/

Nem salários de 2 mil euros resolvem crise de pessoal no mobiliário (e já há “esquemas de chantagem”)

18
Falta de mão de obra no mobiliário

Há falta de mão de obra no setor mobiliário.

Há cinco mil trabalhadores em falta na indústria portuguesa dos móveis. Uma crise de mão-de-obra que já está a levar empresas a recusarem encomendas enquanto alguns trabalhadores vão entrando em “esquemas de chantagem”…

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O sector do mobiliário nacional vive uma crise de mão-de-obra que já está a levar empresas a recusarem encomendas. A situação é denunciada pelo Jornal de Negócios que avança que faltam 5 mil trabalhadores nesta área, desde estofadores a marceneiros, passando também por maquinistas e serralheiros, entre outros.

A indústria dos móveis tem exportações da ordem dos 1,9 mil milhões de euros, segundo o Negócios.

“É um sector onde os salários são bastante elevados, porque apostou no valor acrescentado do produto, nos recursos humanos, no ‘know how’ para promover a internacionalização”, explica a este jornal o director executivo da associação do sector mobiliário (APIMA), Gualter Morgado.

Este responsável assegura que o sector “paga acima da média” e que “dificilmente encontramos hoje, por exemplo, um estofador a ganhar menos de dois mil euros limpos por mês“. Apesar disso, Gualter Morgado nota que não se encontram estofadores para contratar.

“Um esquema de chantagem”

O dirigente da APIMA também explica ao Negócios que houve um aumento das encomendas depois de, em Itália, a indústria de mobiliário ter sido “fortemente afectada pela covid-19“. Assim, verificou-se “uma alteração de geografias por uma série de clientes, que se viraram para Portugal, onde descobriram que temos o mesmo nível de qualidade ou até superior, e somos ligeiramente mais baratos”, salienta Gualter Morgado.

Além disso, “a falta de transporte internacional, numa determinada fase, levou a que as importações da Ásia caíssem vertiginosamente, com a maior parte dos distribuidores e redes ligadas à fileira casa a virarem-se para a Europa, assim como os Estados Unidos”, acrescenta ainda.

Esta situação de aumento de procura veio dar ainda mais destaque à escassez de mão-de-obra e começam a surgir cada vez mais casos de trabalhadores que entram no que Gualter Morgado chama de “um esquema de chantagem”.

“Todas as semanas, [os trabalhadores] chegam ao pé dos empresários e dizem: “Se não me pagas mais 100 euros, eu vou embora, pois tenho quem me ofereça mais.” É extremamente complicado”, desabafa o responsável da APIMA.

“Subsídio de desemprego desincentiva trabalho”

Guater Morgado também se queixa de “situações de abuso”, considerando que “muitos” desempregados são “chamados para trabalhar, para ganharem um salário, mas não querem ir trabalhar com horário normal porque, como têm facilidade em encontrar um trabalho extra, mantêm-se na situação de subsidiados”.

“O subsídio de desemprego também desincentiva o trabalho”, considera assim.

Entretanto, surgem queixas em algumas empresas de que “há multinacionais inglesas que chegam cá e, em vez de criarem postos de trabalho, andam a roubar profissionais a outras empresas e com salários a peso de ouro”, como aponta uma fonte do sector ao Negócios.

O sócio-gerente da Pelcorte Estofos, Silvestre Carneiro, fala mesmo em “selvajaria”, em declarações ao jornal.

Não há estofadores disponíveis no mercado, andamos aqui a tirar uns aos outros”, acrescenta, por seu lado, também em declarações ao Negócios, o empresário Celso Lascasas, do grupo Laskasas.

Solução podem ser trabalhadores imigrantes

Em Paredes, onde o sector mobiliário tem grande expressão, a Câmara Municipal já está a trabalhar numa “solução conjunta” com as empresas que pode passar por apostar em “trabalhadores imigrantes”, como sublinha o presidente da autarquia ao Negócios.

“Uma das medidas que vamos apresentar às empresas pode passar por trazer trabalhadores para Paredes e criar as devidas condições para os acolher, assegurando estadias e a devida integração no mercado de trabalho português”, aponta o presidente da Câmara de Paredes ao jornal.

  ZAP //

18 Comments

  1. “…e somos ligeiramente mais baratos” … disse tudo, somos mais baratos porque pagamos menos aos colaboradores. Como não querem pagar mais, não têm…

  2. Então não é a lei do mercado de trabalho a funcionar? Quando há muita mão de obra disponivel os patrões baixam os salários e fazem o que lhes apetece, quando é ao contrário veem falar em “chantagem”? Os trabalhadores devem ter total liberdade para trabalhar para quem lhes dá melhores condições. Simples, não é?

  3. Que paradoxo. Então os ingleses vêm tirar trabalhadores para lhes pagar ordenados a peso de ouro, onde certamente essas empresas têm capacidade para ter lucro. Mas em Portugal não pagam, porque não deve dar. O Sr. Guater Morgado devia ter vergonha. Acho muito bem que exijam 4.000€ mês limpos para dar acesso a uma vida digna num país que é miserável mas com custos astronómicos para viver. E mesmo esses 4.000€ não se pode ir a Lisboa muitas vezes que não ficará nada barato para usufruir dos altos investimentos que o país fez com estradas na entrada dos subsídios europeus.
    Venham comentar que Portugal é pequenino e que não pode mais que lhes dou exemplos como o Luxemburgo, Mónaco, Suíça, Suécia e tantos outros. Uma classe política que só tem vindo a roubar sem ter um discernimento estratégico a longo prazo. Só vejo a situação do meu adorado Portugal a ficar cada vez pior de ano para ano. Está praticamente impossível viver neste país. Ordenado €650, rendas €800. Nunca se tal viu.
    Ainda temos a lata de dizer que o subsídio de desemprego desincentiva a ganhar €2.000. A horas normais… como se diz por aqui Bulls..t. Já la foi o tempo em que o fundo de desemprego pagava esses montantes. Tudo aldrabices de gente que quer explorar mais e mais e então pensa ir buscar mão de obra estrangeira desgraçada para explorar porque os portugueses estão fartos. Abram mas é os olhos e deixem de pensar em lucros e comecem a pensar em boas condições ao capital humano que existe, de alto valor, que poderão ser mais competitivos. Querem colocar o Português a produzir como tão bem sabem fazer no mundo, paguem!!!
    E isto é em todos os sectores. Querem andar de Audi R8 à conta de explorar os seus trabalhadores. Isto está mal, muito mal, mas depois aparecem de Porsche e foram de férias ao Dubai.

    • Que personagem… mesmo à Ventura!…
      De “Amor a Portugal” a “do meu adorado Portugal” passa por “num país que é miserável”!…
      “Com 4000€ limpos não se pode viver em Lisboa”… é, já dizia o Cavaco…
      Enfim, só disparates!…

    • Tem toda a razão, sei de um colégio na Parede que pagam o OMN e uma empregada faz o serviço de 3 e a dona anda de jaguar e o marido anda de porsche.

    • Hi,
      O artigo falava em 2000 € mês e o Sr Amor a Portugal ,já está a colocar o dobro 4000€!!?
      Isso é que é uma inflação! não se esqueça de juntar a Segurança Social, seguros etc….

      • Sabe porque ele fala assim?porque não é ele que paga esses salários..4000 € onde já se viu isso..era bom que este fulano abrisse uma empresa para pagar semelhantes salários..treta vejo eu muita..

  4. Se tu tens 21 jogadores para 11 lugares tu estás bem. Agora se tu tens 5 jogadores para 11 lugares tu não podes jogar em 433. Vais ter de jogar em 400 ou 211 ou 301. E pagas mais e és pior servido.

  5. Pois, é muito bonito falar nas empresas estrangeiras que vêm cá “roubar” os trabalhadores, que serão pagos a peso de ouro e criticar as empresas portuguesas por não fazerem o mesmo. A questão é que a empresa portuguesa que queira pagar esse mesmo peso de ouro a esse mesmo trabalhador leva com impostos muito superiores em cima e com uma taxa de segurança social de quase 24%… Essas contas ninguém fala. A empresa portuguesa é esmifrada pelo Estado e não pode aumentar os salários da mesma forma que as estrangeiras.

  6. Fácil solução para todos os que aqui estão a reclamar.
    É só abrir a sua própria empresa e aí verão o quanto fácil é.
    Assim não precisam mais de chorar.
    Infelizmente Portugal não passa de um buraco cada vez mais fundo e a razão é que para muitos é sempre mais fácil procurar a boa vida sem fazer nada para que ela melhore, e encontrar desculpas.
    Mas perder tempo em procurar soluções é que nada.

  7. Falando com experiencia por ter colaborado com este tipo de empresas, como exemplo las kasas, pele corte, antarte e o que eles melhor fazem como maior parte das empresas na area é explorar o trabalhador, a lucro de ouro, o esforço do trabalhador que é so usado ate esgotar, tendo eles a esperança de fazer o mesmo jogo aos novatos que vem para 1o emprego e la sabem o que é salario minimo na realidade, quanto tempo conseguiram durar com este jogo, sera este o sinal de que esgotaram as possibilidades de haver trabalhador qualificado interessado em laborar nas suas empresas, nada mais é que isso. E claro que os politicos pactuam com as empresas para fazerem de portugal a china de ha muitos anos atras. O futuro em portugal nunca vai ser um futuro mas sera sempre um passado, por so haver corruptos e oportunistas que fazem de portugal bom para ter empresas e bom para gastar $, sabendo os politicos que entra sempre a peso de ouro sem nada fazerem. No meio disto tudo portugal serve so para aprender , e ai sim procurar uma naçao que faça dos trabalhadores terem uma vida humilde onde possam ter qualidade de vida.

  8. Licenciatura, 30 anos de experiência e salário líquido de pouco mais de 2 mil euros. Por isso não é de estranhar, como alguém já aqui disse, que o nosso país serve para formar e depois os jovens vão para empresas estrangeiras ser pagos a peso de ouro. E agora, no pós pandemia, até ficam a maior parte do tempo a viver em Portugal. Enfim, enquanto continuarmos a pensar em distribuir a pobreza em vez de criar riqueza, temos isto.

  9. Muito simples,, estes senhores que muito comentam é nada dizem, que sejam empresários assim também andam de Porche e jaguar e paguem os 2000.00€ e os 4000.00€

    • Ou estes senhores que muito comentam e nada dizem sejam trabalhadores e em vez de ficarem com os lucros das empresas limitem-se a ganhar o mesmo que querem pagar aos seus trabalhadores e depois digam se preferem ser trabalhadores explorados ou empresários exploradores. A lei da oferta e da procura só é boa quando há oferta de muita mão de obra, não é?

  10. Para quem diz que 2000€ é um mau salário que abra a sua empresa em vez de se levantar cedo para entrar ás 9H00 e sair ás 17H00 com direito a hora de almoço, pausas e afins. Não se esqueça de me oferecer emprego. Pode contar comigo e eu abdico da pausa para fumar. Blábláblá é que há mais por aí. Também quero um emprego desses. Se abrires a empresa nem dormes, não há tempo:

  11. Realmente é um contracenso dizer que o subsídio de desemprego influencia o emprego claro que sim os srs. pagam mal, sempre pagaram. Os empresários do Norte sempre foram negreiros e acredito que ainda existem muitos. A mentalidade está a mudar. A indústria dos sapatos e não só, onde até a poucos anos os empresários se pavoneavam nos seus ferraris(onde estão o maior número destes carros.,) Paguem como deve ser a quem sabe trabalhar, e não só, tratem bem essa gente que vos ajuda a enriquecer,

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.