Desvendado o mistério da mancha no quadro de Munch

Universidade de Antuérpia

Pormenor da mancha no quadro "O Grito", de Edvard Munch

Pormenor da mancha no quadro “O Grito”, de Edvard Munch

Especialistas belgas e noruegueses desvendaram o mistério da mancha no quadro mais famoso de Edvard Munch, “O Grito” (1893), que tem intrigado o mundo da arte nas últimas décadas.

“Nos últimos anos do século XIX, Edvard Munch pintou quatro versões do ‘Grito’, uma pintura que hoje em dia é considerada uma obra-prima do Expressionismo”, explica Nils Ohlsen, um dos diretores do Museu Nacional da Noruega, em Oslo, onde se encontra o exemplar mais icónico da obra.

Esta versão tem algumas particularidades: além de ser considerado o exemplar mais antigo, tem uma série de manchas brancas na sua superfície, em especial uma mancha logo abaixo do ombro direito da figura que grita.

Alguns investigadores acreditavam que essa mancha esbranquiçada pudesse ser dejetos de pássaros, já que Munch costumava pintar ao ar livre, enquanto outros consideravam que o artista fez a marca intencionalmente.

Os respingos já ali estavam quando a pintura veio diretamente do estúdio de Munch para a coleção do museu, em 1910.

Universidade de Antuérpia

Edvard Munch expõe os seus quadros ao ar livre em Ekely

Edvard Munch expõe os seus quadros ao ar livre em Ekely

A investigadora Tine Frøysaker, da Universidade de Oslo, sempre desconfiou da teoria de que se tratava de caganitas de pássaro.

Em maio deste ano, a especialista em conservação convidou uma equipa de especialistas da Universidade de Antuérpia, na Bélgica, para identificar os materiais e técnicas usados por Munch na pintura – incluindo a misteriosa mancha.

Esta versão de “O Grito” foi sondada com um scanner de fluorescência de alta potência de raios-X Macro (MA-XRF) para descobrir como Munch construiu as suas camadas de tinta, e até mesmo levou uma amostra microscópica da substância branca para ser testada num acelerador de partículas.

Este equipamento, desenvolvido pelo grupo de trabalho AXES, tem sido utilizado para resolver grandes mistérios da arte, analisando pinturas de artistas como Van Eyck, Rubens e Van Gogh.

Universidade de Antuérpia

O scanner MA-XRF da Universidade de Antuérpia analisou o quadro "O Grito", de Edvard Munch

O scanner MA-XRF da Universidade de Antuérpia analisou o quadro “O Grito”, de Edvard Munch

Os investigadores descobriram tratar-se de uma marca de cera, que provavelmente escorreu de alguma vela no estúdio de Munch. As manchas encontram-se no topo da tinta, e foi-se descascando ao longo do tempo sem danificar o trabalho.

Não foram identificados indícios anormais de chumbo, zinco ou cálcio, e as partículas das manchas estão mais próximos dos cristais de cera de abelha do que excremento de aves.

“Acho que já podemos dar o caso por encerrado no que toca aos excrementos das aves”, concluiu Geert Van der Snickt, da Universidade de Antuérpia.

AF, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Quase 40% dos americanos com dificuldades financeiras. Doar sangue é a sua maior receita

A economia dos Estados Unidos (EUA), considerada uma das maiores do mundo, permitiu avanços sociais e tecnológicos inestimáveis. Contudo, atualmente, cerca de 40% dos norte-americanos afirmam ter dificuldade em pagar por comida, por habitação, por …

"Políticos devem ser colocados contra a parede". Greta pede desculpa

A ativista do clima Greta Thunberg pediu desculpa por ter dito que os políticos devem ser colocados “contra a parede”, após diversas pessoas terem considerado que a jovem estava a defender a violência. A sueca de …

Carnaval belga retirado da lista de Património Imaterial da UNESCO após queixas de antissemitismo

As festas da cidade de Aalst, na Bélgica, foram retirada da lista do Património Imaterial da Humanidade, depois de a UNESCO ter sancionado a presença de carros carnavalescos contendo imagens antissemitas. O presidente da Câmara …

Conselho de Ministros aprova proposta de OE2020 (e foram quase 10 horas de reunião)

O Conselho de Ministros aprovou hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2020, dez horas depois de a reunião extraordinária ter começado, anunciou hoje o primeiro-ministro na sua página na rede social Twitter. "O Conselho …

Nova espécie de baleia mostra como este animal evoluiu para conseguir nadar

Cientistas descobriram uma nova espécie de baleia, que existiu há 35 milhões de anos, que pode dar novas pistas sobre como as baleias evoluíram para conseguir nadar. De acordo com a revista Newsweek, os investigadores analisaram …

Casal separado após sobreviver a Auschwitz reencontra-se 72 anos depois em Nova Iorque

Em 1944, David Wisnia e Helen "Zippi" Spitzer eram dois prisioneiros judeus e secretamente namorados que, miraculosamente, conseguiram sobreviver ao campo de concentração nazi Auschwitz, na Polónia. Porém, no final da guerra, foram separados depois de …

Benfica 4-0 Famalicão | Pizzi entrega saco cheio de Natal

O Benfica terminou o seu ano de Liga NOS com mais uma vitória, de novo por 4-0, tal como havia acontecido na anterior partida no Estádio da Luz, ante o Marítimo. Desta vez frente ao …

Morreu o ator Danny Aiello

Morreu esta quinta-feira, em Nova Jérsia, o ator Danny Aiello, que recordamos pelos seus muitos êxitos dos anos 80. Tinha 86 anos. "É com profunda dor que comunicamos que Danny Aiello, amado marido, pai, avô, ator …

Videojogo chinês incita jogadores a atacar os "traidores" em Hong Kong

Há um novo videojogo que está a ganhar popularidade na China. Chama-se "Fight the Traitors Together" e permite que os jogadores ataquem manifestantes de Hong Kong. No jogo, os jogadores podem bater nos manifestantes pró-democracia, sendo …

Mundial de Clubes proíbe demonstrações públicas de afeto

Começou na passada quarta-feira, dia 11 de dezembro, em Doha, capital do Catar, o Mundial de Clubes da FIFA, prova onde estão inseridos clubes como Flamengo e Liverpool. E esta até poderia ser mais uma …