Desvendado o enigma do precioso vidro do deserto da Líbia

Uma nova investigação acaba de dar resposta ao enigma do vidro da Líbia, que intriga cientistas há um século. O material, que chegou a ser utilizado pelo rei Tutankhamun, é fruto do impacto de um meteorito e não de uma explosão de ar atmosférico, tal como defendiam outros especialistas.

Para a investigação, cujos resultados foram esta semana publicados na revista científica Geology, a equipa examinou grãos minúsculos do mineral zircão em amostras de vidro recolhidas no deserto da Líbia, que se formaram há 29 milhões de anos e se estenderam por vários milhares de quilómetros quadrados a oeste do Egito.

O vidro em causa é composto quase unicamente por sílica pura e tem uma tonalidade amarelada. Foi este mesmo material que foi utilizado para fazer um besouro que faz parte do Peitoral do rei Tut, faraó egípcio que governou de 1336 a 1327 a.C.

O autor principal do estudo, Aaron Cavosie, disse que os zircões encontrados nas amostra de vidro preservam evidências da presença de um mineral de alta pressão, o reidite, que apenas se forma durante o impacto de um meteorito.

“[Este] tem sido um assunto de debate contínuo sobre se o vidro se formou durante o impacto de um meteorito ou se se formou durante uma explosão de ar, que ocorre quando os asteróides, chamados de Near Earth Objects, explodem e depositam energia na atmosfera da Terra”, explicou o especialista, citado em comunicado.

“Quer os impactos de meteoritos, quer as explosões de ar podem causar a fusão, no entanto, apenas impactos de meteoritos criam ondas de choque que formam minerais de alta pressão, portanto, encontrar evidências de reidite confirma que o vidro foi criado como resultado do impacto de um meteorito”, sustentou.

De acordo com Cavosie, a ideia de que o vidro poderá ter sido formando durante uma explosão atmosférica ganhou popularidade depois de uma grande explosão ter ocorrido na Rússia, em 2013. O fenómeno, que causou danos nos habitantes, não fez com que a fusão dos materiais à superfície ocorresse.

“Modelos anteriores sugeriram que o vidro do deserto da Líbia representava uma grande explosão de ar, mas os nossos resultados mostram que este não é o caso”, disse Cavosie.

“Impactos de meteoritos são eventos catastróficos, mas não são comuns. Já as explosões de ar, ocorrem com mais frequência, mas agora sabemos que não esperamos um evento de formação de cristais no deserto da Líbia num futuro próximo, o que é motivo para um certo conforto”, rematou o cientista.

A investigação contou também com a colaboração do diretor do Museu de História Natural de Viena, o professor Christian Koeberl.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Evento raro". Nasceu uma baleia-branca no maior aquário do mundo (e o momento foi gravado)

Whisper, uma baleia-branca de 20 anos, deu à luz uma cria saudável em 17 de maio após uma gravidez de 15 meses, marcando a chegada do mais novo cetáceo do Georgia Aquarium, numa altura em …

Telemóveis são uma ferramenta poderosa contra a desigualdade de género em África

Ao dar às mulheres acesso a informação que, de outra forma, era quase impossível de obter, os telemóveis estão a salvar e a transformar vidas. De acordo com o site IFLScience, o estudo responsável por esta …

Desde março, morreram mais de 100 elefantes no Botsuana. Ninguém sabe porquê

As autoridades do Botsuana estão a investigar a morte de 110 elefantes na região do Delta do Okavango desde março, anunciou esta semana o Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Turismo daquele …

Um robô aprendeu a fazer uma omelete. E ficou melhor do que o esperado

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, treinou um robô a preparar uma omelete. Para os investigadores, avaliar se um robô cozinhou uma refeição com sucesso é uma fonte interessante de …

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …