Cientistas explicam porque é que os crocodilos mudaram tão pouco desde o tempo dos dinossauros

Uma equipa de cientistas da Universidade de Bristol, no Reino Unido, concluiu que os crocodilos mudaram muito pouco desde o tempo dos dinossauros devido a um padrão evolutivo lento, que ainda assim lhes atribuiu versatilidade suficiente para se adaptarem às mudanças ambientais dos últimos milhões de anos.

Os crocodilos que hoje vivem na Terra são muito semelhantes aos do Período Jurássico, há 200 milhões de anos, enquanto outros animais, como lagartos e pássaros, atingiram a diversidade de muitos milhares de espécies, num período de tempo semelhante ou até inferior.

Em comunicado, a equipa explica que estas diferenças podem ser justificadas por um padrão evolutivo stop-start nos crocodilos, que é conhecido como “equilíbrio pontuado”.

De acordo com o novo estudo, cujos resultados foram recentemente publicados na revista científica Communications Biology, a taxa de evolução destes animais é, por norma, lenta, mas, ocasionalmente, os crocodilos evoluem rapidamente porque o seu ambiente mudou.

Especificamente, o estudo sugere que o ritmo da evolução acelera quando o clima está mais quente, fazendo com que o corpo do animal aumente.

“A nossa análise recorreu a um algoritmo de machine learning para estimar as taxas de evolução. A taxa evolutiva reflete a quantidade de mudanças que ocorreram durante um determinado período de tempo, que fomos capazes de calcular comparando as medições de fósseis e tendo em conta as suas idades”, começou por explicar Max Stockdale, cientista da Escola de Ciências Geográficas da Universidade de Bristol e autor principal do estudo.

“Medimos o tamanho do corpo – o que é importante porque está relacionado com a velocidade de crescimento dos animais – a quantidade de comida de que precisa, o tamanho das suas populações e a probabilidade de extinção”, continuou.

Os resultados demonstraram que a diversidade limitada de crocodilos e a sua aparente falta de evolução é fruto de uma lenta taxa de evolução. De acordo com os cientistas, os crocodilos atingiram um plano corporal eficiente e versátil o suficiente ao ponto de não precisarem de o alterar de forma mais ritmada para sobreviver.

Esta mesma versatilidade pode explicar porque é que os crocodilos sobreviveram ao impacto do asteróide que matou os dinossauros e 70% de todas as espécies da Terra no final do Cretáceo, há cerca de 65 milhões de anos.

Os cientistas observam ainda que os crocodilos se desenvolvem melhor em condições quentes, uma vez que não conseguem controlar a temperatura do corpo e precisam do calor do ambiente para se regularem – são os chamados animais de “sangue frio”.

No tempo dos dinossauros, o clima era muito mais quente do que é agora, podendo esta diferença explicar porque é que existiam muitas mais espécies de crocodilos nesse período. Ser capaz de extrair energia do Sol significa que estes répteis não precisam de tanto alimento como um animal de sangue quente, como uma ave ou mamífero.

“É fascinante observar: há uma relação tão intrincada entre a Terra e os seres vivos com os quais a partilhamos. Os crocodilos ‘caíram’ num estado de vida versátil o suficiente para se adaptarem às enormes mudanças ambientais que ocorreram desde o tempo em que os dinossauros existiam”, rematou Stockdale.

No futuro, a equipa de cientistas da Universidade de Bristol pretende descobrir porque é que alguns crocodilos pré-históricos morreram e outros não.

Sara Silva Alves Sara Silva Alves, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Farense 0-1 Sporting | Beto e Adán gigantes em noite de recorde leonino

O Sporting sofreu bastante para levar os três pontos na visita ao Farense. O líder do campeonato marcou um golo, por Pedro Gonçalves, dominou durante a primeira parte, mas na segunda deixou os algarvios criarem …

Uma simples mudança está a evitar a morte de um macaco em vias de extinção

Cientistas conseguiram dar uma tábua de salvação a uma espécie de macaco em risco de extinção, cujos espécimes são frequentemente atropelados por automóveis nas estradas de um parque nacional em Zanzibar. De acordo com a Lista …

Antigo rito sagrado "entre irmãos" pode ter sido, na verdade, o casamento homossexual

A adelfopoiese era uma cerimónia praticada historicamente na tradição cristã para unir duas pessoas do mesmo sexo - normalmente homens - num relacionamento reconhecido pela igreja, análogo ao irmão. Segundo documentos históricos, com 20 anos, Simeão …

Talin fechou uma estrada para que sapos e rãs possam atravessar em segurança

A capital da Estónia fechou uma estrada movimentada, durante as noites do mês de abril, para garantir que milhares de sapos e rãs conseguem atravessar em segurança para o local onde se vão reproduzir. Geralmente, são …

Organizador do White Lives Matter está a formar um novo grupo fascista (que quer uma guerra racial)

Organizador do White Lives Matter está a formar um novo grupo fascista, que procura agradar à opinião pública e quer ver uma guerra racial nos Estados Unidos. O organizador do abortado comício White Lives Matter, em …

Bezos nega que funcionários sejam vistos como "robôs". Mas Amazon deve tratá-los "melhor"

O ainda presidente executivo da Amazon, Jeff Bezos, enviou uma última carta aos acionistas da empresa, negando que os funcionários sejam "tratados como robôs", conforme alegaram alguns trabalhadores e críticos da empresa. Segundo Bezos - que …

A imponência do Titanic pode ter acelerado o fim da sua história

Com quase 269 metros de comprimento, o tamanho do Titanic - considerado o maior navio do mundo em 1912 - pode mesmo ter acelerado o fim da sua história. O Titanic media quase 269 metros de …

Pogba diz que a sua relação com Mourinho "mudou da noite para o dia"

O futebolista francês recordou a relação "muito boa" que tinha com o treinador português quando este era treinador do Manchester United, mas que acabou por mudar, segundo as suas palavras, "da noite para o dia". Numa …

Empreiteiros, cuidado. Vem aí o Baubot, um robô para a construção civil

A startup austríaca Printstones, que desenvolve robôs de impressão 3D desde 2017, revelou o seu mais recente protótipo: Baubot, um robô para a construção civil. A principal missão do Baubot é auxiliar e automatizar a indústria …

Oito meses depois da explosão em Beirute, o Líbano ainda é um pesadelo tóxico

A explosão em Beirute foi apenas mais uma página no longo e sombrio livro da má gestão de resíduos tóxicos no Líbano. Ainda há produtos químicos perigosos no porto de Beirute. Já lá vão oito meses …