Boris Johnson arranca vitória esmagadora rumo ao Brexit

Neil Hall / EPA

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson

O Partido Conservador garantiu, esta quinta-feira, a maioria absoluta e venceu oficialmente as eleições legislativas, apesar de a contagem dos votos continuar em curso.

Para obter uma maioria absoluta, um partido precisa de vencer em 326 das 650 circunscrições eleitorais, mas, apuradas 613 circunscrições, o partido conquistou 337. Liderado pelo primeiro-ministro Boris Johnson, o partido conquistou até agora mais 43 assentos na Câmara dos Comuns do que nas eleições de 2017.

“Parece que ao Governo Conservador foi outorgado um novo e poderoso mandato para fazer o Brexit, e não só fazer o Brexit, mas para unir o país, levá-lo para a frente e focar nas prioridades do país”, disse, esta quinta-feira, ao discursar na circunscrição de Uxbridge and South Ruisli, na qual era candidato, após o anúncio da sua reeleição.

Boris Johnson acabou o discurso a agradecer ao povo do país “por aparecer para votar numa eleição dezembro (…) que se tornou histórica” e dá ao Governo “a oportunidade de respeitar a vontade democrática do povo britânico, mudar para melhorar e libertar o potencial de todo o povo”.

Esta manhã, o primeiro-ministro prometeu arrancar com o Brexit já no final de janeiro. “Conseguimos! Saímos da União Europeia a 31 de janeiro, sem mais ‘se’ nem ‘mas’. (…) Vamos cumprir o Brexit. Mas primeiro, meus amigos, vamos cumprir o pequeno-almoço”, brincou o governante, citado pela TSF.

O Partido Trabalhista, o principal partido da oposição, pelo contrário, perdeu até agora 56 assentos e elegeu 200 deputados. O líder, Jeremy Corbyn, admitiu que a derrota é “muito dececionante” e anunciou que pretende renunciar às funções, após conduzir um “processo de reflexão sobre este resultado e sobre as políticas que vai manter no futuro”.

“Quero tornar claro que não vou liderar o partido em nenhumas futuras eleições. Vou discutir com o partido para garantir que existe um processo de reflexão sobre este resultado e sobre as políticas que vai manter no futuro. E vou liderar o partido durante esse período”, declarou em Islington.

“Esta é obviamente uma noite muito dececionante para o Partido Trabalhista, com o resultado que temos. Mas quero dizer que, na campanha eleitoral, apresentámos um programa de esperança, um programa de unidade e um programa que ajudaria a corrigir os erros, as injustiças e as desigualdades existentes neste país”, disse.

No entanto, acrescentou, “o Brexit tornou-se num debate tão dividido e polarizado que substituiu muito de um debate político normal. E reconheço que isso contribuiu para os resultados que o Partido Trabalhista registou esta noite em todo o país”.

A líder dos Liberais Democratas, Jo Swinson, falhou a reeleição como deputada na circunscrição escocesa de Dumbartonshire East por uma margem de 149 votos para Amy Callaghan, do Partido Nacionalista Escocês (SNP). O SNP já elegeu 46 deputados, mais 13 do que em 2017, enquanto os Liberais Democratas só garantiram oito.

A líder do SNP, Nicola Sturgeon, já reivindicou ter recebido um mandato para realizar um segundo referendo sobre a independência da região ao eleger a grande maioria dos deputados elegíveis na Escócia.

“A Escócia enviou uma mensagem muito clara: Não queremos um Governo de Boris Johnson, não queremos deixar a União Europeia e queremos que o futuro da Escócia fique nas mãos da Escócia”, afirmou a também primeira-ministra do Governo escocês.

Sobre o facto de o primeiro-ministro britânico, de quem depende uma eventual autorização para um referendo de independência, ter garantido insistentemente que não autorizará essa votação, Sturgeon afirmou que Boris Johnson não tem o direito de tirar a Escócia da UE nem de impedir os escoceses de escolherem o seu próprio futuro.

“Tal como aceito com relutância — porque é uma direção que eu lamento — que o Boris Johnson tem um mandato para retirar a Inglaterra da UE, tem de aceitar que eu tenho um mandato para oferecer à Escócia a escolha de uma alternativa de futuro“.

Admitindo não poder presumir que todas as pessoas que votaram no SNP querem a independência da Escócia, Sturgeon afirmou que houve um grande apoio à ideia de a região “ter uma escolha sobre o seu futuro, não ter de aturar um Governo conservador em que não votou e não ter de aceitar a via fora da EU”.

“Não há dúvida de que eu tenho um mandato para dar ao povo da Escócia essa escolha e depois cabe às pessoas no país decidirem que escolha fazem”, afirmou.

Em Bruxelas, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, afirmou que a UE está pronta para negociar o futuro relacionamento com o Reino Unido. “A União Europeia está pronta para a próxima fase. Vamos negociar um acordo comercial que permitirá que as regras do jogo sejam equitativas”.

Charles Michel felicitou Boris Johnson pelo resultado das eleições e pediu a Westminster que “ratifique rapidamente” o acordo do Brexit para, “calmamente, mas com grande determinação, iniciar a negociação na próxima fase”.

O presidente do Conselho Europeu disse que isso será “importante para garantir os interesses do mercado interno” e para ter um “relacionamento próximo no futuro” com Londres.

Dos Estados Unidos também já chegaram as felicitações do Presidente Donald Trump. “Parabéns a Boris Johnson pela sua grande vitória! O Reino Unido e os EUA estão livres para celebrar um novo grande acordo comercial após o Brexit”, escreveu no Twitter.

Para o chefe de Estado, “este acordo tem potencial para ser muito maior e mais lucrativo do que qualquer acordo com a União Europeia”.

 

Cerca de 46 milhões de britânicos votaram, na quinta-feira, nas eleições legislativas antecipadas no Reino Unido, as terceiras em menos de cinco anos, convocadas pelo Governo para tentar desbloquear o impasse criado no Parlamento pelo processo de saída da União Europeia (UE).

A votos estiveram os 650 assentos na Câmara dos Comuns, a câmara baixa do Parlamento britânico, aos quais concorreram 3.322 candidatos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Sempre vi os Britânicos como gente mais inteligente, e até o devem ser, mas o orgulho é muito MAIOR.
    Demorou muito tempo, e eles cansaram-se desta conversa.
    O próprio Corbyn não ajudou nada, nunca explorou o tema do novo referendo, e a própria juventude foi uma desilusão.
    Agora quero ver o que aí virá…

  2. O Boris filho do João ganhou e mereceu-o. Mas não ganhou o Brexit; perdeu o “comunismo” que o burro dos trabalhistas queria implementar na Grã-Bretanha.

  3. Lá se vai a União Europeia, afinal o povo confirmou o referendo, se dúvidas existiam?
    Vamos ver o UK a crescer sem as amarras da UE e da regulamentação que apenas favorece o eixo franco alemão.
    Eu que fabrico, não posso vender na Alemanha nem na França, em Espanha não vale a pena pois são muito patriotas. Na Alemanha e França é necessária muito burocracia. Despendidos dezenas de milhares de euros em certificações especificas, pois certificação europeia já tinha, quando finalmente recebo a certificação, as respostas são de que não tenho preço.

  4. venceu o Reino Unido e perdeu estrondosamente o colectivismo marxista do criminoso Corbyn e dos comparsas da UE, parabéns aos britânicos.

  5. se alguem acredita q o palhacito johnson vai cumprir a promessa a 31 janeiro entao tb acredita q eu sou o pai natal
    os politicos qdo estao no governo sao os maiores aldraboes e o johnson sempre foi 1 vigarista de 1

RESPONDER

Coloridos e selados. Descobertos no Egito sarcófagos com mais de 2.500 anos

As autoridades egípcias anunciaram esta segunda-feira a descoberta de uma coleção de sarcófagos datados de há mais de 2.500 anos, na zona arqueológica de Sakkara, a sul da cidade do Cairo. Em comunicado, citado pela agência …

Nokia vai criar para a NASA a primeira rede móvel operacional na Lua

O grupo finlandês Nokia vai fabricar para a NASA aquela que será a primeira rede móvel móvel na Lua, como parte de um projeto de base humana permanente da agência espacial norte-americana, foi esta segunda-feira …

Sarkozy acusado de "associação criminosa". Investigação sobre ligações à Líbia continua

Nicolas Sarkozy, o antigo Presidente francês, está a ser acusado de "associação criminosa" como parte de uma investigação sobre o financiamento da sua campanha presidencial de 2007, particularmente acerca dos seus alegados vínculos com o …

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em três milénios

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em quase três milénios, aponta uma nova investigação da Universidade de Massachusetts em Amherst, nos Estados Unidos, e da Universidade de Quebec, no Canadá. As …

NASA apresenta rover "transformer" que vai explorar os penhascos íngremes de Marte

A NASA acaba de apresentar um rover de quatro rodas, denominado DuAxel, que se pode dividir em dois rovers de duas rodas separados. O robô foi projetado para, um dia, explorar alguns dos terrenos mais …

Veneno de vespa pode ter muito "potencial" na composição de antibióticos

Com o passar dos anos, a população começa a ficar mais resistente a certos medicamentos e estes deixam de fazer efeito. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu novas moléculas anti-microbianas a partir do veneno de …

"Ou és infetado ou morres de fome". Trabalhadores da Amazon nas Filipinas denunciam condições precárias

Trabalhadores contratados pela empresa de segurança Ring da Amazon que trabalham em call centers nas Filipinas denunciam condições de trabalho que dizem ser precárias, mostrando-se ainda mais preocupados com a situação por causa da pandemia …

"Momento muito duro". André Almeida sofreu rotura de ligamentos e arrisca paragem longa

O futebolista internacional português André Almeida sofreu uma entorse do joelho direito, que resultou numa “rotura do ligamento cruzado anterior e do ligamento lateral interno”, informou esta segunda-feira o Benfica. O lateral dos encarnados saiu aos …

Apoio à retoma. Empresas com perdas de 25% podem reduzir horário até 33% já esta terça-feira

Empregadores com quebra de faturação igual ou superior a 25% vão poder reduzir até 33% o horário dos trabalhadores, entre outubro e dezembro, segundo a alteração ao regime de retoma progressiva de empresas em crise. O …

Chega quer tornar voto obrigatório e sanções para quem não cumprir

O deputado único do Chega entregou uma nova proposta no âmbito do projeto de revisão constitucional do partido para tornar o voto obrigatório para todos os cidadãos que o possam exercer e sanções para quem …