de Edvard Munch

Pormenor da mancha no quadro “O Grito”, de Edvard Munch

Especialistas belgas e noruegueses desvendaram o mistério da mancha no quadro mais famoso de Edvard Munch, “O Grito” (1893), que tem intrigado o mundo da arte nas últimas décadas.

“Nos últimos anos do século XIX, Edvard Munch pintou quatro versões do ‘Grito’, uma pintura que hoje em dia é considerada uma obra-prima do Expressionismo”, explica Nils Ohlsen, um dos diretores do Museu Nacional da Noruega, em Oslo, onde se encontra o exemplar mais icónico da obra.

Esta versão tem algumas particularidades: além de ser considerado o exemplar mais antigo, tem uma série de manchas brancas na sua superfície, em especial uma mancha logo abaixo do ombro direito da figura que grita.

Alguns investigadores acreditavam que essa mancha esbranquiçada pudesse ser dejetos de pássaros, já que Munch costumava pintar ao ar livre, enquanto outros consideravam que o artista fez a marca intencionalmente.

Os respingos já ali estavam quando a pintura veio diretamente do estúdio de Munch para a coleção do museu, em 1910.

Universidade de Antuérpia

Edvard Munch expõe os seus quadros ao ar livre em Ekely

Edvard Munch expõe os seus quadros ao ar livre em Ekely

A investigadora Tine Frøysaker, da Universidade de Oslo, sempre desconfiou da teoria de que se tratava de caganitas de pássaro.

Em maio deste ano, a especialista em conservação convidou uma equipa de especialistas da Universidade de Antuérpia, na Bélgica, para identificar os materiais e técnicas usados por Munch na pintura – incluindo a misteriosa mancha.

Esta versão de “O Grito” foi sondada com um scanner de fluorescência de alta potência de raios-X Macro (MA-XRF) para descobrir como Munch construiu as suas camadas de tinta, e até mesmo levou uma amostra microscópica da substância branca para ser testada num acelerador de partículas.

Este equipamento, desenvolvido pelo grupo de trabalho AXES, tem sido utilizado para resolver grandes mistérios da arte, analisando pinturas de artistas como Van Eyck, Rubens e Van Gogh.

Universidade de Antuérpia

O scanner MA-XRF da Universidade de Antuérpia analisou o quadro "O Grito", de Edvard Munch

O scanner MA-XRF da Universidade de Antuérpia analisou o quadro “O Grito”, de Edvard Munch

Os investigadores descobriram tratar-se de uma marca de cera, que provavelmente escorreu de alguma vela no estúdio de Munch. As manchas encontram-se no topo da tinta, e foi-se descascando ao longo do tempo sem danificar o trabalho.

Não foram identificados indícios anormais de chumbo, zinco ou cálcio, e as partículas das manchas estão mais próximos dos cristais de cera de abelha do que excremento de aves.

“Acho que já podemos dar o caso por encerrado no que toca aos excrementos das aves”, concluiu Geert Van der Snickt, da Universidade de Antuérpia.

AF, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas querem usar bombas nucleares para desviar asteróides (mas nem todas servem)

Os cientistas querem usar bombas para desviar asteróides que se aproximam perigosamente da Terra. Contudo, um novo estudo revelou que nem todas as bombas nucleares servem e é preciso escolher a correta. Uma colaboração entre o …

Astrónomos detetam ponte azul de estrelas (e está prestes a explodir)

Uma equipa de astrónomos descobriu uma nova região na Via Láctea repleta de estrelas azuis brilhantes e escaldantes que estão prestes a explodir. A equipa de cientistas estava a criar o mapa mais detalhado dos braços …

Não são só os humanos. Até os cães-guia podem vir a ser substituídos por robôs

A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) não ameaça apenas automatizar o trabalho dos humanos. Os cães-guia, que ajudam pessoas com deficiência visual a navegar com segurança pelo mundo, podem ser os seus próximos alvos. Uma equipa …

Laboratório investigado em Madrid depois de vídeo mostrar maus tratos a animais

Um laboratório em Madrid, Espanha, está a ser investigado por alegados maus tratos a animais, depois de uma inspeção confirmar as suspeitas de abuso filmadas por um antigo funcionário. O vídeo divulgado pela Cruelty Free International …

Equipa realiza primeiro transplante de traqueia do mundo. Pode reverter danos causados pela covid-19

Uma equipa de cirurgiões realizou o primeiro transplante de traqueia humana do mundo. A cirurgia foi feita numa mulher com graves danos no órgão, revelou o Hospital Mount Sinai, em Nova Iorque. A recetora do transplante …

Em 2020, os mais velhos renderam-se aos "animais de estimação pandémicos"

Uma nova investigação revelou que as famílias com crianças não foram as únicas a aderir à tendência dos "animais de estimação pandémicos" em 2020. Os mais velhos também não resistiram. Segundo a National Poll on Healthy …

Tramado por uma turfeira. Homem confessa assassinato, mas corpo encontrado tinha 1600 anos

O que tinha tudo para ser um casamento feliz, acabou em tragédia. Num estranho caso em que uma simples planta ditou o desfecho de uma investigação criminal. Em 1959, a retratista e entusiasta de viagens Malika …

"Projeto Bernanke". Google terá usado programa secreto para dar vantagem ao seu sistema de anúncios

A Google terá usado durante anos um programa secreto que usava dados de lances anteriores na bolsa de publicidade digital da empresa para dar ao seu próprio sistema de compra de anúncios uma vantagem sobre …

Para "proteger a verdade histórica", Rússia divulga documentos que revelam atrocidades nazis em Stalingrado

O Ministério da Defesa da Rússia divulgou documentos desclassificados que detalham atrocidades cometidas por soldados e oficiais nazis durante a II Guerra Mundial. A divulgação destes documentos, que foram publicados no site do Ministério da Defesa …

Espanha. Funcionários públicos podem trabalhar três dias em casa sem perder direitos

O Governo espanhol e os sindicatos de funcionalismo público chegaram, esta segunda-feira, a um acordo que prevê que os trabalhadores da Administração Pública podem trabalhar três dias por semana em casa com os mesmos direitos …