Sá Carneiro, hipocrisia e maçonaria. Após troca de ataques, candidatos à liderança do PSD concordaram (mas pouco)

António Pedro Santos / Lusa

Rui Rio, Miguel Pinto Luz, Luís Montenegro

Os três candidatos à liderança do PSD trocaram esta quarta-feira acusações de hipocrisia e de maus resultados em diferentes momentos da história do partido, com Luís Montenegro e Miguel Pinto Luz a negarem pertencer à maçonaria, como sugeriu Rui Rio.

No primeiro debate entre os três candidatos às eleições diretas de 11 de janeiro, na RTP, o tom tornou-se rapidamente tenso, com o atual presidente, Rui Rio, de um lado, e os dois desafiadores, Luís Montenegro e Miguel Pinto Luz, do outro, quer fisicamente, quer nos argumentos.

“Eles os dois são conhecidos como sendo da maçonaria. Na maçonaria há pessoas por quem tenho todo o respeito, mas não consigo compreender como no pós-25 de Abril há necessidade de haver obediência secretas que não são devidamente escrutinadas”, afirmou Rio, no debate.

Na resposta, Montenegro assegurou que não pertence nem pertenceu à maçonaria e comparou Rio a um náufrago que “se agarra a uma boia furada”. “Você faz julgamentos com base em notícias, que é o contrário do que defende”, disse, citado pelo jornal Público.

Já Pinto Luz admitiu ter pertencido a esta entidade “quando tinha 20 e picos anos”, mas disse já ter saído há mais de dez anos. “Nunca me senti limitado na minha liberdade. Com a mesma liberdade que entrei, foi com a que saí, desde que tenho cargos públicos que não pertenço”, afirmou.

António Pedro Santos / Lusa

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio

O líder parlamentar e presidente do PSD defendeu no pasado domingo, em Aveiro, que a Maçonaria “está um pouco por todo o lado” e a tentar “condicionar a sociedade portuguesa”, atribuindo a essa organização motivações obscuras e pouco transparentes. “Não tenho dúvidas sobre isso. Aliás, se eu não dissesse isto, era um hipócrita. Todos nós sabemos isto e ninguém tem coragem para o dizer, mas eu digo-o”, afirmou-

O antigo líder parlamentar do PSD e o atual vice-presidente da Câmara de Cascais acusaram Rio de ter tido “dos piores resultados” da história do PSD nas europeias e legislativas e de ter seguido “uma estratégia errada”, com o presidente do partido a contrapor com os resultados que os seus adversários obtiveram.

“Estes dois senhores tiveram resultados eleitorais brilhantes: Luís Montenegro foi duas vezes candidato à concelhia de Espinho e não ganhou, uma vez à distrital de Aveiro e não ganhou, agora quer ganhar as legislativas, até acho que com maioria absoluta, e a Câmara de Lisboa. Os pergaminhos que apresenta são estes”, ironizou.

Quanto a Pinto Luz, Rio recordou que, quando foi presidente da distrital de Lisboa, o PSD teve maus resultados no distrito nas autárquicas de 2013 e 2017, com valores de 22% e 11% na capital.

O líder do PSD acusou ainda os seus adversários de hipocrisia por terem feito “uma guerrilha permanente” nos seus anos de mandato.

“O senhor é que não foi um líder agregador”, respondeu Montenegro, que devolveu as acusações de hipocrisia a Rio por ter montado “uma candidatura contra” Luís Filipe Menezes no Porto em 2013 e agora andar “de beijo na boca e braço dado” com o antigo autarca de Gaia.

Quem é mais “Sá Carneirista”?

De acordo com a TSF, não houve poucas referências a Sá Carneiro, cujo 39.º aniversário de falecimento coincidiu com o debate do PSD na RTP. A certa altura, os candidatos começaram a lutar para ver quem era mais “Sá Carneirista”.

Pinto Luz acusou Rio de fazer com que o PSD perca “o ímpeto reformista” e até pegou num livro de Sá Carneiro para oferecer ao líder do partido. Falando do fundador do partido, de Cavaco Silva e de Pedro Passos Coelho como líderes que ultrapassaram o impasse em que o país estava, Pinto Luz disse que chega para “unir o PSD” com um projeto mobilizador e reformista.

José Sena Goulão / Lusa

Miguel Pinto Luz, candidato à liderança do PSD

Montenegro, que também trazia o livro “Impasse” de Sá Carneiro, chegou mesmo a ler uma passagem: “dispondo o governo de apoio parlamentar maioritário, o nosso papel, como oposição, deve ser o da crítica exigente e não o da cooperação em nome do interesse nacional, pelo contrário, a defesa deste exige de nós que desempenhemos o papel habitual de oposição em democracia, denunciando erros, apontando defeitos, apontando soluções alternativas, mas não negociando o conteúdo das leis, não efetuando acordos pontuais ou globais, não transigindo com a política do governo”. “É isso que me proponho fazer”, disse Montenegro.

Rio sublinhou que neste ponto tem uma “divergência real” e lembrou que Sá Carneiro tentou uma “convergência democrática com o PS” e, como não conseguiu, fê-la com o CDS.

Convergências: Orçamento, transportes e sistema fiscal

O Orçamento do Estado foi uma convergência no debate, mas apenas entre dois dos candidatos. Montenegro é o único que votaria contra a proposta de Orçamento do Estado do governo, com Miguel Pinto Luz e Rui Rio a admitirem que é difícil aprová-lo, mas que esperam para ver o documento.

Tiago Petinga / Lusa

Luís Montenegro, candidato à liderança do PSD

“Alguém acredita que os OE do PS vão desdizer o que está no programa do PS?”, questionou Montenegro. “Não temos ilusões, o PS não quer fazer entendimentos estruturais connosco”.

Miguel Pinto Luz criticou o peso do Estado na economia, dando o exemplo dos transportes. Luís Montenegro sublinhou “a maior carga fiscal de sempre” com a degradação dos serviços públicos a acontecer em paralelo, principalmente na saúde. Rui Rio criticou o modelo económico socialista que deveria trazer “mais receita por via de maior crescimento económico e não por maior carga fiscal”.

“Temos de virar o país para as exportações e para o investimento, mas temos de desafogar as famílias desta maior carga fiscal de sempre, temos de simplificar o sistema fiscal e dar previsibilidade. Às vezes, é melhor para o investidor dar-lhe previsibilidade do que uma baixa carga fiscal”, sintetizou Miguel Pinto Luz.

O debate terminou ao fim de 50 minutos. As eleições internas do Partido Social Democrata estão marcadas para 11 de janeiro.

MC, ZAP // Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Eu vi o programa portanto não vou ler, vou escrever, então é assim:
    Dois candidatos mais jovens que Rui Rui, porém, a puxarem pela teoria Sá “Carneirista”, este Senhor Sá, esteve bem, mas foi num tempo agora estamos em outro tempo, e RR e muito bem, aproveita o que tem de bom, e lima com o que tem de novo, assim se constrói.
    Não deixa de ter piada, os dois mais novos e exaltarem sempre, Sá Carneiro, qual líder ou militante comunista a pedir que Dr. Cunhal volte… Serio?
    Por mim e para mim é Rui Rui, caso contrário, CHEGA:

  2. Desta senhora (Albertina Correia), só tenho visto comentários imbecis. “Chega” minha senhora, tem todo o direito a ter a sua opinião, mas não consegue discernir um pouquinho mais? É por chegas desta natureza, que vivemos duas guerras Mundiais, e muitos milhões foram assassinados. Tenha juízo e chegue-se para lá, de preferência experimente o Brasil que deve estar próximo dos seus ideais nacional socialistas.
    De referir que concordo com a opinião sobre Rui Rio.

    • Se o senhor (ou senhora), escreveu um comentário apenas para chamar outra pessoa de imbecil que o senhor(a) não conhece de lado nenhum deixe-me dizer que de muito imbecil tem o senhor(a) e o seu comentário. Um conselho, rasteje lá para o seu buraco e lembre-se que o respeito é bonito e só lhe fica bem. Que eu saiba ainda vivemos em democracia e as pessoas têm o direito de ter e expressar a sua opinião mesmo que seja uma com que o senhor(a) não concorde.

  3. De que serve e a quem serve, vir para a praça pública, através dos meios de comunicação Social discutir as questões internas de um Partido? Não bastam as campanhas eleitorais para procurar cativar os votos das pessoas? Enfim! Entendam-se…O PSD é um grande partido… Agora na oposição mas será sempre a melhor opção do centro – direita… Deixem-se de “tricas sem importância significativas”… Rui Rio é um líder que foi eleito democráticamente e como tal deve ser respeitado… Desta luta interna que está decorrendo, o líder vencedor deve ser sempre respeitado até final do mandato ou mandatos…

  4. Pessoalmente acho que o Rui Rio entrou num 4-3-3, citando as derrotas ao longo da história dos seus oponentes, e a dada altura teve de optar por um 5-4-1 quando os dois adversários se juntaram nomeadamente pelas perseguições internas, etc.
    No segundo momento as equipas encaixaram e pareciam jogar todos para o mesmo lado num tradicional 4-4-2.
    Jogo fraco, com um ritmo inicial interessante mas que depois se repercutiu em falta de pernas na segunda metade. O VAR deveria ter sido chamado para analisar o lance da Maçonaria. Arbitragem sem reparos. Nota positiva.

  5. Triste espectáculo que os candidatos a Presidentes do PPD estão a dar, o PPD não merecia esse espectáculo, deviam era centrar se no que querem que o PPD seja e o que pretendem apresentar nas eleições aos portugueses que ideias têm para o País que propostas têm e como as por em prática, os portugueses não querem saber das guerras e guerrinhas dentro dos partidos seja ele o PPD,PS,CDS, ou mesmo os restantes partidos na A.R. O espectáculo que estão a dar só mostra que qualquer um quer é chegar ao poleiro.

RESPONDER

Novo recorde: SNS24 recebeu mais de 23 mil chamadas só esta segunda-feira

O centro de contactos SNS24 bateu um novo recorde de atendimentos no dia 19 de outubro, com 23.373 chamadas atendidas, revelaram os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) ao Público. Os picos de chamadas …

Israel descobre túnel escavado desde a Faixa de Gaza

"O túnel, com várias dezenas de metros de comprimento, foi escavado em Khan Younès, no sul da Faixa de Gaza, e entra no território israelita", afirmou o porta-voz do exército, Jonathan Conricus, durante uma conferência …

Lei aprovada no Parlamento pretende facilitar prescrições de multas a partidos políticos

O projeto foi aprovado na generalidade no Parlamento, e está em discussão na especialidade. A Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) teme os efeitos da nova legislação sobre as prescrições de multas a partidos …

Noiva de Khashoggi processa príncipe herdeiro saudita

Hatice Cengiz, noiva de Jamal Khashoggi, colocou um processo contra o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman e outros alegados mentores do assassínio. A noiva do jornalista Jamal Khashoggi, assassinado na Turquia em outubro de …

Papa Francisco defende pela primeira vez uniões de facto para casais homossexuais

O Papa Francisco defendeu a regulação do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, afirmando que os homossexuais têm direito a constituir família. "Homossexuais têm o direito de constituir família. São filhos de Deus", defendeu o …

“Uma desgraça completa”. Ex-ministro do PSD arrasa atuação do Ministério da Saúde no combate à pandemia

O antigo governante do PSD Fernando Leal da Costa acusou esta quarta-feira o Ministério da Saúde de “falta de liderança” na gestão da pandemia de covid-19, e falou até de “uma desgraça completa” do ponto …

Ministro defende que investimento nas Forças Armadas “é tão relevante” como na saúde

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, destacou o papel das Forças Armadas no combate à pandemia de covid-19 e defendeu que o investimento público nesta área “é tão relevante” quanto na saúde ou …

Giro. João "Rosa" Almeida segura liderança da geral

O português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) manteve esta quarta-feira a liderança da Volta a Itália em bicicleta, numa 17.ª etapa ganha pelo australiano Ben O'Connor (NTT). O'Connor, de 24 anos, cumpriu os 203 quilómetros entre Bassano del …

Investimento público atinge máximo de uma década em 2021

Dados do relatório do Orçamento do Estado mostram que o Governo conta terminar 2020 com um investimento público de 4.884 milhões de euros (75 milhões de euros a menos do que a previsão do Orçamento …

Audições urgentes pedidas pelo PS sobre StayAway Covid são por escrito ou em dezembro

O Parlamento aprovou, esta terça-feira, a audição de entidades e personalidades sobre a obrigatoriedade da aplicação Stayaway Covid, proposta pelo PS, "com caráter de urgência", por escrito ou em dezembro, após o debate do Orçamento …