Descoberto o local onde se produzia o alimento mais popular do Império Romano

Em Israel, foi desenterrado um local da era romana e bizantina com dois mil anos com espaços industriais onde havia lagares e instalações “raramente descobertas” no leste do Mediterrâneo, onde era produzido molho de peixe, um produto popular entre os romanos. 

“Muito antes da massa e da pizza, a antiga dieta romana baseava-se principalmente em molho de peixe”, explicou, em declarações à ABC, a arqueóloga Tali Erickson-Gini, da Autoridade de Antiguidades de Israel.

Segundo a investigadora, o molho de peixe era, concretamente, um “condimento básico para comida em toda a bacia do Mediterrâneo” nas épocas romana e bizantina.

Os vasos de barro onde se colocava este molho, que se chamava garum e que era feito fermentando peixe azul – anchova, sardinha ou cavala – com salmoura concentrada e ervas aromáticas, estão entre os “poucos conhecidos” neste área e foram descobertas numa escavação de vários meses nos arredores de Ashkelon, uma cidade israelita perto da Faixa Palestina de Gaza.

A elaboração de garum costumava ser feita longe das áreas urbanas, uma vez que gerava odores muito fortes. De facto, o local “foi encontrado a cerca de dois quiómetros da antiga cidade de Ashkelon“, que era um centro urbano desenvolvido com um porto importante.

“Esta é uma descoberta rara na região”, disse Erickson-Gini, assegurando ainda que “mostra que o gosto dos romanos se espalhou por todo o império” e não se limitou a vestidos ou tendências estéticas, incluindo a adoção de hábitos alimentares.

O local romano acabou por ser abandonado, mas as boas condições para a viticultura ressurgiram no período bizantino. Uma comunidade cristã monástica ganhava a vida no mesmo lugar com a produção de vinho no século V. Prova disso são três vinícolas antigas encontradas perto de uma igreja.

Pouco sobreviveu do templo, embora os fragmentos encontrados mostrem que estava decorado com mármore e mosaicos elaborados. Nas proximidades, havia fornos para produzir jarros de vinho, o que parece indicar que o mosteiro se dedicava à sua exportação, sendo essa a sua principal fonte de renda. O local “foi abandonado novamente algum tempo após a conquista islâmica da região no século VII”.

Provavelmente, famílias nómadas ter-se-ão estabelecido ali mais tarde, em tendas, e “desmontaram as estruturas e venderam as suas várias partes como material de construção”, conclui Erickson-Gini.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal bateu recorde de vacinação no sábado. Foram administradas 120 mil vacinas

Este sábado, Portugal registou um recorde diário de pessoas vacinadas contra a covid-19. No total, foram administradas 120 mil doses da vacina. De acordo com os números avançados pela task force responsável pelo plano de vacinação, …

Os milionários estão a fugir de Nova Iorque

A cidade de Nova Iorque está a preparar-se para enfrentar para um êxodo dos seus residentes mais ricos após as autoridades terem aprovado um orçamento que fará com que paguem a maior taxa de impostos …

Costa recusa responder a Sócrates. Carlos César reafirma "tristeza" e "raiva"

O primeiro-ministro António Costa recusou responder às críticas feitas por José Sócrates. Carlos César, presidente do PS, reafirma o que disse em 2018. Este sábado, António Costa recusou responder às críticas feitas por José Sócrates e …

Cientistas sugerem que os gorilas não batem no peito apenas para se exibir

Os cientistas sugerem que o ato de bater no peito permite aos gorilas machos sinalizar o seu tamanho e assim evitar brigas desnecessárias. De acordo com o jornal The Guardian, cientistas que estudam gorilas-das-montanhas (Gorilla beringei …

Médicos alertam que Navalny pode sofrer paragem cardíaca "a qualquer momento"

Alexei Navalny está cada vez mais em risco de insuficiência renal. Médicos próximos do opositor russo alertam que pode sofrer uma paragem cardíaca "a qualquer momento". Médicos próximos do opositor russo Alexei Navalny, detido e em …

Perto de sequenciar 1 milhão de genomas, cientistas querem desvendar segredos genéticos

O projeto All of Us está a recolher informações genéticas, registos médicos e hábitos de saúde de mais de um milhão de pessoas. Os dados podem ser usados para desvendar segredos genéticos. O primeiro esboço do …

"Besta dos cinco dentes". Descoberta nova espécie de mamífero na Patagónia

Paleontólogos descobriram uma nova espécie de mamífero, com dentes peculiares, que viveu na Patagónia durante o período Cretáceo. De acordo com a agência Europa Press, os fósseis foram encontrados em Cerro Guido, na província chilena de …

Com os zoos fechados, tudo serve para entreter uma família de lontras. Até um simples galho de bambu

O confinamento serviu como um lembrete indesejado de que ficar preso dentro de casa sem muito o que fazer pode ser desgastante. O mesmo é verdade para os animais, por isso os jardins zoológicos tiveram …

Uma ilha, cinco géneros. Os Bugis têm palavras para as "cinco maneiras de estar no mundo"

Uma ilha, cinco géneros. O povo Bugis é um poderoso grupo étnico que se destaca pelo reconhecimento de cinco géneros distintos. Na Indonésia, a ilha Sulawesi é a casa de um povo que reconhece cinco …

O "aeroporto do amanhã" está abandonado no meio de um pântano dos Estados Unidos

Era para ser o "aeroporto do amanhã", um centro intercontinental para aviões supersónicos com seis pistas e conexões ferroviárias de alta velocidade para as cidades vizinhas. Hoje, é pouco mais do que uma pista no …