Dentes com 9,7 milhões de anos podem mudar a história da Humanidade

carlos_lorenzo / Flickr

Lucy, a mais famosa Australopithecus Afarensis, viveu há 3 milhões de anos

Uma equipa de arqueólogos descobriu, na Alemanha, fósseis de dentes com 9,7 milhões de anos, pertencentes a um grande macaco, que podem mudar o que sabemos sobre a história da Humanidade.

Estes fósseis foram encontrados no antigo leito do rio Reno, na cidade de Eppelsheim, perto de Mainz, na Alemanha ocidental. Aquilo que é surpreendente nestes dentes de um grande macaco é que são, pelo menos, quatro milhões de anos mais velhos do que os primeiros hominídeos que foram encontrados em esqueletos na Etiópia.

A descoberta coloca, assim, em causa a tese científica mais aceite de que os hominídeos, os antepassados dos humanos, deixaram África há cerca de 120 mil anos.

Recentemente, a descoberta de fósseis de uma nova espécie, familiar de macacos e de humanos, que datam de há 7,2 milhões de anos, também anunciou a hipótese de que o berço da humanidade não foi África, mas a Europa.

O conjunto de dentes – um primeiro molar superior direito e um canino superior esquerdo – já foi encontrado em 2016, ao lado dos vestígios de um animal semelhante a um cavalo, já extinto. Mas os cientistas ficaram tão espantados com a descoberta que adiaram a publicação do estudo durante um ano, para realizarem mais exames científicos.

“Não estávamos mesmo à espera desta tremenda descoberta”, salienta o director do Museu de História Natural de Mainz e líder das escavações, Herbert Lutz, em declarações ao Deutsche Welle.

A pesquisa foi, finalmente, publicada neste mês de Outubro no site ResearchGate. E não há dúvidas de que estamos perante dentes de macaco, mas ninguém sabe explicar de onde este grande macaco veio.

Lutz lembra que só há descobertas comparáveis em África e que estas são “muito, muito mais novas”. O arqueólogo refere-se aos dois primeiros hominídeos encontrados em esqueletos na Etiópia: a famosa Lucy (Australopithecus afarensis) e Ardi (Ardipithecus ramidus).

Os dentes descobertos na Alemanha assemelham-se aos de Ardi e Lucy, “mas têm apenas 2, 3, 4 ou 5 milhões de anos, o de Eppelsheim tem quase 10”, frisa Lutz. “Por isso, a pergunta é: o que aconteceu?“.

Para os mais entusiasmados com a descoberta, como é o caso do presidente da Câmara de Mainz, Michael Ebling, é já tempo de “começar a reescrever a história da Humanidade”.

Lutz é mais cauteloso. “Novas descobertas levam a novas ideias que podem contribuir para o conhecimento sobre a nossa própria história e esta descoberta tem esse potencial, porque as grandes espécies de macacos têm uma relação com o Homo Sapiens“, aponta.

O director do Museu de História Natural de Mainz também explica ao DW que estes fósseis, que podem assumir papel de destaque na história da Humanidade, foram encontrados numa altura em que as escavações estavam prestes a terminar, após 17 anos de pesquisas na zona. Foi “um tremendo golpe de sorte” e é, agora, “um grande mistério”, conclui o arqueólogo.

Susana Valente SV, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Onde dizem escrevem hominídeos deviam ter escrito outra coisa: os hominídeo incluem chimpanzés, gorilas e orangotangos, e é um grupo com, estima-se, 18 milhões de anos.

RESPONDER

Não são só os humanos. Até os cães-guia podem vir a ser substituídos por robôs

A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) não ameaça apenas automatizar o trabalho dos humanos. Os cães-guia, que ajudam pessoas com deficiência visual a navegar com segurança pelo mundo, podem ser os seus próximos alvos. Uma equipa …

Laboratório investigado em Madrid depois de vídeo mostrar maus tratos a animais

Um laboratório em Madrid, Espanha, está a ser investigado por alegados maus tratos a animais, depois de uma inspeção confirmar as suspeitas de abuso filmadas por um antigo funcionário. O vídeo divulgado pela Cruelty Free International …

Equipa realiza primeiro transplante de traqueia do mundo. Pode reverter danos causados pela covid-19

Uma equipa de cirurgiões realizou o primeiro transplante de traqueia humana do mundo. A cirurgia foi feita numa mulher com graves danos no órgão, revelou o Hospital Mount Sinai, em Nova Iorque. A recetora do transplante …

Em 2020, os mais velhos renderam-se aos "animais de estimação pandémicos"

Uma nova investigação revelou que as famílias com crianças não foram as únicas a aderir à tendência dos "animais de estimação pandémicos" em 2020. Os mais velhos também não resistiram. Segundo a National Poll on Healthy …

Tramado por uma turfeira. Homem confessa assassinato, mas corpo encontrado tinha 1600 anos

O que tinha tudo para ser um casamento feliz, acabou em tragédia. Num estranho caso em que uma simples planta ditou o desfecho de uma investigação criminal. Em 1959, a retratista e entusiasta de viagens Malika …

"Projeto Bernanke". Google terá usado programa secreto para dar vantagem ao seu sistema de anúncios

A Google terá usado durante anos um programa secreto que usava dados de lances anteriores na bolsa de publicidade digital da empresa para dar ao seu próprio sistema de compra de anúncios uma vantagem sobre …

Para "proteger a verdade histórica", Rússia divulga documentos que revelam atrocidades nazis em Stalingrado

O Ministério da Defesa da Rússia divulgou documentos desclassificados que detalham atrocidades cometidas por soldados e oficiais nazis durante a II Guerra Mundial. A divulgação destes documentos, que foram publicados no site do Ministério da Defesa …

Espanha. Funcionários públicos podem trabalhar três dias em casa sem perder direitos

O Governo espanhol e os sindicatos de funcionalismo público chegaram, esta segunda-feira, a um acordo que prevê que os trabalhadores da Administração Pública podem trabalhar três dias por semana em casa com os mesmos direitos …

Rara coleção de um dos primeiros fotógrafos da História vai a leilão nos EUA

Quase 200 imagens de um dos primeiros fotógrafos da história, William Henry Fox Talbot, vão a leilão, em Nova Iorque, já este mês. A coleção de William Henry Fox Talbot será parte do leilão "50 obras-primas …

Em greve de fome, Navalny é ameaçado ser alimentado à força. Ativistas falam em tortura

O opositor russo Alexei Navalny afirmou hoje na rede social Twitter que as autoridades penitenciárias estão a ameaçar alimentá-lo à força para quebrar a greve de fome que mantém na prisão desde 31 de março. “Ele …