Corais nos recifes profundos da Grande Barreira também estão a morrer

Keith Ellenbogen

Um estudo recente mostra que 40% dos corais de recifes a 40 metros de profundidade da Grande Barreira de Coral branquearam em 2016.

Na costa Leste da Austrália, há um ecossistema com cerca de 3000 recifes e 900 ilhas, que se estende por mais de dois mil quilómetros: a Grande Barreira de Coral. Esta é a casa de corais, animais coloniais que surgiram há cerca de 400 milhões de anos e que são formados por pólipos, unidades que segregam o esqueleto de carbonato de cálcio e, ao longo de milhares de anos, formam um recife.

Já se sabia que um terço dos corais rasos da Grande Barreira morreu em 2016. Agora, um estudo recente, liderado pelo português Pedro Frade, do Centro de Ciências do Mar da Universidade do Algarve, revela que 40% dos corais a 40 metros de profundidade (nos locais visitados pela equipa) branquearam.

Aliás, o estudo refere ainda que 6% deles morreram devido ao branqueamento de 2016. O artigo científico foi publicado na última edição da Nature Communications.

O branqueamento acontece quando a água aquece mais do que o suposto, explica o jornal Público. Esse aquecimento faz com que as algas, que vivem em simbiose com os corais, comecem a produzir substâncias tóxicas e deixem de fazer fotossíntese. Os corais acabam por expulsar as algas e a cor esbranquiçada do seu esqueleto fica visível.

Mas a ausência de cor não é o mais preocupante: isso deixa-os desnutridos e pode mesmo levá-los à morte, porque ficam sem acesso aos nutrientes fornecidos pelas algas através da fotossíntese. Este fenómeno foi observado pela primeira vez nos anos 80 e ocorreu em massa a nível global em 1998, em 2010, em 2016 e 2017.

Pedro Frade estava na Austrália quando aconteceu um dos branqueamentos mais devastadores, que vitimou cerca de 30% dos corais rasos, mas queria também perceber o que acontecia aos recifes mesofóticos (ou profundos) que se situam entre os 30 e os 100 metros.

“A diferença mais óbvia entre os recifes rasos e profundos é a quantidade de luz que penetra até aos profundos”, explica. Regra geral, os recifes mesofóticos crescem mais lentamente, acumulam menos energia e são mais escuros.

Estas características fizeram os cientistas questionar se o branqueamento dos corais afetava estes recifes profundos. Para responder a esta pergunta, a equipa estudou vários locais da parte Norte da Grande Barreira, monitorizando a temperatura e fazendo o levantamento da saúde das comunidades de corais entre os cinco e os 40 metros de profundidade, em maio de 2016.

Apesar de haver algum alívio de temperaturas elevadas, os corais nos recifes profundos são também afetados pelo branqueamento: nos recifes mesofóticos, contabilizou-se que 40% dos corais branquearam e 6% morreram.

“Podemos descartar a hipótese de que poderemos dormir descansados porque o recife profundo vai salvar o recife raso”, comenta o cientista. “O branqueamento de 2016 deixou uma cicatriz que não irá desaparecer tão rapidamente e vão ser precisos muitos anos até os recifes voltem a ter a aparência e funcionalidade que tinham.”

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

PSD vai indicar Fernando Negrão para vice-presidente da Assembleia da República

O PSD vai indicar o líder parlamentar cessante Fernando Negrão para vice-presidente da Assembleia da República, disse hoje à Lusa fonte oficial da bancada social-democrata. A mesma fonte indicou que o PSD irá ainda propor como …

Funcionário da Casa Branca que publicou artigo anónimo sobre Trump vai lançar livro "explosivo"

O alto funcionário da Casa Branca que em setembro do ano passado escreveu de forma anónima um artigo de opinião no The New York Times vai lançar um livro no próximo mês. De acordo com o …

Grupos secretos do Facebook prometem falsas curas para cancro e autismo

Uma investigação do Business Insider expôs casos de contas e grupos secretos no Facebook que passam publicitam "medicamentos" e "tratamentos" alternativos que custam milhares de dólares mas que, na verdade, não passam de fraudes. Segundo noticiou …

Ministério repudia agressões nas escolas e fala em casos "residuais"

O Ministério da Educação garante que as situações de violência grave nas escolas são “residuais” e que existe uma tendência de diminuição de casos, repudiando todas as agressões que considera "inaceitáveis seja quem for o …

Surto de anthrax pode ter matado mais de 100 elefantes no Botswana

Um surto de anthrax pode estar na origem da morte de mais de 100 elefantes no Botswana ao longo dos dois últimos meses. Fontes do Governo do Botswana adiantaram, citadas pela Reuters, que "as investigações preliminares …

Nove migrantes encontrados vivos em novo camião no Reino Unido

A polícia britânica encontrou um segundo camião onde viajavam nove migrantes, todos eles vivos. Ainda hoje foi encontrado um camião com 39 pessoas mortas. Horas depois de ter sido encontrado um camião com 39 pessoas mortas, …

Brexit. Primeiro-ministro da Irlanda apoia adiamento até 31 de janeiro

O primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, defendeu esta quarta-feira uma prorrogação da data do 'Brexit' até 31 de janeiro, num telefonema com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que já recomendou aos 27 que …

Matosinhos é a primeira cidade 5G em Portugal

A NOS cobriu totalmente Matosinhos com 5G, em parceria com a Huawei, tornando-a na primeira cidade de quinta geração móvel em Portugal, anunciou, esta quarta-feira, a operadora de telecomunicações. De acordo com a operadora, "a rede …

O Super Mundial de Clubes vem aí e o Barcelona pode ficar de fora

O Barcelona poderá ficar fora da próxima grande competição da FIFA: o Super Mundial de Clubes. Para inverter esta situação, os catalães terão de ganhar uma das próximas duas edições da Champions. O Conselho da FIFA …

Falência da Thomas Cook leva ao encerramento de empresas no Algarve

De acordo com a TSF, há empresas que não vão conseguir resistir ao colapso do grupo britânico Thomas Cook, que anunciou falência há cerca de um mês. Um mês depois de ter sido anunciada a falência …