Crianças imunes à malária ajudam na busca de uma vacina

terbeck / Flickr

6% das crianças na Tanzânia apresentou uma imunidade natural à malária.

6% das crianças na Tanzânia apresentou uma imunidade natural à malária.

Um grupo de crianças da Tanzânia que são naturalmente imunes à malária está a ajudar cientistas a desenvolver uma nova vacina.

Investigadores americanos descobriram que estas crianças produzem um anticorpo que ataca o parasita causador da malária.

Os cientistas injectaram o anticorpo em ratos e ele protegeu os roedores contra a doença.

A equipa de especialistas publicou os resultados na revista científica Science, mas afirmam que ainda é preciso testar o processo em primatas e humanos antes de ter certeza do potencial da vacina.

O investigador Jake Kurtis, director do Centro para Pesquisa Internacional de Saúde do hospital de Rhode Island (EUA), diz que há indícios promissores dos efeitos da vacina.

“Mas este é um parasita incrivelmente difícil de se atacar. Teve milhares de anos de evolução para se adaptar às nossas respostas imunológicas – é realmente um inimigo formidável.”

O estudo começou com um grupo de mil crianças na Tanzânia, cujas amostras de sangue foram analisadas durante os seus primeiros anos de vida.

Um pequeno número dessas crianças, 6%, apresentou uma imunidade natural à malária, vivendo numa área onde a doença é frequente.

“Alguns indivíduos tornaram-se resistentes e outros não”, disse Kurtis.

Os cientistas investigaram então que anticorpos estas crianças imunes à malária possuíam e que não estavam presentes nos organismos das outros.

O anticorpo descoberto foi analisado e os especialistas constataram que ele ataca o parasita num estágio crucial do seu ciclo de vida: Ele prende o organismo e impede que este se espalhe pelo corpo da pessoa.

“A taxa de sobrevivência foi duas vezes maior nos ratos vacinados em comparação com os não vacinados – e o número de parasitas no corpo foi até quatro vezes menor nos ratos vacinados”, conta Kurtis.

Cautela

O grupo de especialistas mostrou-se animado com os resultados, mas afirmou que ainda é preciso fazer mais pesquisas.

“Estou cauteloso. Mas não vi nada até agora nos nossos dados que nos fizesse perder o entusiasmo. Mas ainda precisamos de estudos em macacos e testes em humanos numa próxima fase.”

Este estudo é um dos muitos passos no longo caminho da procura de uma vacina para a malária.

O mais avançado é a vacina RTSS, desenvolvida pela GlaxoSmithKline, que aguarda aprovação das agências regulatórias depois de na terceira fase de testes clínicos ter reduzido a metade o número de casos de malária em crianças pequenas.

“A identificação de novos alvos em parasitas da malária para apoiar o desenvolvimento da vacina é um esforço importante”, afirmou Ashley Birkett, director da organização PATH Iniciativa da Vacina da Malária.

“Os resultados iniciais desta investigação americana são promissores em relação à prevenção da malária mais severa, mas mais dados são necessários antes de considerarmos essa a principal aposta de vacina – seja ela empregada separadamente ou combinada com outros antigénios”.

Os dados mais recentes da Organização Mundial da Saúde sugerem que a doença matou mais de 600 mil pessoas em 2012, sendo que 90% dessas mortes ocorreram na África Subsaariana.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Células estaminais podem ajudar a proteger os astronautas da radiação espacial

Assim que os astronautas deixam a proteção do campo magnético da Terra, ficam automaticamente expostos a níveis elevados de radiação cósmica. A Agência Espacial Europeia (ESA) está cada vez mais focada em investigações para reduzir …

Pandemia pode trazer nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas como limpeza de superfícies infetadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam esta quarta-feira alguns dos principais investigadores internacionais em …

Multimilionários refugiam-se da Covid-19 a bordo de iates

Vários multimilionários têm procurado refugiar-se da pandemia de Covid-19, que nasceu em dezembro passado na China, em alto mar, a bordo de iates de luxo. Em declarações ao jornal The Telegraph, Jonathan Beckett, executivo da …

Este mamífero consegue sobreviver a quase sete mil metros de altura

Cientistas pensam ter confirmado que um pequeno rato descoberto no vulcão Llullaillaco, nos Andes, é o mamífero que consegue viver à maior altitude já conhecida (6739 metros). Segundo o IFLScience, o Phyllotis xanthopygus rupestris foi descoberto, …

O glaciar Denman recuou quase cinco quilómetros nos últimos 22 anos

O glaciar Denman, na Antártica Oriental, recuou cerca de cinco quilómetros nos últimos 22 anos. Investigadores da Universidade da Califórnia, Irvine e do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA estão preocupados coma topografia exclusiva …

Gruta em Setúbal mostra que os Neandertais também eram pescadores

Cientistas encontraram restos de alimentos numa gruta, no distrito de Setúbal, que comprovam que os Neandertais também se alimentavam de espécies marinhas. De acordo com o jornal espanhol ABC, restos encontrados por uma equipa de arqueólogos …

Associação alerta para riscos da mudança da hora em tempos de confinamento

O presidente da Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono advertiu hoje que os efeitos potencialmente adversos causados pela mudança da hora podem acentuar-se devido ao confinamento obrigatório das pessoas na sequência da pandemia …

Governo português legaliza estrangeiros ilegais. "A prioridade é a defesa da saúde"

O Governo português decidiu regularizar os estrangeiros com pedidos pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, medida em vigor desde a declaração do estado de emergência, no dia 19, e que lhes garante os mesmos …

Cirque du Soleil despediu 95% dos trabalhadores e pode ir à falência (mas vai dando shows online)

O Cirque du Soleil pode ser mais uma vítima do coronavírus. A empresa que gere o circo está a analisar a possibilidade de declarar a falência devido a dívidas avultadas e depois de ter despedido …

Ordem dos Médicos está a avaliar uso de medicamento não testado para travar Covid-19

Portugal pode tornar-se no segundo país do mundo a usar hidroxicloroquina como forma de prevenção de Covid-19. A Ordem dos Médicos (OM) estará a estudar essa possibilidade, de acordo com o Expresso. O semanário refere que …