(dr) Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros.

Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, Lisboa, aprovaram a recuperação da empresa, tal como sugeriam os administradores de insolvência, disse à Lusa fonte sindical.

A lista de credores da Groundforce, compilada durante o processo de insolvência da empresa, conta com 2.791 entidades, num total de mais de 154 milhões de euros, sendo que a TAP viu reconhecidos créditos de quase 19,7 milhões de euros.

Segundo a lista provisória de credores, a que a Lusa teve acesso, e que poderá ainda sofrer alterações, nomeadamente com a junção de novos pedidos, a dívida total, entre o que é reclamado e o que se encontra na contabilidade, ultrapassa os 154 milhões de euros.

Os maiores credores da empresa são os trabalhadores, a TAP (com uma dívida reclamada de 19,7 milhões), a ANA Aeroportos (12,6 milhões) e a seguradora Fidelidade (estas três empresas compõem a comissão de credores).

O Estado português também reclama dívidas através da Segurança Social (10,4 milhões), enquanto o BCP viu reconhecida uma dívida de mais de dois milhões de euros, montante semelhante ao pedido pela Fidelidade.

De acordo com o Expresso, a assembleia votou também a favor de um plano de recuperação que evite a insolvência da empresa. Bruno Costa Pereira e Pedro Pidwell, ambos administradores judiciais, mostram-se disponíveis para serem eles a preparar o plano, no espaço de 120 dias.

  ZAP // Lusa