Se a crise política continuar e a Etiópia implodir, os estilhaços atingirão o Corno de África

hdptcar / Flickr

Centenas de militares juntaram-se na terça-feira em Adis Abeba, capital da Etiópia, para o funeral do chefe do Exército, morto a tiro no sábado à noite, naquilo que o Governo afirma ter sido uma tentativa de golpe de Estado em que morreram outras quatro altas figuras político-militares.

Na primeira fila da cerimónia fúnebre marcava presença o primeiro-ministro, Abiy Ahmed, que ao fim de 15 meses de grandes reformas conquistou inúmeros inimigos e escapou ele próprio de um atentado, quando uma granada explodiu num comício, no ano passado, noticiou o Público na terça-feira.

O funeral contou com medidas de segurança rigorosas, tendo as ruas à volta do local sido bloqueadas pela polícia. Segundo o jornal diário, bloqueada continuava também a Internet, pelo terceiro dia consecutivo.

À morte do general Seare Mekonnen, assassinado em sua casa por um guarda-costas – que matou ainda outro oficial, o general na reforma Gezai Abera -, juntaram-se as mortes do presidente do governo do estado de Amhara, Amabachew Mekonnen, do seu assessor Azeze Wasse e do procurador-geral na região, Migbaru Kebede.

Esta é, segundo o Público, a ponta de um icebergue de um país mergulhado numa crise violenta que o desenvolvimento económico tem disfarçado.

hdptcar / Flickr

Para William Davidson, analista sénior do International Crisis Group, não sendo um Estado falhado como referem outros especialistas, dentro e fora do país, a Etiópia “enfrenta uma grave crise política e de segurança, como ficou demonstrado por este nível elevado de violência política e pelos milhões de pessoas deslocadas internamente por causa do conflito” (atualmente é o país do mundo com mais deslocados internos: 2,9 milhões).

E a não ser que esses “problemas sejam reconhecidos e enfrentados, há o perigo de que o conflito se aprofunde”, acrescentou o especialista em assuntos etíopes. Que se aprofunde e acabe por desestabilizar a região do Corno de África. “Se a Etiópia cair numa guerra civil terá um enorme impacto regional, porque, por exemplo, é a principal economia e um importante garantidor da paz regional e destino de refugiados”, adiantou ainda.

Já para Abiy Ahmed, o primeiro chefe de Governo etíope da tribo omoro – a maior de um país com 80 tribos diferentes -, um dos seus grandes problemas é o dos conflitos interétnicos, sobretudo por questões de terras, que se agudizaram nos últimos anos, quando o desenvolvimento económico acelerado deixou de conseguir disfarçar a questão.

“Um dos grandes perigos é o fracasso em abordar uma das principais causas da crise política, que são as fraturas entre os partidos regionais que compõem a coligação no poder”, explica William Davidson.

Abiy Ahmed chegou à liderança da Frente Democrática Revolucionária do Povo Etíope, o movimento guerrilheiro que alcançou o poder depois de uma guerra civil de 30 anos e domina o país desde 1991. É composta por quatro partidos regionais: a Organização Democrática dos Povos Omoro, o Movimento Nacional Democrático Amhara, o Movimento Democrático dos Povos do Sul da Etiópia, e a Frente de Libertação do Povo Tigré, que representa também as tribos mais influentes.

Além de introduzir reformas com vista a abrir o regime autocrático, a melhorar o funcionamento da democracia e a dar maior liberdade à imprensa, Abiy Ahmed, antigo oficial dos serviços de inteligência, procedeu também a mudanças nas estruturas militares e de segurança, aliviando o peso excessivo dos tigrés, que apesar de corresponderem a apenas 6% da população dominam o aparelho do Estado há quase três décadas.

World Economic Forum / Flickr

Hailemariam Desalegn, ex-primeiro-ministro da Etiópia

Só resolvendo essa questão se podem “criar as condições de segurança para realizar eleições competitivas”, esclareceu William Davidson. Caso contrário, a insegurança continuará, levando a um atraso no processo eleitoral, aprofundando a crise política.

Como explicou ao Financial Times Clionadh Raleigh, especialista em Etiópia da Universidade de Sussex, Abiy Ahmed está “a tentar progredir de uma autocracia funcional para uma autocracia concorrencial” e isso, no país mais velho de África, feito de uma complexa interligação étnica, não é tarefa fácil, referiu o Público.

No entanto, “a maioria dos passos em direção à liberalização política eram necessários”, frisou William Davidson, porque “a Etiópia enfrentava uma grande agitação social que ameaçava deteriorar-se e agudizar os conflitos”.

Foi aliás, por isso, que, depois de três anos de protestos e instabilidade, Hailemariam Desalegn anunciou a sua demissão de primeiro-ministro, em 2018.

A questão está agora em saber se os acontecimentos de sábado à noite ampliarão as diferenças entre os quatro partidos da coligação no poder. Como escreveu o International Crisis Group em comunicado, as mortes de 22 de junho “podem desatar intensas lutas pelo poder e reações violentas em zonas politicamente sensíveis do país”.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Quase 40% dos americanos com dificuldades financeiras. Doar sangue é a sua maior receita

A economia dos Estados Unidos (EUA), considerada uma das maiores do mundo, permitiu avanços sociais e tecnológicos inestimáveis. Contudo, atualmente, cerca de 40% dos norte-americanos afirmam ter dificuldade em pagar por comida, por habitação, por …

"Políticos devem ser colocados contra a parede". Greta pede desculpa

A ativista do clima Greta Thunberg pediu desculpa por ter dito que os políticos devem ser colocados “contra a parede”, após diversas pessoas terem considerado que a jovem estava a defender a violência. A sueca de …

Carnaval belga retirado da lista de Património Imaterial da UNESCO após queixas de antissemitismo

As festas da cidade de Aalst, na Bélgica, foram retirada da lista do Património Imaterial da Humanidade, depois de a UNESCO ter sancionado a presença de carros carnavalescos contendo imagens antissemitas. O presidente da Câmara …

Conselho de Ministros aprova proposta de OE2020 (e foram quase 10 horas de reunião)

O Conselho de Ministros aprovou hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2020, dez horas depois de a reunião extraordinária ter começado, anunciou hoje o primeiro-ministro na sua página na rede social Twitter. "O Conselho …

Nova espécie de baleia mostra como este animal evoluiu para conseguir nadar

Cientistas descobriram uma nova espécie de baleia, que existiu há 35 milhões de anos, que pode dar novas pistas sobre como as baleias evoluíram para conseguir nadar. De acordo com a revista Newsweek, os investigadores analisaram …

Casal separado após sobreviver a Auschwitz reencontra-se 72 anos depois em Nova Iorque

Em 1944, David Wisnia e Helen "Zippi" Spitzer eram dois prisioneiros judeus e secretamente namorados que, miraculosamente, conseguiram sobreviver ao campo de concentração nazi Auschwitz, na Polónia. Porém, no final da guerra, foram separados depois de …

Benfica 4-0 Famalicão | Pizzi entrega saco cheio de Natal

O Benfica terminou o seu ano de Liga NOS com mais uma vitória, de novo por 4-0, tal como havia acontecido na anterior partida no Estádio da Luz, ante o Marítimo. Desta vez frente ao …

Morreu o ator Danny Aiello

Morreu esta quinta-feira, em Nova Jérsia, o ator Danny Aiello, que recordamos pelos seus muitos êxitos dos anos 80. Tinha 86 anos. "É com profunda dor que comunicamos que Danny Aiello, amado marido, pai, avô, ator …

Videojogo chinês incita jogadores a atacar os "traidores" em Hong Kong

Há um novo videojogo que está a ganhar popularidade na China. Chama-se "Fight the Traitors Together" e permite que os jogadores ataquem manifestantes de Hong Kong. No jogo, os jogadores podem bater nos manifestantes pró-democracia, sendo …

Mundial de Clubes proíbe demonstrações públicas de afeto

Começou na passada quarta-feira, dia 11 de dezembro, em Doha, capital do Catar, o Mundial de Clubes da FIFA, prova onde estão inseridos clubes como Flamengo e Liverpool. E esta até poderia ser mais uma …