Debate sobre lei da nacionalidade aquece. CDS e Livre trocam galhardetes

Mário Cruz / Lusa

O debate parlamentar sobre a Lei da Nacionalidade dividiu, esta quarta-feira, o hemiciclo entre esquerda e direita e motivou um incidente e discussão acalorada entre a deputada única do Livre, Joacine Moreira, e o deputado democrata-cristão Telmo Correia.

Na parte final da troca de argumentos, o deputado do CDS-PP, Telmo Correia, acusou a parlamentar do partido da papoila, Joacine Katar Moreira, de participar em manifestações em que foram ofendidos símbolos nacionais, nomeadamente a bandeira portuguesa, a qual teria sido apelidada “colonialista” por representantes do Livre.

Sob protestos da bancada do Bloco face à intervenção de Telmo Correia, Joacine pediu a palavra ao vice-presidente do parlamento José Manuel Pureza, que conduzia os trabalhos, para defesa da honra e afirmou: “Em momento algum atentei contra qualquer simbologia nacional, isto é uma mentira absoluta”.

O deputado democrata-cristão, na resposta, interrompido por apartes de alguns representantes da esquerda do hemiciclo, negou ter feito tal acusação, enquanto Joacine Moreira, de pé, exclamava: “É mentira, é mentira!”.

PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal e Chega contra

Durante o debate, PSD, CDS-PP, Iniciativa Liberal e Chega mostraram-se contrários a novas mexidas na legislação escasso ano depois das últimas alterações.

Catarina Rocha Ferreira, do PSD, disse que “qualquer alteração tem de ter sentido de Estado e equilíbrio entre a abertura da lei e a integração efetiva e com responsabilidade, algo importante de mais para que ande ao sabor de ventos ou pequenas brisas eleitoralistas. Não pode ser ‘a la carte’, sob pena de ser um convite à imigração ilegal”.

É uma espécie de nacionalidade portuguesa em saldos para quem a quiser comprar, que a esquerda quer vender para fazer de nós um parente pobre da Europa. O Chega nunca permitirá que a nacionalidade seja vandalizada”, afirmou André Ventura, sobre os projetos de lei de BE, PCP, PAN e Livre.

O deputado único da Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, defendeu uma “efetiva ligação do indivíduo ou seus progenitores a Portugal” e, “como nenhum dos projetos de lei reflete a visão liberal e responsável”, assumiu que o seu partido votará “contrariamente a todos eles”.

“A ultima alteração tem um ano. E, um ano, depois estamos aqui com esquerda a querer alargar ainda mais e mais. Uma nação é uma comunidade de pertença, mas também de destino. Estas propostas desvalorizam esse valor. Qualquer pessoa em qualquer circunstância pode ser português. É uma absoluta irresponsabilidade”, disse Telmo Correia.

A socialista Constança Urbano de Sousa reconheceu que “a iniciativa do PAN resolve um problema histórico e deve ser ponderada”, mas manifestou mais reservas face às propostas de BE, PCP e Livre, pois “não querem apenas regular a atribuição de nacionalidade às crianças e querem também alterar o processo de naturalização dos estrangeiros residentes em Portugal” sob pena de se estar “a fabricar artificialmente cidadãos portugueses”.

A bloquista Beatriz Gomes Dias tinha defendido antes que, “em Portugal, há pessoas que são estrangeiras no seu próprio país”, nomeadamente “muitos filhos e filhas de imigrantes que, apesar de aqui terem nascido, continuam sem aceder à nacionalidade portuguesa, vendo-se assim privados de direitos fundamentais de cidadania”

A líder parlamentar do PAN, Inês Sousa Real, referiu que o projeto de lei do seu partido “pretende corrigir uma situação de injustiça de um conjunto de cidadãos residentes em Portugal desde 1974, antes da entrada em vigor da lei da nacionalidade”.

“Faz todo o sentido considerar portugueses de origem todos os filhos de cidadãos não nacionais, nascidos em Portugal, desde que esse nascimento não tenha sido meramente ocasional numa passagem por Portugal de pessoas nem cá residem nem cá querem residir, ou que cá tenham vindo com o único propósito de obtenção de nacionalidade portuguesa por mera conveniência não tendo nem pretendendo ter qualquer outra relação com a comunidade nacional”, disse o comunista António Filipe, adiantando que o PCP pretende “votar favoravelmente todas as iniciativas” para posterior afinamento na especialidade.

Joacine afirmou que “a legislação sobre a nacionalidade é um instrumento de justiça social e, igualmente, uma necessidade para o alargamento da cidadania a milhares de indivíduos que se encontram em território nacional” e que “a legislação, por mais constitucional que seja, precisa de ser relativizada e questionada quando coloca em causa a cidadania e os direitos dos indivíduos”.

O líder parlamentar de “Os Verdes”, José Luís Ferreira, declarou que o seu partido acompanha as iniciativas “globalmente”.

O projeto lei do BE pretende a atribuição da nacionalidade portuguesa a todas as pessoas nascidas em Portugal, a partir de 1981, eliminando-se os critérios de um dos progenitores ter nascido no país e aqui ter residência ao tempo do nascimento da criança, terminando também “a perversa norma que impede a aquisição da nacionalidade portuguesa aos cidadãos estrangeiros que tenham sido condenados a pena de prisão igual ou superior a três anos”.

O PCP propõe que possam ser portugueses os cidadãos nascidos em Portugal, “desde que um dos seus progenitores seja residente“, e que, “na aquisição da nacionalidade por naturalização, os cidadãos nascidos em Portugal a possam adquirir, sem que isso dependa do tempo de residência em Portugal dos seus progenitores”.

A iniciativa do PAN alarga o acesso à naturalização às pessoas nascidas em Portugal após o 25 de Abril de 1974 e antes da entrada em vigor da Lei da Nacionalidade.

O projeto de lei do Livre prevê a atribuição da nacionalidade aos cidadãos nascidos em Portugal, entre 1981 e 2006, “por mero efeito da lei, independentemente da apresentação de prova de residência legal de um dos seus progenitores”. O Livre quer também fazer depender a aquisição da nacionalidade por casamento ou união de facto “por mera declaração” e definir a residência efetiva e não a residência legal no que diz respeito à contagem do tempo para atribuição da nacionalidade portuguesa.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Estes artistas do CDS foram os primeiros a vender a nacionalidade portuguesa a um qualquer estrangeiro com dinheiro (vistos Gold) e agora estão preocupados?
    Boa…

    • Estás desejoso de pagar por mais indigentes que passam a cidadãos de pleno direito, podendo utilizar todos os serviços pagos com o que te roubam do bolso, incluindo, SNS, Subsídio de desemprego, rendimento mínimo garantido, apoio judiciário gratuito, acesso ao ensino gratuito, abono de família (que muitos portugueses nem sequer têm acesso por não viverem na miséria ou não se conseguirem esquivar a declarar como outros fazem). Para além disto, em vez de serem deportados por serem imigrante e violarem o seu estatuto de imigrante, passas também a sustentá-los na prisão, dando-lhes cama, comida e roupa lavada. Ou não pagas impostos e és um destes artistas, ou não está a medir bem o que estão a propor ao povo.

      • Não, nada disso – antes pelo contrário!!
        E por isso é que já disse que os marroquinos que apanharam ontem no Algarve devem ser devolvidos a Marrocos!!
        Mas eu não me pronunciei sobre isso; apenas relembrei a hipocrisia típica do CDS que não se importou de vender a cidadania portuguesa a bandidos angolanos, chinocas, etc…
        .
        Já agora devo dizer que sou completamente contra a alteração da lei actual (só se for para ser mais restritiva!) e até acho que há um parte condideravel de estrangeiros (alguns nascidos em Portugal) que deviam
        ser expulsos, porque, além de paparasitas, muitos são criminosos!!

    • desde quando é que os vistos gold atribuem nacionalidade portuguesa assim com tanta facilidade?

      “Pedir nacionalidade portuguesa, por naturalização, mediante o cumprimento dos requisitos necessários na Lei da Nacionalidade (Lei n.º 37/81, de 3 outubro”

      esta é mais uma tentativa dos ideologos marxistas de destruirem o país e a europa.

      • Desde sempre!
        Haja dinheiro!… é ver os casos polémicos envolvendo os vistos gold um pouco por todo o mundo, para se perceber que havendo dinheiro, vale quase tudo…
        E há paises onde ainda é pior, com regras mais permissivas do que Portugal…
        .
        De qualquer modo, eu sou completamente contra mais facilistismos na atribuição da nacionalidade portuguesa e, se dependesse de mim, só haveria prai uns 5 milhões de portugueses!…

  2. Estas ( peixeiradas) e outras as quais já tivemos a ocasião de assistir, no palco melodramático do hemiciclo da A.R; Pessoalmente, na minha opinião só reforça a falta de credibilidade que os eleitores Portugueses tem nos Eleitos para os representar. Dito isto, considero que estes novos “partidecos”, só vem acrescentar mais agua ao moinho em vez de trazer mais milho. Esta Sra. Joacine é um bom exemplo do vergonhoso oportunismo politico, para arranjar emprego para um mandato de quatro Anos !…. Está “Democraticamente” confortável, e desse conforto ninguém a tira !

  3. Uma gagueja tanto, que mal se percebe o que ela tenta dizer…
    Mas a verdade é que a boazona e o seu grupo de seguidores vandalizaram a Bandeira portuguesa, enquanto agitavam bandeiras de vários países estrangeiros!

    Outro, o famigerado desVENTURA, um politiqueiro por acidente, apoiante do fascismo e da extrema-direita, a tentar mostrar que é gente…

    Enfim, um Parlamento com partidos (?) a mais e democracia a menos!

  4. Esse e mais um burlao a juntar a outros partidos burloes.
    Quanto a nacionalidade e segundo alguns comentadores de meia tigela que por ai comentam deviam levar com a seguinte lei, todo o tuga que fosse apanhado a roubar devia perder imediatamente a nacionalidade tuga, e todo o tuga que nao trabalhasse ate aos 80 anos idem, o tuga que fala mal do pais devia logo ser enviado para o deserto do Saara, todo o tuga que fosse apanhado a conduzir alcoolizado devia logo perder a nacionalidade, todo o tuga que fosse apanhado a nao produzir algo de util dos 20 aos 80 anos devia logo perder a nacionalidade e todo o tuga que fosse apanhado a mentir devia logo ser expulso do pais.
    Apos isto quantos sobrariam? Talvez 1000 e ai o pais se tornaria um paraiso isento de parasitas.

RESPONDER

Hotelaria pressiona Governo. Quer que turistas com estadias marcadas possam circular entre concelhos

A proibição de deslocação entre concelhos entre dia 30 de outubro e 3 de novembro de modo a evitar contágios agradou a alguns, mas não ao setor hoteleiro, que quer ser deixado de fora da …

Ligação fluvial entre o Seixal e Lisboa suspensa a partir de hoje (e durante 45 dias)

A Transtejo tinha informado que a ligação fluvial entre o Seixal e Lisboa estaria suspensa a partir desta segunda-feira, por 45 dias, devido a obras, mas será assegurado transporte rodoviário até ao terminal de Almada. “A …

Nagorno-Karabakh. Arménia e Azerbaijão acusam-se mutuamente de violação de novo cessar-fogo

A Arménia e o Azerbaijão trocaram esta segunda-feira acusações pela violação de um novo cessar-fogo acordado no domingo para pôr fim às hostilidades no enclave de Nagorno-Karabakh, que deveria ter entrado hoje em vigor. A Arménia …

Venezuela testou molécula que "anula a 100%" o novo coronavírus

O Presidente da Venezuela anunciou, este domingo, que o Instituto Venezuelano de Investigações Científicas (IVIC) testou com sucesso uma molécula, a DR10, que "anula 100%" o novo coronavírus. "O IVIC testou uma molécula usada para tratar …

Com a bancarrota a caminho, Governo Sócrates vendeu quase 80% dos imóveis públicos

Numa altura em que o país já estava em situação complicada, com o cenário de bancarrota no horizonte, o último Governo de José Sócrates vendeu quase 80% do património imobiliário público em apenas dois anos. Estes …

Na primeira noite de recolher obrigatório em Madrid, houve centenas de festas ilegais e álcool na rua

Na primeira noite de recolher obrigatório em Madrid, foram muitos os que ignoraram as restrições. A polícia espanhola foi obrigada a intervir em centenas de festas ilegais e numa festa ao ar livre com mais …

Casa Branca admite que EUA não poderão controlar pandemia. Biden acusa Trump de ter desistido

A Casa Branca admitiu este domingo que os EUA não poderão controlar a pandemia por ser tão contagiosa, numa mudança à postura de minimização da gravidade da crise, numa altura em que há novos recordes …

GNR obrigada a intervir no GP de Fórmula 1. Bastonário diz que evento foi um "insulto" aos profissionais de saúde

O circuito de Portimão teve de fechar algumas bancadas para garantir o distanciamento dos 27.500 espetadores autorizados pela Direção-Geral de Saúde (DGS). Pelo menos em duas foi necessária a intervenção da GNR. Em comunicado, a GNR …

Governo atira-se ao Bloco de Esquerda. Voto contra é "incompreensível"

Em conferência de imprensa, esta segunda-feira, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, afirmou que "o Governo considera incompreensível que não possa contar com o Bloco de Esquerda" para aprovar o Orçamento do …

Chilenos votam de forma esmagadora para substituir Constituição de Pinochet

Os chilenos votaram de forma esmagadora, este domingo, a favor de uma nova Constituição para substituir a herdada da era do ditador Pinochet, num referendo realizado um ano após uma revolta popular contra a desigualdade …