/

“Príncipes da Torre”. Um dos crimes mais misteriosos de sempre pode ter sido resolvido

(CC0/PD) Wikimedia

“The Children of Edward”, de Paul Delaroche.

Novas evidências sugerem que Ricardo III pode mesmo ter ordenado o assassinato de dois príncipes em Inglaterra.

É talvez uma das maiores histórias de mistério de assassinato da história britânica — um jovem rei e o seu irmão simplesmente desaparecem. Os meninos, agora apelidados de “os Príncipes da Torre”, estavam na Torre de Londres em 1483, mas desapareceram da vista do público sem nunca mais serem vistos.

Ricardo III há muito é considerado responsável pelo assassinato dos seus sobrinhos numa disputa sobre a sucessão ao trono. Mas os defensores de Ricardo realçam a falta de evidências concretas para associar o rei ao desaparecimento dos príncipes — que tinham apenas 12 e nove anos quando Ricardo assumiu o trono em junho de 1483.

No entanto, um novo estudo fornece a evidência mais poderosa de quem eram os assassinos das crianças. E associa os assassinos diretamente a Ricardo III.

National Trust / Wikimedia

“O Assassinato dos Príncipes da Torre”, de James Northcote.

O primeiro relato detalhado a associar as mortes dos príncipes a Ricardo pode ser encontrado na “História do Rei Ricardo III” por Sir Thomas More, um servidor público que desde 1518 serviu no Conselho Privado de Henrique VIII e mais tarde se tornou Lorde Chanceler.

No seu livro, escrito cerca de 30 anos depois, More cita dois homens, Miles Forest e John Dighton, como os assassinos. E diz que foram recrutados por Sir James Tyrell, um servo de Ricardo III, por ordem dele.

More afirma que Ricardo sentiu que não seria totalmente aceite como rei enquanto os meninos ainda estivessem vivos, por isso engendrou um plano para se livrar deles. Ele ordenou que o Condestável da Torre desse a Tyrell as chaves da Torre por uma noite.

Tyrell planeou assassinar os jovens príncipes nas suas camas e escolheu Forest, um dos seus servos, e Dighton, que cuidava dos seus cavalos, para cometer o crime. Todos os outros servos foram obrigados a sair para que o assassinato pudesse ser realizado. Então Tyrell ordenou que os homens enterrassem as crianças ao pé de umas escadas.

Escrito mais de 30 anos após os eventos, é fácil para os apoiantes de Richard descartar a versão dos eventos de More. Na verdade, muitas pessoas questionaram essa história, vendo-a como “propaganda Tudor”, destinada a denegrir o nome de um rei morto. Foi até sugerido que os nomes dos supostos assassinos foram inventados por More.

Mas uma equipa de investigadores descobriu que os nomes que More dá aos homens que supostamente mataram os príncipes (Forest e Dighton) não são imaginários, mas sim pessoas reais.

Pistas encontradas

Em meados da década de 1510, quando More estava a trabalhar no seu livro, Edward Forest, filho do suspeito Miles Forest, era um servo da câmara de Henrique VIII, e Miles, o seu irmão, era empregado do principal conselheiro, o Cardeal Thomas Wolsey. Desta forma, os filhos estavam a morar e a trabalhar ao lado de More — o que significa que ele poderia falar diretamente com eles.

Os dois irmãos também receberam concessões reais e arrendamentos de terras e escritórios reais. Isto mostra como eles eram favorecidos por Henrique VIII e contribuiu para a ideia de que os irmãos estavam no centro do regime Tudor.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Os investigadores também descobriram que quando More estava a compor a sua outra grande obra, Utopia, em 1515 — e muito provavelmente a pensar na História do Rei Ricardo III — Miles Forest Junior era um mensageiro entre a corte de Henrique VIII em Inglaterra e a embaixada na qual More serviu.

Isto conecta o mundo de More diretamente à história que ele está a contar e ao homem que ele diz ser o principal assassino dos príncipes da Torre.

Esta é uma história que não vai acabar tão cedo. De facto, o recente anúncio de um novo filme sobre a redescoberta de Ricardo III, escrito por Steve Coogan e Stephen Frears, mostra que o interesse pelo polémico monarca continua forte como sempre.

E embora as últimas evidências não provem definitivamente que Ricardo III assassinou os seus sobrinhos, é certamente uma prova clara de que More escreveu a sua história quando esteve em contacto direto com os homens intimamente associados a este notório crime.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.